Psicogênese da língua escrita: referência fundamental para a compreensão do processo de alfabetização

  • Maria Estela Costa Holanda Campelo Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Palavras-chave: Estudos psicogenéticos. Escola pública. Rio Grande do Norte.

Resumo

O estudo analisa a evolução psicogenética da escrita de crianças da escola pública do Rio Grande do Norte, tendo como referência as pesquisas de Emilia Ferreiro e colaboradores. A coleta de escritas foi embasada no Método de Indagação, adaptado do método clínico de Piaget. O corpus de pesquisa contém escritas integrantes de uma coleção finita de produções, construída ao longo de 20 anos de pesquisa sobre a produção psicogenética de escritas de alfabetizandos. Nos resultados, destacam-se a caracterização e análise dos níveis de conceitualização da língua escrita, as hipóteses construídas e suas ilustrações com as escritas produzidas pelos sujeitos da pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AZENHA, Maria da Graça. Imagens e letras: Ferreiro e Luria. Duas teorias psicogenéticas. São Paulo: Ática, 1995.

AZENHA, Maria da Graça. Construtivismo: de Piaget a Emilia Ferreiro. 7. ed. São Paulo: Ática, 2003.

BAUER, Martin W.; AARTS, Bas. A construção do corpus: umprincípio para a coleta de dados qualitativos. In: BAUER, Martin W.; GASKELL, George; (Org.). Pesquisa qualitativa com textos, imagem e som: um manual prático. Tradução Pedrinho Arcides Guareschi. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

BRANDÃO, Ana Carolina Perrusi; LEAL, Telma Ferraz. Em busca da construção de sentidos: o trabalho de leitura e produção de textos na alfabetização. In: BRANDÃO, Ana Carolina Perrusi; ROSA, Ester Calland de Sousa (Org.). Leitura e produção de textos na alfabetiza- ção. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Sistema Educacional Brasileiro. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: manual do pacto. Brasília: MEC, 2013. Disponível em: http://pacto.mec.gov.br/images/pdf/pacto_livreto.pdf. Acesso em: 21 abr. 2013.

FERREIRO, Emilia. A representação da linguagem e o processo de alfabetização. In: FERREIRO, Emilia (Org.). Reflexões sobre alfabetização. Tradução Horácio Gonzales. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1985.

FERREIRO, Emilia. Processos de aquisição da língua escrita no contexto escolar. In: FERREIRO, Emilia (Org.). Reflexões sobre alfabetização. Tradução Horácio Gonzales. São Paulo: Cortez/ Autores Associados, 1985a.

FERREIRO, Emilia. Alfabetização em processo. Tradução Maria Antônia Cruz Costa Magalhães, Marisa do Nascimento Paro e Sara Cunha Lima. 3. ed. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1987.

FERREIRO, Emilia. A escrita... antes das letras. In: SINCLAIR, Hermine (Org.). A produção de notações na criança: linguagem, números, ritmos e melodias. Tradução Maria Lúcia F. Moro. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1990.

FERREIRO, Emilia. A cultura escrita na Primeira Infância. In: FERREIRO, Emilia. Cultura escrita e educa- ção: conversas de Emilia Ferreiro com José Antonio Castorina, Daniel Goldin e Rosa María Torres. Tradução Ernani Rosa. Porto Alegre: Artmed, 2001.

FERREIRO, Emilia. Desenvolvimento da alfabetização: psicogênese. In: GOODMAN, Yetta M. (Org.). Como as crianças constroem a leitura e a escrita: perspectivas piagetianas. Tradução Bruno Charles Magne. Porto Alegre: Artmed, 1995.

FERREIRO, Emilia. Sobre a necessária coordenação entre semelhanças e diferenças. In: CASTORINA, José Antônio; FERREIRO, Emilia; LERNER, Delia; OLIVEIRA, Marta Kohl de (Org.). Piaget- Vygotsky: novas contribuições para o debate. São Paulo: Ática, 1995a.

FERREIRO, Emilia; TEBEROSKY, Ana. A compreensão do sistema de escrita: construções origi- nais da criança e informação específica dos adultos. In: FERREIRO, Emilia. Reflexões sobre alfabetização. Tradução Horácio Gonzales.São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1985.

FERREIRO, Emilia; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Tradução Diana Myriam Lichtenstein, Liana Di Marco e Mário Corso. Porto Alegre: Artmed, 1985a.

MORAIS, Artur Gomes de. Se a escrita alfabética é um sistema notacional (e não um código), que implicações isso tem para a alfabetização? In: MORAIS, Artur Gomes de; ALBUQUERQUE, Eliana Borges C. de; LEAL, Telma Ferraz (Org.). Alfabetização: apropria- ção do sistema de escrita alfabética. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

OLIVEIRA, Marta Kohl de. Apresentação. In: AZENHA, Maria da Graça. Imagens e letras: Ferreiro e Luria – duas teorias psicogenéticas. São Paulo: Ática, 1995.

SMOLKA, Ana Luiza Bustamante. A criança na fase inicial da escrita: a alfabetização como processo discursivo. São Paulo: Cortez; Campinas: Editora da UNICAMP, 1988.

SOARES, Magda. Aprender a escrever, ensinar a escrever. In: ZACCUR, Edwiges (Org.). A magia da linguagem. Rio de Janeiro: DP & A/SEPE, 1999.

TEBEROSKY, Ana. Psicopedagogia da linguagem escrita. Tradução Beatriz Cardoso. 4. ed. São Paulo: Trajetória Cultural; Campinas: Editora da UNICAMP, 1991.

TEBEROSKY, Ana; COLOMER, Teresa. Aprender a ler e a escrever: uma proposta construti- vista. Porto Alegre: Artmed, 2003.

VIEIRA, Giane Bezerra. Alfabetizar letrando: Investigação-ação fundada nas necessidades de formação docente. 2010. 333f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós- Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2010.

WEISZ, Telma. Prefácio. In: FERREIRO, Emilia. Reflexões sobre alfabetização. Tradução Horácio Gonzales.São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1985.

Publicado
15-12-2015
Como Citar
Campelo, M. E. C. H. (2015). Psicogênese da língua escrita: referência fundamental para a compreensão do processo de alfabetização. Revista Educação Em Questão, 53(39), 186-217. https://doi.org/10.21680/1981-1802.2015v53n39ID8801
Seção
Artigos