Século XIX: o fim e recomeço para a viola da gamba

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36025/arj.v10i1.31803

Palavras-chave:

viola da gamba, Música Antiga, Carl Friederich Abel, século XIX

Resumo

A viola da gamba foi um instrumento protagonista no cenário musical da Renascença e do Barroco europeu, adentrando no período Clássico com alguns gambistas de renome. Por décadas, músicos e musicólogos afirmaram que a viola e seu repertório morreram com o último gambista Carl Friederich Abel, quando faleceu em 1787. De uma perspectiva moderna é difícil compreender como um instrumento que teve tão grande aceitação nas cortes e longa atuação nos palcos e salões europeus possa ter sido totalmente esquecido e abandonado no século XIX. O artigo apresenta reflexões e traça um possível caminho histórico que a viola da gamba percorreu ao longo do século XIX na cena musical europeia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kristina Augustin, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Kristina Augustin é reconhecida pela sua ampla atuação como intérprete e divulgadora da viola da gamba no Brasil sendo seu nome citado no dicionário Aurélio Século XXI, nos verbetes “viola da gamba” e “gambista”. Recebeu a Moção Aplausos da Câmara Municipal de Niterói pelo trabalho de divulgação da Música Antiga. Doutora em Música pela Universidade de Aveiro, Portugal, e Mestre pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), tem formação em viola da gamba pelo Birmingham Conservatoire (Inglaterra) e pela Schola Cantorum Basiliensis (Suíça). Integrando grupos como o Música Antiga da Universidade Federal Fluminense (UFF), Quadro Antiquo e em parceria com o gambista Mario Orlando, apresentou-se por todo o Brasil e em várias cidades portuguesas como Lisboa, Porto, Aveiro, Santarem e Castelo Branco. É autora do livro Um olhar sobre a Música Antiga, além dos vários artigos publicados. Em 2021, realizou a coordenação artística do Fórum Viola da Gamba em Foco, a convite da Universidade Estadual do Paraná (Unespar), Curitiba.  

 

Referências

AGRICOLA, Martin. Musica instrumentalis deudsch. Wittemberg: 1545.

AUGUSTIN, Kristina. Um olhar sobre a música antiga: 50 anos de história no Brasil. Rio de Janeiro: K. Augustin, 1999.

BOER, Johannes. The viola da gamba and the nineteenth century. Utrecht: s.d. Disponível em: https://www.academia.edu/3769418/The_viola_da_gamba_in_the_19th_Century. Acesso em: 19 out 2022.

BURNEY, Charles. A general History of Music from the Earliest to the presente. v. IV. Londres : 1789.

CORRETTE, Michel. Méthode théorique and practique pour apprendre en peu de temps le violoncelle dans sa perfection. Paris: 1741.

FRITZSCH, Thomas (dir.). The 19th Century Viol Da Gamba. Alemanha: Coviello Classics, 2019. 1 CD com encarte.

GIUSTINIANI, Vincenzo. Discorso sopra la musica de suoi tempi. Roma: 1628.

HARDEMAN, Anita. The French Connection: French influences on English music in Restoration England. [S. l.]: Western Illinois University, 2013. Disponível em: http://www.wiu.edu/libraries/music_library/Hardeman.pdf. Acesso em: 19 out. 2022.

HOFFMANN, Bettina. The Viola da Gamba. Paul Ferguson (trad.). Abingdon: Routledge, 2018.

HOLMAN, Peter. Continuity and Change in English Bass Viol Music: the Case of Fitzwilliam Mu. MS 647. In: The Viola da Gamba Society Journal, v. 1, p. 20-50. 2007. Disponível em: https://vdgs.org.uk/journal/Vol-01.pdf. Acesso em: 19 out. 2022.

HOLMAN, Peter. Life after death: The Viola da Gamba in Britain from Purcell to Dolmetsch. Woolbridge: The Boydell Press, 2010.

JAMBE DE FER, Philibert. Epitome Musical. Lion: 1556.

LEE, Sidney (ed.). Thicknesse, Ann. In: Dictionary of National Biography, v. 58. London: Smith, Elder & Co, 1899.

LUDWIG, Loren Monte. “Equal to All Alike”: A Cultural History of the Viol Consort in England, c.1550-1675. Tese de doutorado, Universidade de Virginia, 2011. Disponível em: http://lorenludwig.com/wp-content/uploads/2014/01/Ludwig-Loren-Equal-to-All-Alike-A-Cultural-History-of-the-Viol-Consort-in-England-c.1550-1675.pdf. Acesso em: 19 out. 2022.

MERSENNE, Marin. Harmonie Universelle, Livre qvatriesme des instrvments a chords. Paris: 1636.

OTTERSTEDT, Annette. Die Gambe. Kassel: Bärenreiter, 1994.

ROSENTHAL, Michael. “Thomas Gainsborough’s Ann Ford.” The Art Bulletin, vol. 80, no. 4, p. 649-65,1998. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/3051317.

ROUSSEAU, Jean. Traité de la Viole. Paris: 1687.

SIMPSON, Christopher. The Division Viol. Editio Seconda. Londres: 1665.

THOMAS, Mace. Musick's Monument. Londres: 1676.

WRONKOWSKA, Sonia. Karl Friedrich Abel Manuscripts Found in Poland. In: Répertoire International des Sources Musicales (RISM), 2017. Disponível em: https://rism.info/rediscovered/2017/01/19/karl-friedrich-abel-manuscripts-found-in-poland.html. Acesso em: 19 out. 2022.

Downloads

Publicado

17-05-2023

Como Citar

AUGUSTIN, K. Século XIX: o fim e recomeço para a viola da gamba. ARJ – Art Research Journal: Revista de Pesquisa em Artes, [S. l.], v. 10, n. 1, 2023. DOI: 10.36025/arj.v10i1.31803. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/31803. Acesso em: 26 set. 2023.

Edição

Seção

Dossiê: Teorias, Poéticas e Práticas da Música Antiga