Campanha de Pé no Chão Também se Aprende a Ler:

um contexto de comunidade de aprendizagem

Palavras-chave: Memória. Campanha de Pé no Chão Também se Aprende a Ler. Comunidade de Aprendizagem. Formação.

Resumo

Este artigo objetiva discutir os espaços socioeducativos da ‘Campanha de Pé no Chão Também se Aprende a ler’ como lugares de formação política e cultural pertencentes a um contexto de Comunidade de Aprendizagem. Para tanto, como procedimentos metodológicos, utilizamos narrativas de formadores da Campanha em conjunto com fontes documentais, como o Relatório Cultura Popular e De pé no Chão (1963) e a Proposta para criação do projeto ‘Meios informais de educação’ (1961). Para a leitura das fontes, utilizamos o conceito de Comunidade de Aprendizagem (TORRES, 2003) e de ato educativo como ato político (FREIRE, 1987, 2006). Pelas análises, compreendemos que, na Campanha de Pé no Chão Também se Aprende a Ler, as aprendizagens acontecem, além das salas de aula, ou seja, nos espaços socioeducativos – com a criação das praças de cultura, bibliotecas populares, museus e galeria de arte se coadunam com os princípios de uma Comunidade de Aprendizagem no processo educativo percebido como ato político interligado ao contexto cultural.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARENDT, Hannah. Que és la política? Barcelona: Ediciones Paidós, 1997.

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução Sérgio Paulo Rouanet. 8. ed. São Paulo: Brasiliense, 2012. (Obras Escolhidas, v. 1). p. 213-240.

BRASIL. Relatório Cultura Popular e Pé no Chão. Comunicação ao I Encontro de Alfabetização e Cultura Popular. Prefeitura Municipal do Natal, Secretaria de Educação Cultura e Saúde, 1963. In: FÁVERO, Osmar; MOTTA, Elisa. Educação popular e educação de jovens e adultos. Petrópolis: De Petrus et Alli; Rio de Janeiro: Editora FAPERJ, 2015. (Coleção em DVD).

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: as artes de fazer. Tradução Ephraim Ferreira Alves. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1994.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Tradução Maria Manuela Galhardo. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990.

CUNHA, Maria Isabel da. Conta-me agora!: as narrativas como alternativas pedagógicas na pesquisa e no ensino. Revista Faculdade de Educação, São Paulo, v. 23, n. 1-2, p. 1-18, 1997. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0102-25551997000100010>. Acesso em: 20 nov. 2013.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo. Ação cultural para liberdade: e outros escritos. 11. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.

GADOTTI, Moacir. A escola na cidade que educa. Cadernos Cenpec, São Paulo, n. 1, 2006.

GERMANO, José Willington. Lendo e aprendendo: a Campanha de Pé no Chão. 3. ed. Natal: Palumbo, 2010.

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfomologia e história. Tradução Frederico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução Laurent León Schaffter. São Paulo: Vértice, 1990.

JOÃO OLIVEIRA SOBRINHO. Entrevista. Natal, 25 out. 2011.

JOSEMÁ AZEVEDO. Entrevista. Natal, 9 set. 2011.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Tradução Bernardo Leitão... 7. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

MARAGARIDA CORTEZ. Entrevista. Natal, 22 set. 2011.

MALDI LINHARES. Entrevista. Natal, 18 ago. 2011.

MARLENE ARAÚJO. Entrevista. Natal, 16 ago. 2011.

MARQUES, Berenice Pinto. A educação popular para todos de uma cidade educadora (Natal, Rio Grande do Norte, 1957-1964). 2015. 180f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.

OLIVEIRA, Inês Barbosa de (Org.). Narrativas: outros conhecimentos, outras formas de expressão. Rio de Janeiro: Editora Faperj, 2010.

PINHEIRO, Rosa Aparecida. Saberes na proposição curricular: formação de educadores de jovens e adultos. Natal: EDUFRN, 2011.

RIBEIRO, Iza Paula Zacarias. As praças de cultura no governo Djalma Maranhão. 2008. 121f. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2008.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Tradução Alain François. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007.

SILVA, Rosália de Fátima. A ‘Escuta-Sensível’ como mediação na construção de narrativas (Auto) Biográficas. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2018.

SOARES, Leôncio; FÁVERO, Osmar (Org.). Primeiro encontro nacional de alfabetização e cultura popular. Brasília: MEC; UNESCO, 2009.

TORRES, Rosa Maria. A educação em função do desenvolvimento local e da aprendizagem. Muitos Lugares para Aprender/ Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (CENPEC). São Paulo: CENPEC/ Fundação Itaú Social /Unicef, 2003.

Publicado
14-03-2019
Como Citar
Aquino, F. M. S. de, & Pinheiro, R. A. (2019). Campanha de Pé no Chão Também se Aprende a Ler:. Revista Educação Em Questão, 57(52). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2019v57n52ID16014
Seção
Artigos