"Eu vos digo, manas": reflexões sobre a subalternidade feminina em Novas cartas portuguesas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1983-2435.2024v9n1ID31783

Palavras-chave:

Novas cartas portuguesas, história das mulheres, subalternidade feminina

Resumo

Este texto visa refletir sobre seis histórias de mulheres vítimas de subalternidade narradas nas Novas cartas portuguesas, romance escrito pelas Três Marias – Maria Isabel Barreno, Maria Teresa Horta e Maria Velho da Costa. Partindo das Cartas portuguesas, de Mariana Alcoforado, freira que viveu em Beja no século XVII, as Três Marias constroem um romance inovador que dialoga com o da freira, porém enquanto as Cartas Portuguesas foram publicadas em França, em 1699, anonimamente, estas Novas cartas foram editadas em Portugal, em 1972, e apresentam uma autoria coletiva declarada, mas não identificada As histórias analisadas neste ensaio mostram que a subalternidade feminina se apresenta de diversas formas, que têm em comum o poder de inferiorizar a mulher e de lhe retirar a liberdade e a autoestima. Esta reflexão ancora-se em teóricos como Pierre Bourdieu (1999; 2001), Michelle Perrot (2005), Gayatri Spivak (2010) e Virginia Woolf (2014).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Conceição Flores, Universidade Potiguar

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), graduada em Letras, com Diplôme Supérieur d'Études Françaises pela Université de Nancy II, sendo mestre em Literatura Comparada (UFRN). Foi professora da Universidade Potiguar de março de 1999 a junho de 2018, tendo sido tutora do grupo PET (Programa de Educação Tutorial) Literatura no Rio Grande do Norte de fevereiro de 2011 a junho de 2018. Publicou: Do mito ao romance: uma leitura do evangelho segundo Saramago (2001); As aventuras de Teresa Margarida da Silva e Orta em terras de Brasil e Portugal (2006) e o Dicionário de escritores norte-rio-grandenses: de Nísia Floresta à contemporaneidade (2014); em coautoria com Constância Lima Duarte e Zenóbia Collares Moreira, o Dicionário de escritoras portuguesas: das origens à atualidade (2009). Organizou, em 2013, Mulheres e Literatura: ensaios; em 2015 e 2019 (Vol. I e II) de O meu sentido primeiro das coisas: ensaios sobre a obra de Maria Teresa Horta.

Referências

ALCOFORADO, Mariana. Cartas portuguesas. Tradução de Pedro Tamen. Lisboa: Divina Comédia Editores, 2013.

AMARAL, Ana Luísa. Breve introdução. In: BARRENO, Maria Isabel, HORTA, Maria Teresa, COSTA, Maria Velho da. Edição anotada. Orgs. Ana Luísa Amaral e Marinela Freitas. Novas cartas portuguesas. Lisboa: Dom Quixote, 2022. p. XV-XXVI.

AMARAL, Ana Luísa (org.). Novas cartas Portuguesas. Notas intertextuais e outras. In: BARRENO, Maria Isabel, HORTA, Maria Teresa, COSTA, Maria Velho da. Edição anotada. Orgs. Ana Luísa Amaral e Marinela Freitas. Novas cartas portuguesas. Lisboa: Dom Quixote, 2022. p. 311-407.

AMARAL, Ana Luísa. MACEDO, Ana Gabriela (orgs.). Dicionário de Crítica Feminista. Porto: Edições Afrontamento, 2005.

BAKHTIN, Mikhail. Epos e romance. In: Questões de literatura e estética: a teoria do romance. Trad. de Aurora Fornoni Bernardini et al. 3 ed. São Paulo: Hucitec, Unesp, 1993. p. 397-428.

BARRENO, Maria Isabel, HORTA, Maria Teresa, COSTA, Maria Velho da. Edição anotada. Orgs. Ana Luísa Amaral e Marinela Freitas. Novas cartas portuguesas. Lisboa: Dom Quixote, 2022.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. Tradução de Sérgio Milliet. Rio de janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução de Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 1999.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2001.

CASTRO, Rosalia. Cantar de emigração. Disponível em https://folhadepoesia.blogspot.com/2014/09/pra-habana-cantar-de-emigracao.html. Acesso em 8 out. 2022.

CYR, Myriam. A maior paixão do mundo: a história da freira Mariana Alcoforado e suas cartas de amor. Tradução de Alexandre Martins. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2007.

FAUSTINO, Maria João. Amber Heard: todas somos loucas. #EuTambém. Publicado no jornal o Público de 31 de maio de 2022. Disponível em: https://www.publico.pt/2022/05/31/p3/cronica/amber-heard-loucas-eutambem-2008317?fbclid=IwAR3vpo50m1zLIkHHA4gKU8uhTorYkm_8_IUuFJCAMO93p40-E8EyH2TGA4M. Acesso em 17 out. 2022.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? In: FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos: Estética, Literatura e Pintura, Música e Cinema. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2001. p. 264-298.

HORTA, Maria Teresa. Escrita e transgressão. In: HORTA, Maria Teresa. Memórias do Brasil. São Paulo: Liber Ars, 2020. p. 45-60.

PEDROSA, Ana. Três Marias: a censura de “Novas Cartas Portuguesas”. Disponível em: https://www.esquerda.net/dossier/tres-marias-censura-de-novas-cartas-portuguesas/64514. Acesso em 20 nov. 2022.

PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da história. Tradução de Viviane Ribeiro. Bauru (SP): EDUSC, 2005.

PORTUGAL. Código Civil de 1966. Disponível em: https://www.igac.gov.pt/documents/20178/358682/C%C3%B3digo+Civil.pdf/2e6b36d8-876b-433c-88c1-5b066aa93991. Acesso em: 4 mar. 2023.

SPIVAK, Gayatri Chakaravorty. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. Tradução de Bia Nunes de Sousa. São Paulo: Tordesilhas, 2014.

XAVIER, Elódia. Que corpo é esse? O corpo no imaginário feminino. Ilha de Santa Catarina: Editora Mulheres, 2002.

Downloads

Publicado

29-02-2024

Como Citar

MATOS FLORES, M. da C. "Eu vos digo, manas": reflexões sobre a subalternidade feminina em Novas cartas portuguesas. Revista Odisseia, [S. l.], v. 9, n. 1, p. 40–55, 2024. DOI: 10.21680/1983-2435.2024v9n1ID31783. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/odisseia/article/view/31783. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos