A dança sagrada que vem de Angola: um saber-ser dançante no Reinado de Nossa Senhora do Rosário

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36025/arj.v10i1.28914

Palavras-chave:

Reinado de Nossa Senhora do Rosário, Reino Treze de Maio, dançante, Guarda de Moçambique, Guarda de Congo

Resumo

Neste artigo, tratamos sobre a Festa do Rosário, manifestação da religiosidade popular, de origem Bantu, muito presentes no território mineiro. Nos referimos particularmente à Guarda de Moçambique e Congo do Reino Treze de Maio, grupos que praticam a Massamba, “dança sagrada que vem de Angola”, entre outras toadas (cantos dançados), ritmos e movimentos que compõem as imagens, saberes, sabores e sonoridades do Reinado. As movências desta festa designam o que fazem os corpos na tradição do Reinado e a forma como esses corpos interagem com o público. Para realizar este trabalho, foram feitas pesquisas de campo junto ao Reino Treze de Maio, cujos relatos se expressam na perspectiva de uma participante da festa e de um dançante do Reino. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaíse Valentim, Centro Universitário Salesiano de Vitória (UniSales)

Professora Universitária, doutora em Comunicação Social e Ciências da Informação pela Universidade Federal de Minas Gerais e Université Paris III Sorbonne Nouvelle, com graduação em Comunicação Social – Jornalismo (Centro Universitário do Leste de Minas Gerais, UnilesteMG) e mestrado em História Social e Cultural (Université de Versailles Saint-Quentin-en-Yvelines). Coordena a Plataforma Lince, órgão de assistência jurídica e inclusão social para refugiados, migrantes e apátridas e cocoordena o grupo de pesquisa Ateliê de Sonoridades Urbanas (UFES). Possui experiência em ensino, pesquisa, extensão universitária e inovação social, na execução de projetos interdisciplinares nas áreas de Comunicação Social, Direito e Tecnologia da Informação, que foram premiados como melhores projetos e práticas institucionais (Centro Universitário Salesiano, UniSales). Trabalha com temáticas relacionadas à mediação cultural, sonoridades, territorialidades e diversidade cultural.

 

Felipe Saldanha Odier, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Felipe Saldanha Odier, artista indisciplinar, referenciado pelo heterônimo Mamutte, é autor dos álbuns Quase-disco e Epidérmico, dentre outras produções em palavra, movimento, som e imagem. Atua no campo teórico e prático da arte contemporânea, com ênfase nas artes do corpo, da performance, da música popular, da etnomusicologia, dos processos de criação e de suas relações interartes. Doutorando em Estudos Contemporâneos das Artes pela Universidade Federal Fluminense, é Mestre em Artes pela Universidade do Estado de Minas Gerais, Licenciado em Artes Visuais pela Escola de Design da mesma instituição e Especialista em Ensino de Artes Visuais e Tecnologias Contemporâneas pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais.

 

Referências

ARROYO, Margarete; LUCAS, Maria Elizabeth; STEIN, Marília; PRASS, Luciana, Entre congadeiros e sambistas: etnopedagogias musicais em contextos populares de tradição afro-brasileira. Revista da Fundarte, Montenegro, v. 3, n. 5, 2003. p. 4-20.

BECKER, Howard S. Mundos da Arte. Tradução de Luís San Payo. Lisboa: Livros Horizonte, 2010.

CARLSON, Marvin. Performance: uma introdução crítica. Tradução de Thaís F. N. Diniz e Ma. Antonieta Pereira. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010.

CUNHA, Manuela Carneiro da. “Cultura” com aspas. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

DURING, Jean. Globalisations de l’ère préindustrielle et formatage de l’oreille du monde : l’écoute de l’ethnomusicologue. In: BOUËT, Jacques; SOLOMOS, Makis (org.). Musique et globalisation : Musicologie – Ethnomusicologie. L’Harmattan, 2011. p. 39-66.

FRIGERIO, Alejandro. Artes negras: uma perspectiva afrocêntrica. Tradução Juarez Coqueiro. Estudos Afro-Asiáticos, n. 23, p.175-190, 1992.

GASPARINO, Margarida Cassimiro. Louvação a Senhora do Rosário. In: TUGNY, Rosângela Pereira de; QUEIROZ, Ruben Caixeta de (org.). Músicas africanas e indígenas no Brasil. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

GOMES, Rafael Barros. Minha fé não é cultura: a eficácia da magia e as amarras do estado. Dissertação (Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural), Instituto do Patrimônio Cultural, Rio de Janeiro, 2015.

LAGROU, Els. Arte Indígena no Brasil: agência, alteridade e relação. Belo Horizonte: C/Arte, 2009.

LUCAS, Glaura. Música e tempo nos rituais do congado mineiro dos Arturos e do Jatobá. Tese (Doutorado em Música). Centro de Letras e Artes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2005.

LUCAS, Glaura. Os Sons do Rosário: o Congado Mineiro dos Arturos e Jatobá. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

MADEIRA, Thaíse Valentim. A mediologia das práticas culturais: da transmissão à mise en scène da cultura tradicional no processo de festivalização. Tese (Doutorado em Comunicação Social) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

MARTINS, Leda. Performances do tempo e da memória: os Congados. O Percevejo: Estudos da Performance, n. 12, p. 68-83, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2003.

MARTINS, Leda Maria. Afrografias da Memória: O Reinado do Rosário no Jatobá. São Paulo: Perspectiva; Belo Horizonte: Mazza Edições, 1997.

MARTINS, Saul. Congado: família de sete irmãos. Belo Horizonte: SESC, 1988.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. Tradução de Sebastião Nascimento. Éditions La Découverte, Paris, 2013, 2015; n-1 edições, 2018.

MELLO E SOUZA, Marina de. Reis Negros no Brasil Escravista: história da festa de coroação de Rei Congo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

MORIN, Edgar. Epistemologia da Complexidade. In: FRIED, Dora (org.). Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Tradução de Jussara Haubert Rodrigues. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

ODIER, Felipe Saldanha. De dança sagrada afro-mineira a performance de branquitude: uma etnografia multi-situada do tilelê. Dissertação (Mestrado em Artes) – Programa de Pós-Graduação em Artes, Universidade do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2020.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónkẹ.́ Visualizing the Body: Western Theories and African Subjects. In: COETZEE, Peter H.; ROUX, Abraham P.J. (ed.). The African Philosophy Reader. New York: Routledge, 2002. p. 391-415. Tradução para uso didático de Wanderson Flor do Nascimento.

PAULA, Everton de. Cartilha raízes brasileiras: Série – O Negro. Belo Horizonte: Candeia, 1986.

PEREIRA, Edimilson de Almeida. Os tambores estão frios: herança cultural e sincretismo religioso no ritual do Candombe. Juiz de Fora: Funalfa Edições; Belo Horizonte: Mazza Edições, 2005.

PEREZ, Léa Freitas. Alguma [mínima] teoria e um pouco de hi[e]stória. In: PEREZ, Léa Freitas; MARTINS, Marcos da Costa; GOMES, Rafael Barros (org.). Variações sobre o Reinado: um rosário de experiências em louvor a Maria. Porto Alegre: Medianiz, 2014.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Campinas: Papirus, 1994.

SCHECHNER, Richard. O que é performance? O Percevejo: Estudos da Performance. Rio de Janeiro: UNIRIO, 2003.

TAVARES, Júlio Cesar de. Gramáticas das corporeidades afrodiaspóricas: perspectivas etnográficas. Curitiba: Appris, 2020.

TURINO, Thomas. Music as Social Life: the politics of participation. Chicago: The University of Chicago Press, 2008.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

Downloads

Publicado

17-05-2023

Como Citar

MADEIRA, T. V.; ODIER, F. S. A dança sagrada que vem de Angola: um saber-ser dançante no Reinado de Nossa Senhora do Rosário. ARJ – Art Research Journal: Revista de Pesquisa em Artes, [S. l.], v. 10, n. 1, 2023. DOI: 10.36025/arj.v10i1.28914. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/28914. Acesso em: 12 jun. 2024.