EU NÃO VOU MORRER

solidão, autocuidado e resistência de uma travesti negra e gorda para além da pandemia

Resumo


O presente texto traz relatos registrados em diários e publicações em redes sociais as minhas experiências de uma travesti negra e gorda durante o processo de distanciamento social imposto pela pandemia de COVID-19 nos meses de março, abril, maio e junho de 2020. Tendo por objetivo: compreender como as dimensões da solidão, autocuidado e resistência perpassam as corporalidades e subjetividades travestigêneres e/ou negras e/ou gordas para além da pandemia de COVID-19. A cartografia é o rizoma metodológico escolhido para esse texto, pois, permite alinhavar experiências diversas na construção de um mapa afetivo apresentado nesse texto a partir de gatilhos. A partir dos gatilhos apresentados percebe-se que apesar do isolamento o contato com o mundo social por meio das mídias digitais traz notícias dolorosas, especialmente pelo fato das assimetrias socias impostas pelas estruturas cis/hetero/branco/magro/normativas produzem uma necropolítica de corporalidades dissidentes. Paradoxalmente, também será as redes sociais um modo de articular potências que criam vida durante a pandemia por meio da criação de redes de apoio entre travestis e/ou negras e/ou gordas. O autocuidado numa dimensão pessoal e coletivo é compreendida como uma ferramenta capaz de pensar as interseccionalidades a partir de diferenças fazendo emergir novas formas de organização social. De modo afirmativo das experiências de uma travesti negra e gorda, conclui-se com o decreto: eu não vou morrer.     

 Palavras-chave: Travesti negra e gorda. Pandemia. Solidão. Resistência.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
01-09-2020
Como Citar
NASCIMENTO, L. C. P. EU NÃO VOU MORRER. Revista Inter-Legere, v. 3, n. 28, p. c21581, 1 set. 2020.
Seção
DOSSIÊ A PANDEMIA DE COVID-19 NA VIDA DE MULHERES