A BRINQUEDOTECA NA ASSISTÊNCIA A CRIANÇAS COM CÂNCER: A VISÃO DOS FAMILIARES

  • Leiliandry de Araújo Melo Universidade de Pernambuco - UPE
  • Leylane de Araújo Melo UNCISAL
  • Ana Marlusia Alves Bomfim UNCISAL
  • Andréa Marques Vanderlei Ferreira UFAL
  • Luciana da Conceição Silva UNCISAL
  • Morgana Valesca de Melo Bezerra UNCISAL
Palavras-chave: Jogos e brinquedos, Criança, Câncer, Qualidade de vida

Resumo


Objetivo: Verificar a visão dos familiares sobre o uso da brinquedoteca como recurso terapêutico na assistência à criança com câncer. Métodos: Trata-se de um estudo transversal com abordagem quantitativa. Foram realizadas entrevistas norteadas por um formulário específico com 27 familiares que acompanhavam as crianças com câncer.  Resultados: Segundo os familiares, a brinquedoteca propicia uma melhor qualidade de vida para as crianças, na medida em que diminui o estresse e atua como potencial meio socializador. Além disso, facilita a compreensão da condição que vivem, minimizando os temores recorridos pelos inúmeros procedimentos invasivos do tratamento, pela impossibilidade de frequentar a escola regularmente e pelo afastamento do convívio social. Conclusão: A brinquedoteca harmoniza o processo de dar continuidade ao desenvolvimento cognitivo da criança e atua nas potencialidades do paciente, incentivando-o a ser criativo, interagir com o próximo e ajudando a manter um equilíbrio emocional. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leiliandry de Araújo Melo, Universidade de Pernambuco - UPE

Enfermeira pela Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL). Mestranda em Ciências da Saúde pela Universidade de Pernambuco (UPE). Tem experiência na produção e desenvolvimento de projetos de pesquisa nas áreas de Ciências da Saúde, Ciências Biológicas e Enfermagem.

 
Leylane de Araújo Melo, UNCISAL
Enfermeira pela Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas. Especialista em UTI pela CBPEX
Ana Marlusia Alves Bomfim, UNCISAL
Odontóloga, Doutoranda em Ensino da Saúde pela Universidade Federal de São Paulo
Andréa Marques Vanderlei Ferreira, UFAL
Doutora em química e Biotecnologia pela Universidade Federal de Alagoas
Luciana da Conceição Silva, UNCISAL
Enfermeira pela Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas.
Morgana Valesca de Melo Bezerra, UNCISAL
Enfermeira pela Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas

Referências

  • Lima KYN de, Santos VEP. O lúdico como estratégia no cuidado à criança com câncer. Rev gaúcha Enferm. 2015; 36(2):76–81.

  • Silva LF, Cabral IE. O resgate do prazer de brincar da criança com câncer no espaço hospitalar. Rev Bras Enferm. 2015; 68(3):391–7.

  • Azevedo AVS. O brincar da criança com câncer no hospital: análise da produção científica. Estud Psicol. 2011; 28(4):565–72.

  • Monteiro LS, Corrêa VAC. Reflexões sobre o brincar, a brinquedoteca e o processo de hospitalização. Rev Para Med. 2012; 26(3).

  • Moraes MCAF, Buffa MJMB, Motti TFG. As atividades expressivas e recreativas em crianças com fissura labiopalatina hospitalizadas: visão dos familiares. Rev Bras Educ Espec. 2009; 15(3):453–70.

  • Melo LL, Valle ERM. A Brinquedoteca como possibilidade para desvelar o cotidiano da criança em tratamento ambulatorial. Rev Esc Enferm USP. 2010; 44(2):517–25.

  • Marques EP, Garcia TMB, Anders JC, Luz JH da, Rocha PK, Souza S. Lúdico no cuidado à criança e ao adolescente com câncer: perspectivas da equipe de de enfermagem. Esc Anna Nery. 2016; 20(3):1–8.

  • Nicola GDM, Ilha S, Dias MV, Freitas HMB, Backes DS, Gomes GC. Percepções do familiar cuidador acerca do cuidado lúdico à criança hospitalizada. Rev enferm UFPE online. 2014; 8(4):981–6.

  • Lemos L, Pereira W, Andrade J, Andrade A. Vamos cuidar com brinquedos? Rev Bras Enferm. 2010; 63(6):950–5.

  • Nascimento RR, Costa MAS, Madeira MZA, Julião MAS, Amorim FCM. A brinquedoteca como instrumento na assistência à criança hospitalizada, sob o olhar do cuidador. R. Interd. 2016; 9(2):29-37.

  • Giacomello KJ, Melo L de L. Do faz de conta à realidade: compreendendo o brincar de crianças institucionalizadas vítimas de violência por meio do brinquedo terapêutico. Cien Saude Colet. 2011; 16(Supl. 1):1571–80.

Publicado
14-04-2017
Como Citar
MELO, L. DE A.; MELO, L. DE A.; BOMFIM, A. M. A.; FERREIRA, A. M. V.; SILVA, L. DA C.; BEZERRA, M. V. DE M. A BRINQUEDOTECA NA ASSISTÊNCIA A CRIANÇAS COM CÂNCER: A VISÃO DOS FAMILIARES. Revista Ciência Plural, v. 2, n. 3, p. 97-110, 14 abr. 2017.
Seção
Artigos