A pedagogia, a formação humana e o sujeito narcísico pós-moderno

Palavras-chave: Pós-Modernidade; Discurso pedagógico; Pedagogia; Narcisismo

Resumo

Esse estudo, de caráter bibliográfico, considera o tema da subjetividade na Pós-modernidade e analisa o seu impacto para a formulação de enunciados sobre formação humana pela pedagogia. Numa primeira parte, o texto analisa a subjetividade universal como premissa moderna e como essa noção se altera no cenário pós-moderno. Em seguida, caracteriza a subjetividade narcísica, a partir da construção de Gilles Lipovetsky sobre a ideia de sujeito narcísico, e sobre a noção de era do vazio, além de outros autores que tratam sobre o tema do sujeito, do narcisismo e da educação em tempos de Pós-modernidade. Por fim, considera-se a absorção e o impacto da noção de sujeito privatizado na formulação de discursos pedagógicos gerados ou recriados no cenário pós-moderno. O texto destaca o papel da escola como instância de prática da vida pública e oportunidade para o aprendizado de formas de pensamento descentrado e de sujeitos mais fortalecidos em autonomia e capacidade de vida coletiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento. Tradução Guido Antonio. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

CAMBI, Franco. História da pedagogia. Tradução Álvaro Lorencini. São Paulo: Editora UNESP, 1999.

CARDOSO, Claudia Rodrigues. A construção da subjetividade contemporânea e sua relação com a depressão. Cadernos de Psicanálise – CPRJ, Rio de Janeiro, v. 37, n. 32, p. 17-41, 2015.

CHARLES, Sebastien. O individualismo paradoxal: introdução ao pensamento de Gilles Lipovetsky. In: LIPOVETSKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. 3. reimp. Tradução Mario Vilela. São Paulo, Barcarolla, 2004.

CIFALLI, Mireille; IMBERT, Francis. Freud e a pedagogia. Tradução Maria Gonçalves e Adail Sobral. São Paulo: Loyola, 1999.

COSME, Ariana; TRINDADE, Rui. Organização e gestão do trabalho pedagógico: perspectivas, questões, desafios e respostas. Porto: Mais, 2013.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir – nascimento da prisão. 27. ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização. Tradução Durval Marcondes. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

FREUD, Sigund. Cinco lições de psicanálise. Tradução Durval Marcondes. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

FREUD, Sigmund. Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. Tradução Durval Marcondes. Rio de Janeiro: Imago, 2006a

GOMES, Carlos. Ortega y Gasset: no caminho da hipermodernidade – uma visão projetiva da contemporaneidade. Ideias y Valores, Bogotá, v. 67, n. 168, p. 43-57, 2018. DOI: http://doi.org/10.15446/ideasyvalores.v67n168.59512.

HABERMAS, Jürgen. A ética da discussão e a questão da verdade. Tradução Marcelo Cipolla. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

HABERMAS, Jürgen. Discurso filosófico da modernidade. Tradução Luiz Repa e Nascimento. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

KANT, Imanuel. Sobre a pedagogia. Tradução Francisco Fontanella. 2. ed. Piracicaba, UNIMEP, 1999.

LEBRUN, Jean-Pierre. A perversão comum – viver juntos sem outro. Tradução Procópio Abreu. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2008.

LIPOVETSKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. 3. reimp. Tradução Mario Vilela. São Paulo, Barcarolla, 2004.

LIPOVETSKY, Gilles. A era do vazio – ensaios sobre o individualismo contemporâneo. Tradução Therezinha Deutsch. Barueri: Manole, 2005.

LIPOVETSKY, Gilles. A sociedade pós-moralista – o crepúsculo do dever e a ética indolor dos novos tempos democráticos. Tradução Armando Braio. Barueri: Manole, 2005a.

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. Tradução Ricardo Barbosa. 5. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1998.

NIETZSCHE, Friedrich. O nascimento da tragédia, ou helenismo e pessimismo. Tradução Jacob Guinsburg. 2ª ed. São Paulo, Companhia das Letras, 1992.

PEREIRA, Claudia Rodrigues. A construção da subjetividade contemporânea e sua relação com a depressão. Cadernos de Psicanálise – CPRJ, Rio de Janeiro, v. 37, n.32, p. 17-41, jan./jun. 2015

ROSA, Sanny. Pinóquio e a escola hipermoderna: reflexões sobre o sentido da educação na sociedade contemporânea. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, v. 47, n. 1, p. 34-49, abr. 2013. DOI: https://doi.org/10.5007/2178-4582.2013v47n1p34.

ROUDINESCO, Elisabeth; PLON, Michel. Dicionário de psicanálise. Tradução Vera Ribeiro e Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Emílio ou da educação. Tradução Sergio Millet. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

SILVA, André; VIANA, Terezinha. A deficiência simbólica na subjetividade pós-moderna: bases para uma sociedade narcísica. Barbarói, Santa Cruz do Sul, n. 45, p. 9-29, jul./dez. 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.17058/barbaroi.v0i0.7073.

SILVA, Juremir Machado. Vazio e comunicação na era do “pós-tudo”. In: LIPOVETSKY, Gilles. A era do vazio – ensaios sobre o individualismo contemporâneo. Tradução Therezinha Deutsch. Barueri: Manole, 2005.

SOUZA, Danuza Effegem; KOSOVSKI, Giselle Falbo. Mulheres e espelhos: a devastação e o irrepresentável no corpo feminino. Fractal – Revista de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 30, n. 2, p. 166-172, jan./abr. 2018. DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v30i2/5504.

VATTIMO, Gianni. A sociedade transparente. Tradução Hossein Shooja e Isabel Santos. Lisboa: Relógio D’água, 1992.

VOLTOLINI, Rinaldo. Educação e psicanálise. Rio de Janeiro. Zahar, 2011.

Publicado
06-08-2019
Como Citar
Lopes de Lima, J. F. (2019). A pedagogia, a formação humana e o sujeito narcísico pós-moderno. Revista Educação Em Questão, 57(53). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2019v57n53ID17720
Seção
Artigos