Memórias da repressão e da resistência: um olhar comparado entre Brasil e Argentina

Autores

  • Maria Guiomar da Cunha Frota Escola de Ciência da Informação UFMG

DOI:

https://doi.org/10.21680/2447-0198.2017v1n2ID10988

Resumo

Diante da necessidade social de publicização de informações relativas a violações de direitos humanos e de gestão e disseminação das memórias da repressão e da resistência às ditaduras militares no contexto do Cone Sul, este trabalho tem por objetivo apresentar resultados parciais de uma pesquisa empírica sobre duas temáticas: arquivos da repressão e da resistência no Brasil e na Argentina; e a justiça transicional e publicização de informações sobre mortos e desaparecidos no Brasil. Para tanto, empreendeu-se pesquisa bibliográfica tanto para caracterizar a inserção das temáticas relativas à memória nas ciências sociais e na ciência da informação, quanto para compreender os elementos fundamentais que permeiam o conceito de justiça de transição, empreendeu-se também estudo de caso no Arquivo Nacional, no contexto brasileiro, e no Arquivo Nacional da Memória, em âmbito argentino. Exalta-se a necessidade de políticas públicas e sociais que fomentem o acesso as informações relativas a violações de direitos humanos armazenadas nos arquivos citados, e destaca-se a necessidade do empreendimento de investigações científicas no âmbito da Arquivologia, Biblioteconomia e Museologia para potencialização da organização, disseminação e gestão desses estoques informacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Ana Maria Cardoso de. Um novo texto no contexto da informação popular: os centros de documentação. São Paulo, 1989. 202 p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação). Universidade de São Paulo, 1989.

ABRÃO, Paulo; GENRO, Tarso. Os direitos da transição e a democracia no Brasil. Belo Horizonte: Fórum, 2012.

ARENDT, Hanna. Entre o passado e o futuro. 5. Ed. São Paulo: Perspectiva. 1979.

______. Eischmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. São Paulo: Companhia das letras, 1999.

ARGENTINA. CONADEP. Informe de la Comisión Nacional sobre la Desaparición de Personas. Buenos Aires: Eudeba, 2014.

ARQUIDIOCESE DE SÃO PAULO. CONSELHO MUNDIAL DE IGREJAS. Brasil Nunca Mais. Petrópolis: Vozes, 1985.

BRASIL. COMISSÃO NACIONAL DA VERDADE. Relatório da Comissão Nacional da Verdade. Brasília: CNV, 2014. Disponível em:< http://www.cnv.gov.br/>. Acesso em: 08 dez. 2016.

BESSE, Juan; ESCOLAR, Cora. Políticas y memoria, semblanza de una relación indócil. Diálogos, Revista do departamento de história, Maringá, v.16, n. 3, p. 897 – 924, set./dez.2012. Disponível em: < http://www.redalyc.org/pdf/3055/305526887004.pdf> Acesso em: 08 dez. 2016.

BRITO, Alexandra. Truth, justice, memory and democratization in the Southern Cone. In: BRITO, Alexandra; GONZALÉZ-ENRÍQUE, Carmen; AGUILAR, Paloma. The politics of memory: transitional justice in democratizing societies. London: Oxford University Press. 2002.

CRENZEL, Emílo. La historia política del nunca más. Buenos Aires: Siglo veintiuno, 2014.

COMISSIÓN PROVINCIAL POR LA MEMORIA. Arquivo dipba. La Plata: COM, 2005. Disponível em: <http://www.comisionporlamemoria.org/cuadroclasificacion/#seccion12>. Acesso em: 08 dez. 2016.

FELD, Claudia; FRANCO, Marina. Democracia, hora cero: actores, políticas y debates em los incios de la posdictadura. Buenos Aires: Fondo de Cultura económica, 2015.

FROTA, Maria Guiomar da Cunha. Comissão da Verdade e Lei de Acesso à Informação: informação, memória e justiça no contexto democrático pós-1988. In: MOURA, Maria Aparecida (org). A construção do acesso público à informação no Brasil, Belo Horizonte: UFMG, 2014.

JELIN, Elizabeth. Los trabajos de la memoria. Madrid: Siglo veintiuno, 2002.

KARABABIKIAN, Graciela. Archivos y derechos humanos en Argentina. Buenos Aires: Memoria Abierta, 200?. Disponível em: <http://www.memoriaabierta.org.ar/materiales/pdf/archivos_y_derechos_humanos.pdf>. Acesso em: 08 dez 2016.

MEMORIA ABIERTA. Memória aberta. Caba: Memoria aberta, 2015. Disponível em: <http://www.memoriaabierta.org.ar>. Acesso em: 08 dez. 2016.

MOURA, Maria Aparecida (org). A construção do acesso público à informação no Brasil. Belo Horizonte: UFMG, 2014.

NAZAR, Mariana. Dictadura, archivos y accesibilidad documental: a modo de agenda. In: CENTRO DE ESTUDOS LEGALES Y SOCIALES. Derechos humanos en la Argentina: informe 2007. Madrid: Siglo veintiuno, 2007.

NAZAR, Mariana. El acceso a los archivos: sistemas de gestión de la información implementados en América Latina. In: TORRES, Natália (comp.) Hacia una política integral de gestión de la información pública. Buenos Aires: Universidad de Palermo, 2014.

RABOTNIKOF, Nora. Memoria política a treinta años del golpe. In: LIDA, Clara; CRESPO, Horacio; YANLEVICH, Pablo (comp.). Argentina, 1976: estudios em torno el golpe de estado. México: El Colégio de México, 2006.

TORELLY, Marcelo D. Justiça de transição e estado constitucional de direito: perspectiva teórico comparada e análise do caso brasileiro. Belo Horizonte: Fórum, 2012.

THIESEN, Icléia. Documentos sensíveis. Rio de Janeiro: 7letras, 2014.

THIESEN, Icléia. Memória Institucional. João pessoas: UFBA, 2013.

Downloads

Publicado

05-04-2017

Como Citar

FROTA, M. G. da C. Memórias da repressão e da resistência: um olhar comparado entre Brasil e Argentina. Revista Informação na Sociedade Contemporânea, [S. l.], v. 1, n. 2, p. 1–17, 2017. DOI: 10.21680/2447-0198.2017v1n2ID10988. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/informacao/article/view/10988. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos