Teatro como campo expandido: a imagem em Gilles Deleuze e Hans-Thies Lehmann.

  • Ricardo Nascimento Fabbrini Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Teatro, cinema, imagem, Gilles Deleuze, Hans-Thies Lehmann

Resumo

Este texto caracteriza o “teatro da dramaturgia visual”, de Hans-Thies Lehmann, ou teatro como campo expandido, pela incorporação de diversas mídias. Recorremos à crítica de Gilles Deleuze aos “ardis da representação” e à “diferença ontológica entre modelo e cópia”, ressaltando que esse teatro se opõe à imagem-representação do teatro dramático e do cinema clássico, assim como à imagem-simulacro do mundo mass-midiático. Recorremos, ainda, aos comentários de Anne Sauvagnargues à noção deleuzeana de “imagem-individuação”, baseadas nas modulações de longitude e de latitude. Procuramos mostrar que esse teatro expandido é o lugar, por excelência, para o desenvolvimento do drama da percepção, questão que está no centro da reflexão estética contemporânea. Na confluência das linguagens, de signos de luz e do corpo do ator, teríamos uma imagem que efetua uma crítica às imagens circulantes, ou uma forma que “afeta a sensação e força o pensamento”, no sentido de Gilles Deleuze.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Nascimento Fabbrini, Universidade de São Paulo

Ricardo Nascimento Fabbrini is a professor of aesthetics in the Department of Philosophy, in the school of Philosophy, Letters and Human Sciences of the University of São Paulo (Departamento de Filosofia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP). He is the author of O Espaço de Lygia Clark (Atlas, 1994) and A arte depois das vanguardas (Editora da Unicamp, 2002).

Referências

BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e simulação. Lisboa: Relógio d´Água, 1991.

BAUDRILLARD, Jean. Da sedução. Campinas: Papirus, 1991.

BAUDRILLARD, Jean. Tela total, mito-ironias da era do virtual e da imagem. Porto Alegre: Sukina, 2005.

BAVCHAR, Evgen. Le vouyeur absolu. Paris: Seuil, 1992.

BELLOUR, Raymond. Entre-imagens. Campinas: Papirus, 1997.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1986.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama barroco alemão. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BOURRIAUD, Nicolas. Estética relacional. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BOURRIAUD, Nicolas. Radicante: por uma estética da globalização. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BOURRIAUD, Nicolas. Formas de vida: a arte moderna e a invenção de si. São Paulo: Martins Fontes, 2011a.

BRETT, Guy. Brasil experimental: arte/vida: proposições e paradoxos. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2005.

CAMPOS, Augusto. Do ideograma ao videograma. Folha de São Paulo.São Paulo, 16 maio 1993.

CLARK, Lygia. In: DISERENS, Corinne; TODOLI, Vicente; COESENS, Piet (Orgs.). Lygia Clark. Barcelona: Fundació Antoni Tápies: MAC,1998.

COSTA, Mario. O sublime tecnológico. São Paulo: Experimento, 1995.

DELEUZE, Gilles. Sobre o teatro: um manifesto a menos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 2010.

DELEUZE, Gilles. Proust e os signos. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010a.

DELEUZE, Gilles, GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995-1997. v. 5.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

DELEUZE, Gilles. Cinema 1: a imagem-movimento. São Paulo: Brasiliense, 1985.

DELEUZE, Gilles. Cinema 2: a imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense, 1990.

DELEUZE, Gilles. Crítica e clínica. São Paulo: Editora 34, 1997.

DELEUZE, Gilles. Francis Bacon: lógica da sensação. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

DERRIDA, Jacques. A universidade sem condição. São Paulo: Estação Liberdade, 2003.

DUBOIS, Philippe. O ato fotográfico e outros ensaios. Campinas, Papirus, 1994.

FAVARETTO, Celso F. A invenção de Hélio Oiticica. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1992.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 1981.

FOSTER, Hal. O retorno do real. São Paulo, Cosac Naify, 2014.

GALARD, Jean. Beleza exorbitante: reflexões sobre o abuso estético. São Paulo: Editora Fap-Unifesp, 2012.

HUYSSEN, A. Culturas do passado-presente: modernismos, artes visuais, políticas da memória. São Paulo: Contraponto, 2014.

LACAN, Jacques. O seminário, livro 11, os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.

LEHMANN, Hans-Thies. O teatro pós-dramático. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

LIPOVETSKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla, 2004.

LYOTARD, Jean-François. O inumano: considerações sobre o tempo. Lisboa: Editorial Estampa, 1990.

LYOTARD, Jean-François. Algo assim como: comunicação sem comunicação. In: PARENTE, André. (Org.). Imagem Máquina: a era das tecnologias do virtual. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.

LYOTARD, Jean-François. Que Peindre?: Adami, Arakawa e Buren. Paris: Éditions de la Différence, 1987.

MACIEL, Katia. A última imagem. In: PARENTE, André (Org.). Imagem máquina: a era das tecnologias do virtual. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.

MONDRIAN, Piet. Neoplasticismo na pintura e na arquitetura. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

PELBART, Peter Pal. A vertigem por um fio: políticas da subjetividade contemporânea. São Paulo: Iluminuras/Fapesp, 2000.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

SAUVAGNARGUES, Anne. Deleuze et l`art. Paris: Presses Universitaires France, 2006.

SAUVAGNARGUES, Anne. L´éthologie: l´affect de l´image. In: ___ Symposium: Canadian Journal of Continental Philosophy, v. 10, n. 1, p. 155-167, 2006.

SAUVAGNARGUES, Anne. Écologie des images et machine d´art. In: ___ Pourpalers Deleuze: Entre art et philosophie. Reims: Épure: Éditions et Presses Universitaire de Reims, 2013.

SCHILLER, Friedrich. A educação estética do homem: numa série de cartas. São Paulo: Iluminuras, 1990.

Publicado
17-05-2016
Como Citar
FABBRINI, R. N. Teatro como campo expandido: a imagem em Gilles Deleuze e Hans-Thies Lehmann. ARJ – Art Research Journal: Revista de Pesquisa em Artes, v. 3, n. 1, p. 20-36, 17 maio 2016.
Seção
Dossiê: Teatro em campo expandido