As apropriações da dança a partir da prática do jogo digital "Just Dance"

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36025/arj.v9i2.28260

Palavras-chave:

cultura digital, dança, dança digital, jogo digital, Just Dance

Resumo

O objetivo deste estudo é descrever e analisar as apropriações que jogadores de Just Dance fazem do jogo e da dança. Para o alcance dos objetivos, foi utilizada as técnicas de observação, grupo focal (GF) e conversas espontâneas em um grupo de WhatsApp. Os dados do presente estudo trazem evidências de que os sujeitos que participaram dessa pesquisa extrapolam o que foi previsto e proposto inicialmente para o jogo. Criam, a partir da prática do jogo, novas formas de apropriação que vão para além do ato de jogar. Essa experiência possibilita que esses jogadores deixem de ser expectadores e usuários e passem a participar ativamente da criação e circulação de novos conteúdos digitais. Imersa na cultura digital, a dança é uma fonte de expressão que explora as possibilidades de movimento e dá vazão à criatividade em tempos que a tecnologia faz parte de nós.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paola Luzia Gomes Prudente, Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG)

Professora do Departamento de Ciências do Movimento Humano da Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG). Professora do Colégio Santo Agostinho. Doutora em Estudos do Lazer pela UFMG (2020), Mestre em Educação pela Universidade de Itaúna (2009). Pós-graduada em Dança e Consciência Corporal pela Universidade Estácio de Sá (2017) e em Treinamento Esportivo pela Universidade de Itaúna (2003). Graduada em Educação Física pela Universidade de Itaúna (2002). Presidente do núcleo docente estruturante do curso de Educação Física da UEMG. Membro dos Grupos de Estudos e Pesquisas EduDança, Ciranda e LEPEC. 

Elisângela Chaves, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Doutora e mestre em Educação pela Faculdade de Educação (FaE) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); graduada em Educação Física e pós-graduada em Dança Moderna Educacional pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Foi professora da Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES), onde dirigiu e coreografou o Grupo de Dança Compassos. Docente da área de Dança no Curso de Educação Física da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da Universidade Federal de Minas gerais (EEFFTO/UFMG). Docente do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Estudos do Lazer (PPGIEL). Líder do Grupo de Pesquisas EduDança. Coordenadora do Programa de Extensão EduDança. Bailarina e coreógrafa. 

Referências

ANDREOLI, Giuliano Souza; CANELHAS, Larissa. A dança e as relações de gênero: uma reflexão sobre a interação entre meninos e meninas em uma aula de dança. Revista da FUNDARTE, Montenegro, ano 19, n. 37, p. 375-394, jan./mar. 2019. Disponível em: http://.seer.fundarte.rs.gov.br/index.php/RevistadaFundarte/index. Acesso em: 30 mar. 2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70, 1977.

BONENFANT, Maude. Le libre jeu. Réflexion sur l’appropriation de l’activité ludique. Montréal: Liber, 2015.

BRITZMAN, Deborah. O que é esta coisa chamada amor? – Identidade homossexual, educação e currículo. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 71-76, jan./jun. 1996.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

DANTAS, Mônica Fagundes. Movimento: matéria-prima e visibilidade da dança. Movimento (ESEFID/UFRGS), v. 4, n. 6, p. 51-60, 1997.

DERRARI NUNES, Mónica Rebecca A cena cosplay: vinculações e produção de subjetividade. Revista FAMECOS: mídia, cultura e tecnologia, v. 20, n. 2, maio-ago., p. 430-445, 2013.

FERNANDES, C. Mexendo as Cadeiras: Em que o Sistema Laban / Bartenieff Pode ser Bom para Tudo? In: FERREIRA, E. L. (org.). Dança Artística e Esportiva para Pessoas com Deficiência. Multiplicidade, Complexidade e Maleabilidade Corporal. Juiz de Fora: CBDCR, 2005.

FERREIRA, Petrônio Alves. Meninos que dançam: negociações de gênero na escola. In: CÔRTES, Gustavo Pereira; CHAVES, Elisângela. Dança: educação, lazer e arte nos percursos de pesquisa do grupo EduDança. MG: CEDES, 2019.

FINCO, Mateus David; FRAGA, Alex Branco. Corpo Joystick: Cinema, Videogames e Estilo de Vida Ativo. Licere, Belo Horizonte, v. 16, n. 3, [n.p.], 2013.

FLORES, Juan Carlos Coto et al. Uso do Microsoft Kinect na Saúde: características e Limitações da Ferramenta. HFD, v. 2, n. 4, p. 3-11, 2013.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. Trad. Suzana Alexandria. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2009.

JIH-HSUAN, Lin. ‘‘Just Dance’’: The Effects of Exergame Feedback and Controller Use on Physical Activity and Psychological Outcomes. Games for Health Journal, apr. 2015. Disponível em: http://online.liebertpub.com/doi/pdf/10.1089/g4h.2014.0092. Acesso em: 20 jan. 2017.

LIMA, Fábio Nobrega de. Fatores críticos de sucesso na indústria de jogos eletrônicos. Dissertação (Mestrado acadêmico) – Universidade Estadual do Ceará, Centro de Estudos Sociais Aplicados, Mestrado Acadêmico em Administração, Fortaleza, 2016.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, Sexualidade e Educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Rio de Janeiro: Vozes, 2007.

MAIA, Lídia Raquel; COELHO, Maria das Graças Pinto. O Canal Maspoxavida e a relação entre fãs e microcelebridades no YouTube. Fronteiras-estudos midiáticos, v. 18, n. 1, p. 96-106, 2016.

MARKULA, Pirkko. The Intersections of Dance and Sport. Sociology of Sport Journal, v. 35, n. 2, p. 159-167, ago. 2017. Disponível em: https://journals.humankinetics.com/view/journals/ssj/35/2/article-p159.xml. Acesso em: 10 jun. 2020.

MARTINO, Luiz Mauro de Sá. Teorias de Mídias Digitais: Linguagens, ambientes e redes. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 2015.

MELLO, Gustavo; ZENDRON, Patrícia. Como a Indústria Brasileira de Jogos Digitais Pode Passar de Fase. Jogos Digitais – BNDES Setorial, n. 42, p. 338-381, 2015.

MENDES, Ana Carolina de S. S. D. Autonomia e conexões em dança: um diálogo com a tecnologia e o jogo. Tese (Doutorado) – Universidade de Brasília. Instituto de Artes Visuais. Programa de Pós-Graduação em Artes, Brasília, 2013.

NUNES, Mônica Rebecca Ferrari. Consumo musical nas culturas juvenis: cosplay, mundo pop e memória. Revista Contracampo, n. 25, dez. 2012. Niterói: Contracampo, 2012. p. 80-96.

PAIS, J. M. Buscas de si: expressividades e identidades juvenis. In: ALMEIDA, M. I.; EUGÊNIO, F. (org.). Culturas jovens: novos mapas do afeto. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

PRICE WATER HOUSE COOPERS. The evolution of video gaming and content consumption. Background/Series Overview. Price Waterhouse Coopers, 2012. Disponível em: https://www.pwc.com/sg/en/tice/assets/ticenews201206/evolutionvideogame201206.pdf. Acesso em: 13 jan. 2019.

PRIMO, A. A busca por fama na web: reputação e narcisismo na grande mídia, em blogs e no Twitter. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Anais... Curitiba, 2009.

ROJEK, Chris. Celebridade. Rio de Janeiro: Rocco, 2008.

ROSENBERG, Douglas. Screendance: Inscribing the Ephemeral Image. New York: Oxford University Press, 2012.

SANTOS, Airton Ricardo Tomazzoni dos. Lições de dança no baile da pós-modernidade: corpos (des) governados na mídia. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009.

SCHELL, Jesse. The art of game design: A book of lenses. Burlington/Mass./USA: Morgan Kaufmann Publishers, Elsevier, 2008.

SCOTT, Joan. Gênero: Uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, UFRGS, v. 20, n. 2, p. 71-79, 1995.

SERRES, Michel. Variações sobre o corpo. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

SHIRKY, C. A cultura da participação: Criatividade e generosidade no mundo conectado. Rio de Janeiro, Zahar, 2011.

SILVEIRA, Stefanie Carla. A Cultura da Convergência e os Fãs de Star Wars: Um Estudo Sobre o Conselho Jedi RS. 2010. Pós-Graduação (Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

SIMMEL, Georg. Questões fundamentais da sociologia: indivíduo e sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

VIANA, Juliana de Alencar. Ascensão e queda: o download de música na internet nos discursos do portal G1 (2006-2013). Tese (Doutorado em Estudos do Lazer) – Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016. p. 265.

WOLF, Mark. J. P. Genre and the video game. In: RAESSENS, J.; GOLDSTEIN, F. (Ed.). Handbook of computer game studies. Cambridge, MA: MIT Press, 2005.

Downloads

Publicado

02-12-2022 — Atualizado em 04-12-2022

Versões

Como Citar

PRUDENTE, P. L. G.; CHAVES, E. . As apropriações da dança a partir da prática do jogo digital "Just Dance". ARJ – Art Research Journal: Revista de Pesquisa em Artes, [S. l.], v. 9, n. 2, 2022. DOI: 10.36025/arj.v9i2.28260. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/28260. Acesso em: 8 fev. 2023.