MÁXIMAS E LEIS NA FILOSOFIA PRÁTICA DE KANT: UMA DIVISÃO INCLUSIVA OU EXCLUSIVA?

  • Renata Cristina Lopes Andrade

Resumo

Ao caracterizar o que é um princípio prático, Kant escreve, por exemplo, na Fundamentaçáo da Metafísica dos Costumes, que "Máxima é o princípio subjetivo do querer; o princípio objetivo (isto é, o que serviria também subjetivamente de princípio prático a todos os seres racionais, se a razáo fosse inteiramente senhora da faculdade de desejar) é a lei prática" (nota ao §15). Na Crítica da Razáo Prática, escreve que "proposições fundamentais práticas sáo proposições que contêm uma determinaçáo universal da vontade, < determinaçáo > que tem sob si diversas regras práticas. Essas proposições sáo subjetivas ou máximas, se a condiçáo for considerada pelo sujeito como válida somente para a vontade dele; mas elas sáo objetivas ou leis práticas, se a condiçáo for conhecida como objetiva, isto é, como válida para a vontade de todo ente racional" (A35). À primeira vista é possível dizer que estamos diante de duas posições divergentes. Na Fundamentaçáo, o filósofo aponta que a máxima da açáo é um princípio subjetivo do querer e o princípio objetivo do querer é uma lei prática, porém, diz que o princípio objetivo - lei prática - serviria também de princípio prático subjetivo (máxima) caso a razáo fosse a única governante no homem. Isso parece implicar que um princípio objetivo (lei prática) pode ser (tornar-se) um princípio subjetivo, vale dizer, uma máxima - isto é, é sugerido que princípios práticos (leis práticas) também podem ser máximas. Na segunda Crítica, Kant parece sugerir uma distinçáo exclusiva entre princípios leis e máximas: isto é, a máxima da açáo é sempre e apenas um princípio subjetivo no sentido de ser considerada válida apenas para um sujeito particular, por contraposiçáo a uma lei que, por ser objetiva, vale para todo ser racional. Examinando se devemos ou náo interpretar a divisáo de princípios práticos em objetivos e subjetivos como excludente ou se, ao contrário, há máximas que também sáo leis, no presente artigo, pretendemos expor, comparar e buscar as dificuldades na interpretaçáo de dois comentadores. Lewis White Beck, na obra "A Commentary on Kant's Critique of Pratical Reason", adota o que chamamos ser a posiçáo de Kant na Fundamentaçáo. Posteriormente, Béatrice Longuenesse no artigo "Kant: le jugement moral comme jugement de la raison", que parece adotar uma interpretaçáo comprometida com a exclusáo entre um princípio prático ser lei ou máxima, interpretaçáo esta que entendemos ir ao encontro do que parece sugerir Kant na Crítica da razáo prática.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
24-02-2011
Como Citar
ANDRADE, R. C. L. MÁXIMAS E LEIS NA FILOSOFIA PRÁTICA DE KANT: UMA DIVISÃO INCLUSIVA OU EXCLUSIVA?. Saberes: Revista interdisciplinar de Filosofia e Educação, n. 6, 24 fev. 2011.