Me ensina a assoviar?

A musicalidade da criança surda

Autores

Palavras-chave:

Teoria Histórico-Cultural, pessoa surda, educação musical, musicalidade, processos educativos

Resumo

O presente artigo faz parte da tese intitulada “A musicalidade da criança surda: educação e desenvolvimento” e tem como objetivo trazer reflexões a respeito da organização de processos educativos voltados para o desenvolvimento da musicalidade da criança surda. Dado que esse desenvolvimento é constituído por suas vivências e experiências educativas na cultura, é possível organizar processos educativos voltados para o desenvolvimento da musicalidade da criança surda. O pressuposto teórico que norteia a investigação é a Teoria Histórico-Cultural que compreende que o desenvolvimento humano, na cultura, extrapola os impedimentos orgânicos existentes. Este desenvolvimento engloba a dialética do impedimento orgânico (biológico) com o cultural, e por isso está vinculado às experiências e relações com o outro na cultura. O método utilizado foi a pedologia, ciência do desenvolvimento da criança, assim denominada por Vigotski na Rússia soviética.  A partir desta ótica percebe-se que o desenvolvimento infantil acontece de forma cíclica; possui uma desproporcionalidade e há a existência de mudanças qualitativas neste processo. Assim, este estudo nos possibilita trazer reflexões que fogem às padronizações dos estereótipos dentro da prática em educação musical, dos processos educativos voltados para o desenvolvimento da musicalidade da pessoa surda. Considerando essas ideias, os processos educativos devem respeitar as experiências e vivências musicais trazidas pela criança surda e, dessa forma, alimentar sua autonomia, sua reflexão em torno do seu saber, do seu aprender e do seu ensinar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiane Ribeiro Morais de Paula, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal

Doutora e mestra em Educação pela Universidade de Brasília. Possui graduação em Pedagogia pela Associação de Ensino Unificado do Distrito federal - AEUDF e especialização em Orientação Educacional pela Faculdade do Noroeste de Minas - FINOM. Intérprete educacional nas séries iniciais na Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Práticas Educativas - GEPPE. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação especial, língua brasileira de sinais, perspectiva histórico-cultural, cultura surda e musicalidade

Patr´ícia Lima Martins Pederiva, Universidade de Brasília

Licenciatura em Música pela Universidade de Brasília (1987); Especialização em Execução Musical pela Universidade de Brasília (2000); Mestrado em Educação (Ensino-aprendizagem) pela Universidade Católica de Brasília (2005); Doutorado em Educação pela Universidade de Brasília (2009/ Escola, Aprendizagem e Trabalho Pedagógico); Pós-Doutorado no Departamiento de Psicologia Evolutiva y Educación de la Universidad Autónoma de Madrid, España; Professora da área de Artes, do Departamento de Métodos e Técnicas da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília; Professora do PPGE- Programa de Pós-Graduação em Educação da UnB na Linha de Pesquisa EAPS (Ensino, Aprendizagem, Desenvolvimento e Subjetividade na Educação), no Eixo de Pesquisa de Processos de Escolarização; Coodenadora do GEPPE- Grupo de Estudos e Pesquisas em Práticas Educativas(Certificado pelo CNPq); Pesquisadora de Teoria Histórico-Cultural de Lev Semionovich Vigotski; Membro da ISCAR- International Society of Cultural-historical Activity Research e da ISCAR Brasil; Membro associada da ISME- International Society for Music Education: Membro da ABEM- Asociação Brasileira de Educação Musical; Membro da ANPEd- Associação Nacional de Pesquisa em Educação; Membro da ABEM- Associação Brasileira de Educação Musical .

Referências

BELING, Rafael; LUSTOSA, Eduardo. “Música? Ele não nasceu pra isso!”: práticas do professor de música e preconceito em sala de aula. In: ENCONTRO REGIONAL SUDESTE DA ABEM, 9., 2014, Vitória. Anais eletrônicos [...] Vitória, ES: ABEM, 2014. Disponível em: http://abemeducacaomusical.com.br/anais_ersd/v1/papers/826/public/826-2684-1- PB.pdf. Acesso em: 27 jun. 2022.

BRASIL. Lei nº 13.146 de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF: Diário Oficial da União, 2015. Disponível: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 08 jul. 2022.

CONSORTE, Pedro. O corpo é um instrumento musical? 2013. Disponível em: https://fritosbr.wordpress.com/2013/04/22/o-corpo-e-um-instrumento-musical-parte-i/. Acesso em: 08 jul. 2022.

FONSECA, Ricardo Tadeu Marques da. O novo conceito constitucional de pessoa com deficiência: um ato de coragem. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, São Paulo, n. 10, p. 45-54, 2012. Disponível em: https://juslaboris.tst.jus.br/handle/20.500.12178/78834. Acesso em: 08 jul. 2022.

GONÇALVES, Augusto Charan Alves Barbosa. Educação musical na perspectiva histórico-cultural de Vigotski: a unidade educação-música. xiii, 277 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

HAGUIARA-CERVELLIN, Nadir da Glória. A criança deficiente auditiva e suas reações à música. São Paulo: Editora Moraes, 1986.

MATHIAS, Mércia Santana. Produção acadêmica sobre música e surdez: o que revelam as publicações brasileiras. Revista da ABEM, v. 27, n. 42, jan./jun. 2019. Disponível em: http://abemeducacaomusical.com.br/revistas/revistaabem/index.php/revistaabem/article/view/800. Acesso em: 23 fev. 2021.

MONTAGU, Ashley. Tocar: o significado humano da pele. Tradução de Maria Sílvia Mourão Netto. São Paulo: Summus, 1988.

PAULA, Tatiane Ribeiro Morais de; PEDERIVA, Patrícia Lima Martins. Sou surdo e gosto de música: a musicalidade da pessoa surda na perspectiva histórico–cultural. 1. ed. Curitiba: Appris, 2018.

PAULA, Tatiane Ribeiro Morais de; PEDERIVA, Patrícia Lima Martins. A musicalidade das pessoas surdas: um olhar a partir da teoria histórico-cultural. DELTA: Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada, v. 38, n. 1, p.1-22, 2022. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1678-460X202257176. Acesso em: 23 set. 2022.

PEDERIVA, Patrícia Lima Martins. A atividade musical e a consciência da particularidade. 2009. 205 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

SILVA, Daniele Nunes Henrique. Como brincam as crianças surdas. 3. ed. São Paulo: Plexus Editora, 2002.

SKLIAR, Carlos. A escuta das diferenças. Porto Alegre: Mediação, 2019.

VIGOTSKI, Lev Semenovitch. Psicologia da arte. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

VIGOTSKI, Lev Semionovich. Psicologia pedagógica. Tradução de Claudia Schilling. Porto Alegre: Artmed, 2003.

VYGOTSKI, Lev Semiónovic. Obras escogidas III: problemas del desarrollo de la psique. Madrid: Machado Grupo de Distribución, 2012a.

VYGOTSKI, Lev Semiónovic. Obras Escogidas V: fundamentos de Defectología. Madrid: Machado Grupo de Distribución, 2012b.

VIGOTSKI, Lev Semionovich. 7 aulas de L.S Vigotski sobre os fundamentos da pedologia. Organização [e tradução] Zoia Prestes, Elizabeth Tunes; tradução Cláudia Costa Guimarães Santana. 1. ed. Rio de Janeiro: E-papers, 2018a.

VYGOTSKI, Lev Semenovich. Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico, livro para professores. Tradução e revisão técnica Zoia Prestes e Elizabeth Tunes. 1 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2018b.

VIGOTSKI, Lev Semionovitch. Psicologia, educação e desenvolvimento: escritos de L.S. Vigotski. Tradução de Zoia Prestes e Elizabeth Tunes. 1 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2021.

Downloads

Publicado

15-08-2023

Como Citar

PAULA, T. R. M. de; LIMA MARTINS PEDERIVA, P. Me ensina a assoviar? : A musicalidade da criança surda. Diálogos Sonoros, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 1–19, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/dialogossonoros/article/view/30843. Acesso em: 25 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Música e Inclusão