Educar para a diferença

por um fazer racializado para a educação escolar

Palavras-chave: Relações Raciais, Educação Escolar, Diferença

Resumo


O artigo analisa a produção de diferenças em uma Escola Pública Estadual de Ensino Fundamental de Belém (PA) a partir de um fazer racializado para a educação escolar. Nesse processo, desenvolvido com o aporte de uma pesquisa de campo com estudantes do 5º ano, cruzamos narrativas históricas sobre relações raciais e miscigenação para a compreensão de como o racismo operava no cotidiano escolar das/os interlocutoras/es. Evidenciamos a reprodução de linguagens raciais de caráter naturalista, difuso e rarefeito utilizadas por professoras/es e gestoras/es escolares que, em sua maioria, manejavam percepções compactas e universalizantes acerca do ensino, acentuando desigualdades por meio da instrumentalização de práticas de inclusão e respeito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Débora Lira

Graduada em Pedagogia pela Universidade da Amazônia (UNAMA), em 2018. Seus interesses de pesquisa são: Educação Básica, Relações Étnico-Raciais e Marcadores Sociais da Diferença.

Ramon Reis
Doutor em Ciência Social (Antropologia Social) pela Universidade de São Paulo (2016); Mestre em Ciências Sociais (Antropologia) pela Universidade Federal do Pará (2012), Graduado em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Pará (2010). Pesquisador vinculado ao Grupo de Pesquisa NosMulheres - Pela equidade de gênero étnico-racial (UFPA) e ao Núcleo de Estudos Sobre Marcadores Sociais da Diferença - NUMAS (USP). Foi membro do corpo editorial da Cadernos de Campo - Revista dos Alunos de Pós-Graduação em Antropologia Social da USP (2012-2014). Prestou serviços de educador ao Programa Transcidadania, viabilizado pela Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania do município de São Paulo - SMDHC/SP (2017). Atua nas seguintes áreas: Antropologia, Antropologia Urbana e Estudos de Gênero e Sexualidade.

Referências

  • AFONSO, Maria Lúcia Miranda; ABADE, Flávia Lemos. Jogos para pensar: Educação em Direitos Humanos e Formação para a Cidadania. Belo Horizonte: Autêntica Editora; Ouro Preto, MG: UFOP, 2013.

  • AMADOR DE DEUS, Zélia. Ananse tecendo teias na diáspora: uma narrativa de resistência e luta das herdeiras e dos herdeiros de Ananse. Belém: Secult/PA, 2019.

  • BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Educação Popular na Escola Cidadã. Petrópolis: Vozes, 2000.

  • BRAUDEL, Fernand. Escritos sobre a história. São Paulo: Perspectiva, 1978.

  • CANCLINI, Néstor García. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: EDUSP, 1997.

  • CANDAU, Vera Maria Ferrão. Direito à Educação, Diversidade e Educação em Direitos Humanos. Educação & Sociedade, Campinas, v. 33, n. 120, 2012, pp. 715-726. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/es/v33n120/04.pdf>. Acesso em: 20 de mar. de 2021.

  • CARVALHO, Marília Pinto. Avaliação escolar, gênero e raça. Campinas, SP: Papirus, 2009.

  • CASHMORE, Ellis. Dicionário de relações étnicas e raciais. São Paulo: Summus, 2000.

  • COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. São Paulo: Boitempo, 2019.

  • DUMONT, Louis. O individualismo. Uma perspectiva antropológica da ideologia moderna. Rio de Janeiro: Rocco, 1983.

  • FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Ática, 1978. v. 1/2.

  • FREIRE. Educação como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

  • FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

  • FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. São Paulo: Global, 1933.

  • FREYRE. Sobrados e mucambos: decadência do patriarcado rural e desenvolvimento do urbano. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1936.

  • GILROY, Paul. Entre campos: nações, cultura e o fascínio da raça. São Paulo: Annablume, 2007.

  • GONZALEZ, Lélia. Primavera para as rosas negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018.

  • GROSSI, Miriam Pillar; TASSINARI, Antonella; RIAL, Carmen (Orgs.). Ensino de antropologia no Brasil: formação, práticas disciplinares e além fronteiras. Blumenau: Nova Letra, 2006.

  • HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

  • KILOMBA, Grada. Memórias da plantação – Episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

  • LAO-MONTES, Agustin. Sin Justicia étnico-racial no hay paz: las afro-reparaciones en perspectiva histórico-mundial. In: ROSERO-LABBÉ, C. M.; BARCELOS, L. C. (Eds). Afro-reparaciones: Memorias de la Esclavitud y Justicia Reparativa para negros, afrocolombianos y raizales. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia. Facultad de Ciencias Humanas. Centro de Estudios Sociales (CES), 2007, pp. 131-154.

  • MARX, Anthony. A construção da raça e o Estado-Nação. Estudos Afro-Asiáticos, Rio de Janeiro, n. 29, 1996, pp. 9-36.

  • MUNANGA, Kabengele. Negritude: usos e sentidos. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

  • RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

  • SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil - 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

  • SEYFERTH, Giralda. A antropologia e a teoria do branqueamento da raça no Brasil: a tese de João Baptista de Lacerda. Revista do Museu Paulista, São Paulo, n. XXX, 1985, pp. 81-98.

  • SILVA, Tomaz Tadeu. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu. Identidade e diferença. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2000, pp. 73-102.

  • SKIDMORE, Thomas. Preto no branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

  • VIOLA, Daniela Teixeira Dutra. O momento-limite conceitual: um estudo sobre as implicações sociais e subjetivas do saber na passagem adolescente. 2016. 290f. Tese (Doutorado em Psicologia), Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Minas Gerais. Disponível em: <https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/BUBD-A9GLDZ/1/tese_daniela_viola.pdf>. Acesso em: 20 de mar. de 2021.

Publicado
12-08-2021
Como Citar
LIRA, D.; REIS, R. Educar para a diferença. Equatorial – Revista do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, v. 8, n. 15, p. 1-30, 12 ago. 2021.