Choque entre formas: em busca de uma didática interartes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36025/arj.v11i1.32076

Palavras-chave:

Estética comparada, Música e pintura, Interdisciplinaridade, choque entre formas, interartes

Resumo

Busca-se, neste texto, lançar luzes à discussão sobre docência de Arte, no que tange possíveis diálogos entre modalidades artísticas, particularmente, música e pintura. A partir do contato com teóricos de diferentes espectros do estudo da arte, da educação e de suas interfaces (Souriau, Pareyson, Barbosa, Swanwick e Didi-Hubermann, entre outros), propõe-se a descrição metodológica de uma didática interartes, em três tempos, visando a extrair possibilidades de conhecimento e de criação do/no contato entre música e pintura. No decorrer do texto, elabora-se reflexões sobre a docência de Arte por parte de licenciados em Música e de licenciados em Artes Visuais e o desafio de cruzar consistentemente fronteiras disciplinares. Espera-se que este percurso teórico (com pretensões práticas) fomente possibilidades fecundas de diálogos interdisciplinares em Arte, entendida tanto em sua inserção como disciplina da Educação Básica, quanto em um espectro mais amplo que contemple as diferentes modalidades artísticas exercidas na contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Siqueira de Freitas, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Alexandre Siqueira de Freitas é pianista, professor do Programa de Pós-Graduação em Artes e do Departamento de Teoria da Arte e Música na Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Doutor em Artes/Música pela Universidade Paris-Sorbonne e pela Universidade de São Paulo (regime de dupla-titulação), Mestre em Musicologia pela Universidade de Toulouse e Bacharel em Música pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Foi articulista cultural do site da revista CartaCapital, autor de inúmeros artigos acadêmicos e dos livros Rencontre des Arts (Harmattan, 2015) e Ressonâncias: relações entre música e pintura (EDUFES, 2022).

Referências

AZEVEDO, Fernando Antônio Gonçalves de. A Abordagem triangular no ensino das Artes como teoria e a pesquisa como experiência criadora. 2014. 207 f. Tese de (Doutorado em Educação). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014.

BARBOSA, Ana Mae (org.). Ensino da arte: memória e história. São Paulo: Perspectiva, 2008.

BARBOSA, Ana Mae. A imagem no ensino da arte: anos 1980 e novos tempos. São Paulo: Perspectiva, 1991.

BARBOSA, Ana Mae. Interterritorialidade: mídias, contextos e educação. São Paulo: SENAC, 2008.

BATAILLE, Georges. Doccuments. São Paulo: Martins Fontes, 2018.

BAYER, Francis. De Schoenberg à Cage: essai sur la notion d’espace sonore dans la musique contemporaine. Paris: Klincksieck, 1987.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf. Acesso em: 7 dez 2022.

BRITO, Teca Alencar de. Música na educação infantil: propostas para formação integral da criança. São Paulo: Peirópolis, 2003.

CASSIRER, Ernest. A filosofia das formas simbólicas. Primeira parte: a linguagem. Tradução de: Marion Fleisher. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

CLÜVER, Claus. Estudos interartes: conceitos, termos, objetivos. Literatura e Sociedade, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 37-55, 1997. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2237-1184.v0i2p37-55. Acesso em: 22 fev 2023.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

DIDI-HUBERMANN, Georges. La ressemblance informe ou le gai savoir de Georges Bataille. Paris: Macula, 1995.

DUARTE JÚNIOR, João-Francisco. Fundamentos Estéticos da Educação. Campinas: Papirus, 1994.

ECO, Umberto. A definição da arte. São Paulo: Record, 2016.

EISENSTEIN, Serguei. O sentido do filme. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

FERNÁNDEZ DIAS, Hamlet. Abordaje Triangular: Estudio crítico. Linhas Críticas Brasília, v. 25, p. 1-23, 2019.

FONTERRADA, Marisa Trench de Oliveira. Entre tramas e fios: um ensaio sobre música e educação. São Paulo: UNESP, 2008.

FRANÇA, Cecília; SWANWICK, Keith. Composição, apreciação e performance na educação musical: teoria, pesquisa e prática. Revista Em Pauta, Porto Alegre, v. 13, n. 21, p. 5-41, 2002.

FREITAS, Alexandre Siqueira de. Choque entre formas: Aproximações Intra e Interartísticas.

FREITAS, Alexandre Siqueira de. Ressonâncias, reflexos e confluências: três maneiras de conceber as semelhanças entre o sonoro e o visual em obras do século XX. 2012. 342 f. Tese (Doutorado em Artes/Música). Universidade de São Paulo/Universidade Paris-Sorbonne (dupla-titulação), São Paulo, 2012.

FREITAS, Alexandre Siqueira de. Ressonâncias: relações entre música e pintura. Vitória: EDUFES, 2021.

MALRAUX, André. Le musée imaginaire. Paris: Gallimard, 1996.

NATTIEZ, Jean-Jacques. La musique, les images et les mots. Montréal: Fides, 2010.

PAREYSON, Luigi. Estética: Teoria da Formatividade. Petrópolis: Vozes, 1996.

PAREYSON, Luigi. Os problemas da estética. Tradução: Maria Helena Nery Garcez. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG. v.6, n.12: nov., 2016.

SOURIAU, Etienne. La correspondance des arts: eléments d’esthétique comparée. Paris: Flammarion, 1947.

SOURIAU, Etienne. Vocabulaire d’Esthétique. Paris: Presses universitaires de France, 1990.

SWANWICK, Keith. Ensinando música musicalmente. Tradução: Alda Oliveira e Cristina Tourinho. São Paulo: Editora Moderna, 2003.

Downloads

Publicado

30-06-2024

Como Citar

FREITAS, A. S. de. Choque entre formas: em busca de uma didática interartes. ARJ – Art Research Journal: Revista de Pesquisa em Artes, [S. l.], v. 11, n. 1, 2024. DOI: 10.36025/arj.v11i1.32076. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/32076. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Perspectivas Multidisciplinares no Campo da Arte