Metodologias ativas e tecnologias digitais:

aproximações e distinções

Palavras-chave: Metodologias ativas, Tecnologias digitais na educação, Didática do ensino superior, Práticas pedagógicas

Resumo

Ao tratar a temática metodologias ativas e tecnologias digitais, objetivou-se discutir seus conceitos, além de descrever a origem e seus elementos constitutivos. O estudo centrou-se na problemática: quais seriam as aproximações e distinções entre o uso de tecnologias digitais e as metodologias ativas? O corpus da pesquisa abordou conceitos sobre metodologias ativas e tecnologias, destacando as digitais na atualidade, além das origens e características das metodologias ativas e suas possíveis relações com o uso de tecnologias digitais, ao que se construiu um quadro síntese para cada metodologia estudada. As metodologias consideradas foram: aprendizagem por projetos, aprendizagem baseada em problemas, estudo de caso, aprendizagem por pares e metodologia da sala de aula invertida. Enquanto pesquisa qualitativa, consistiu em estudo exploratório, tendo por base autores como Hernández (1998), Serra e Vieira (2006), Mazur (1997), Souza e Dourado (2015), Kensky (2012), Moran (2018) e Bergmann e Sams (2018), entre outros. Os resultados apontam para a existência de metodologias ativas nos séculos XIX e XX antes mesmo da criação das tecnologias digitais, por isso, não podem ser confundidas; o uso de tecnologias digitais não implica necessariamente a aplicação de metodologias ativas; e tecnologias digitais potencializam as metodologias, sejam ativas ou não.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosilei Ferrarini, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Pedagoga (UFPR) com especialização em Psicopedagogia (PUCPR). Formação em Consultoria de Gestão da Qualidade em Educação e em Inovações Estratégicas. Mestranda em Educação pela PUCPR. Membro do Grupo de Pesquisa Práticas Pedagógicas com Tecnologias Educacionais (PUCPR) E-mail: ruferrarini1@gmail.com.

Daniele Saheb, PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ (PUCPR)

Pedagoga, Mestre e Doutora em Educação (UFPR). Professora Titular do Curso de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Membro do Grupo de pesquisa: Aprendizagem e Conhecimento na Prática Docente (PUCPR) e Educação, Meio Ambiente e Sociedade – UFPR. E-mail: danisaheb@yahoo.com.br.

Patricia Lupion Torres, PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ (PUCPR)

Pedagoga, Mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e Doutora em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professora titular e permanente do mestrado e doutorado em Educação da PUCPR. Coordenadora do Grupo de Pesquisa Práticas Pedagógicas com Tecnologias Educacionais (PUCPR). E-mail: patorres@terra.com.br.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Tradução Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BERGMANN, Jonathan; SAMS, Aaron. Sala de aula invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem. Tradução Celso de Cunha Serra. Rio de Janeiro: LTC, 2018.

CERQUEIRA, Rodrigo Júlio; GUIMARÃES, Loevanil Marcial; NORONHA, José Leonardo. Proposta de aplicação da metodologia PBL (aprendizagem baseada em problemas) em disciplina do curso de graduação em engenharia de produção da Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI). Internacional Journal Active Learning, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 35-55, jul./dez. 2016. Disponível em: <http://apl.unisuam.edu.br/revistas/index.php/ijoal/article/view/1098>. Acesso em: 12 jul. 2018.

ESTEBAN, Maria Paz Sandín. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Tradução Miguel Cabrera. Porto Alegre: AMGH, 2010.

FONTANA, Fabiana Fagundes; CORDENONSI, André Zanki. TDIC como mediadora do processo de ensino-aprendizagem da arquivologia. ÁGORA, Florianópolis, v. 25, n. 51, p. 101-131, jul./dez. 2015. Disponível em: <http://oaji.net/articles/2015/2526-1445867359.pdf>. Acesso em: 8 jul. 2018.

GEWEHR, Diógenes. Tecnologias digitais da informação e comunicação (TDICS) na escola e em ambientes não escolares. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação do Centro Universitário UNIVATES. Lajeado, 2016. 136f. Disponível em: <https://www.univates.br/bdu/bitstream/10737/1576/1/2016DiogenesGewehr.pdf>. Acesso em: 8 jul. 2018.

HERNÁNDEZ, Fernando. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Tradução Jussara Haubert Rodrigues. Porto Alegre: Artmed, 1998.

KENSKY, Vani Moreira. O que são tecnologias e por que elas são essenciais. In: KENSKY, Vani Moreira. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. 8. ed. Campinas: Papirus, 2012.

LEAL, Edvalda Araújo; MEDEIROS, Cintia Rodrigues de Oliveira; FERREIRA, Layane Vitória. O uso de método do caso de ensino na educação na área de negócios. In: Revolucionando a sala de aula: como envolver o estudante aplicando as técnicas de metodologias ativas de aprendizagem. 2. reimp. São Paulo: Atlas, 2018.

MAZUR, Eric. Instrução de pares: um manual do usuário. 1997. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/.../0/Mazur_0.pdf>. Acesso em: 22 jul. 2018.

MAZUR, Eric. Peer Instruction. Disponível em: <https://www.uq.edu.au/teach/flipped-classroom/docs/FAB/FABPeerInstructionTipsheet.pdf>. Acesso em: 22 jul. 2018.

MORAN, José. Metodologias ativas para uma aprendizagem profunda. In: MORAN, José; BACICH, Lilian (Org.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

PINTO, Antonio Sávio da Silva; BUENO, Marcilene Rodrigues Pereira; SILVA, Maria Aparecida Félix Amaral; SELMANN, Milena Zampieri; KOEHLER, Sonia Maria Ferreira. Inovação didática – projeto de reflexão e aplicação das metodologias ativas de aprendizagem no ensino superior: uma experiência com “peer instruction”. Janus, Revista de Pesquisa Científica – UNIFATEA, Lorena, v. 6, n. 15, jan./jul. 2012. Disponível em: <http://publicacoes.fatea.br/index.php/janus/article/viewFile/582/412>. Acesso em: jul. 2018.

SAMPIERI, Roberto Hernández; COLLADO, Carlos Fernández; LUCIO, María del Pilar Baptista. Metodologia da pesquisa. Tradução Daisy Vaz de Moraes. 5. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

SCAICO, Pasqueline Dantas; QUEIROZ, Ruy José G. B. de; SCAICO, Alexandre. O conceito big data na educação. 3º Congresso Brasileiro de Informática na Educação (CBIE 2014) / 20º Workshop de Informática na Escola (WIE 2014). Rio de Janeiro: SESES, 2017. Disponível em: <http://www.br-ie.org/pub/index.php/wie/article/view/3115/2623>. Acesso em: jul.2018.

SERRA, Fernando; VIEIRA, Patricia Serra. Manual do estudo de caso: como redigir, como aplicar. Rio de Janeiro: Lab, 2006.

SOUZA, Samir; DOURADO, Luis. Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP): um método de aprendizagem inovador para o ensino educativo. HOLOS, Natal, v. 5, n. 31, p. 182-200, 2015. Disponível em: <http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/2880/1143>. Acesso em: 10 jul. 2018

Publicado
18-03-2019
Como Citar
Ferrarini, R., Saheb, D., & Torres, P. L. (2019). Metodologias ativas e tecnologias digitais:. Revista Educação Em Questão, 57(52). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2019v57n52ID15762
Seção
Artigos