A CONCEPTUALIZAÇÃO DE FAKE NEWS COMO EVIDÊNCIA DA COGNIÇÃO SOCIAL

Autores

  • Rafaely Carolina da Cruz Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.21680/2674-6131.2023v5n2ID34290

Palavras-chave:

Cognição Social, Frames, Fake News

Resumo

O presente trabalho se insere na discussão da compreensão da linguagem humana em sua dimensão individual e social, abordando as bases ontológicas e os aspectos biológicos e sociais da cognição. A Linguística Cognitiva, desde seu advento, posiciona a linguagem como intrinsecamente ligada a outros processos sociocognitivos, como a interação e a perspectivação. Morato (2019a) identifica desafios na pesquisa cognitiva, incluindo a superação do naturalismo, a relação entre linguagem e cognição, e a interdisciplinaridade. Michael Tomasello (2003, 2019), destaca-se nesse campo ao explorar a ontogenia da psicologia humana e sua relação com aspectos sociais e culturais. Diante disso, este artigo tem como objetivo mostrar, a partir dos estudos sociocognitivos, a construção do frame de fake news como evidência da cognição social. A pesquisa se concentra em comentários do curso online “Cidadania digital e leitura crítica", disponível no Portal TEC Sala de Aula, oferecido para professores da educação básica entre 2018 e 2021. Estes comentários oferecem uma perspectiva valiosa sobre como a cognição social influencia a compreensão e disseminação do conceito de "fake news", indicando que o entendimento desse fenômeno é influenciado pela cooperação, perspectivação e experiências individuais e sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

01-02-2024

Como Citar

CAROLINA DA CRUZ, R. A CONCEPTUALIZAÇÃO DE FAKE NEWS COMO EVIDÊNCIA DA COGNIÇÃO SOCIAL. Revista Saridh – Linguagem e Discurso, [S. l.], v. 5, n. 2, 2024. DOI: 10.21680/2674-6131.2023v5n2ID34290. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/RevSaridh/article/view/34290. Acesso em: 16 jul. 2024.