A arte da pesquisa em artes - traçando práxis e reflexão

  • Kathleen Coessens

Resumo

A sociedade tem se tornado mais e mais focada em seus valores e produção epistêmica: mapeamos qualquer coisa como “conhecimento”. As artes não escapam a essa tendência. O principal desafio da pesquisa artística é então, construir uma cultura de pesquisa que faça a diferença: participar e ampliar o campo da pesquisa mais amplo, mas a partir de sua própria perspectiva, resistindo à competitividade econômica e agregando valor para o desenvolvimento da cultura e da educação. Ao usar ferramentas ópticas diferentes como metáfora para fazer pesquisa, é desvendada a riqueza de uma abordagem de pesquisa artística: das diferenças entre perspectiva binocular e perspectiva prismática para a análise das noções de experiência e ação experimental, teoria e teorização. A terceira parte considera a complexidade de o artista investigar sua própria prática. A metáfora dos espelhos da sala octogonal de Leonardo da Vinci é usada para esclarecer a "centralização" e "descentralização" de tal atividade de pesquisa, decodificando as noções de reflexão e refletividade.

Palavras-chave: pesquisa artística/prisma, subjetivo/objetivo, estética, conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kathleen Coessens

Kathleen Coessens é filósofa e artista, explorando os cruzamentos da ciência, da arte e da vida. Formou-se em piano e música de câmara em Paris e Bruxelas, e estudou filosofia, sociologia e psicologia. Como professora e pesquisadora de pós-doutorado na Vrije Universiteit Brussel, no Centro de Lógica e Filosofia da Ciência (CLWF), no Centro Orfeu de Pesquisa em Música (ORCiM), em Ghent, e nos Conservatórios da Antuérpia e Bruxelas, ela supervisiona estudantes de pós-doutorado e dá aulas. Publica pesquisas filosóficas e artísticas, bem como cria e colabora em projetos artísticos. Recentemente, ela lançou o CORPoREAL, um grupo de pesquisa sobre o corpo nas artes (música, dança, teatro) no Conservatório Royal da Antuérpia. 

Referências

ANDRADE, Mario de. Pauliceia Desvairada (Hallucinated city), trans. by J.E. Tomlins, Nashville, Tennessee: Vanderbilt University Press, 1968. Veja também http://www.mac.usp.br/mac/templates/projetos/jogo/pauliceia.asp. Acessado em 03 de Abril de 2013.

CAGE, John. Silence. Middletown: Wesleylan University Press, 1961.

CALVINO, Italo. Six Memos for the Next Millennium. London: Feedbooks, 1988.

COESSENS, Kathleen, Anne Douglas, and Darla Crispin (2009) The Artistic Turn: A Manifesto, Orpheus Research Centre in Music Series, 1, Leuven: Leuven University Press.

DA VINCI, Leonardo. The notebooks of Leonardo Da Vinci - arranged, rendered into English and Introduced by Edward MacCurdy. New York: George Braziller, 1955.

DE CERTEAU, Michel. L’invention du quotidien 1. Arts de faire. Paris: Gallimard, 1980.

EISENSTEIN, Sergei. Selected Works Volume II - Towards a Theory of Montage. London: BFI Publishing, 1991.

HESS, Charlotte. Penser, c’est se déplacer. Vers une flânerie, comme pensée en acte, In: Liandrat-Guigues, Suzanne. (Dir.), Propos sur la flânerie. Paris: l’Harmattan, 2009.

HOYEM, Martin. This, upon reading The Americans (Book Review). American Ethnography Quasimonthly, 2009. http://www.americanethnography.com/article.php?id=71#.ULJwG0JBDnl, Acessado em 20 de Novembro de 2012.

KLEE, Paul. Notebooks Volume 1 - The thinking eye, London: Percy Lund, Humphries & Co., 1961.

LACHENMANN, Helmut. Die gefährdete Kommunikation. In: Musik als existentielle Erfahrung. Wiesbaden: Breitkopf & Härtel, 1996 [1973].

LÉVI-STRAUSS, Claude. La Pensée sauvage, Paris: Librarie Plon, 1962.

MACLEOD, Katy and HOLDRIDGE, Lin. The Doctorate in Fine Art: The Importance of Exemplars to the Research Culture. International Journal of Art & Design Education n. 23 v. 2, p. 155-168, 2004.

MERLEAU-PONTY, Maurice. The phenomenology of perception, Trans. C. Smith. London: Routledge and Kegan Paul, 1945/1962.

NOWELL-SMITH, Geoffrey. Eisenstein on Montage, In: Sergei Eisenstein, Selected Works Volume II - Towards a Theory of Montage. London: BFI Publishing, 1991.

PELLETIER, Caroline. Rancière and the poetics of the social sciences. International Journal of Research and Method in Education, v. 32, n. 3, p. 267-284, 2009.

POLANYI, Michael. Personal Knowledge, London: Routledge & Kegan, 1958.

QUINE, Willard Van Orman. The Web of Belief. New York: Random House, 1970.

RESCHER, Nicholas. The limits of science, Pittsburgh: University of Pittsburgh Press, 1999 (1984).

SAID, Edward. Orientalism. New York: Vintage Books, 1979 (1978).

SANDYWELL, Barry. Reflexivity and the crisis of Western reason. London: Routledge, 1996.

SHOTTER, John. Goethe and the Refiguring of Intellectual Inquiry: From “Aboutness”-Thinking to “Withness”- Thinking in Everyday Life. Janus Head: Journal of Interdisciplinary Studies in Literature, v. 8, n. 1, p. 132-158, 2005.

SUÁREZ, José I. & TOMLINS, Jack E. Mário de Andrade: The Creative Works, Lewisburg, PA: Bucknell University Press, 2000.

SWEDBERG, Richard. Theorizing in sociology and social science: turning to the context of discovery. Theory and Society n. 41, p. 1-40, 2012.

Como Citar
COESSENS, K. A arte da pesquisa em artes - traçando práxis e reflexão. ARJ – Art Research Journal / Revista de Pesquisa em Artes, v. 1, n. 2, p. 1-20, 11.