LEISHMANIOSE VISCERAL HUMANA NO MUNICÍPIO DE NATAL-RN: ANÁLISE CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICA E ESPACIAL

  • Isabelle Ribeiro Barbosa
Palavras-chave: Leishmaniose Visceral, Doenças endêmicas, Epidemiologia, Análise espacial, Vigilância em saúde.

Resumo


Introdução: Considerada uma doença negligenciada, a Leishmaniose visceral apresentou expansão da área de abrangência e aumento significativo do número de casos nas últimas décadas no Brasil. Objetivo: Analisar a distribuição espacial e as variáveis clínicas e epidemiológicas dos casos registrados da LV no município de Natal-RN no período de 2007 a 2015. Métodos: Foram analisados 199 casos registrados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação. As variáveis clínicas e epidemiológicas analisadas foram a idade e sexo, infecção por HIV, manifestações clínicas, a evolução e o critério de confirmação do caso. Resultados: o distrito norte da cidade apresentou os bairros com maior incidência, com expansão da doença para o distrito oeste, em seguida para o distrito sul e leste. O sexo masculino foi o mais acometido (65,3%), as principais manifestações clínicas apresentadas foram febre (85%) e esplenomegalia (76,5%), 38% dos casos acometeu indivíduos de 0 a 15 anos, 19,5% de comorbidade com o HIV e taxa de letalidade de 4%. Conclusões: No município de Natal, a LV apresenta-se em expansão para áreas consideradas indenes, registrando altas taxas de infecção em adultos jovens e de co-infecção com o HIV. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

  • Almeida ABPF, Mendonça AJ, Sousa VRF. Prevalência e epidemiologia da leishmaniose visceral em cães e humanos, na cidade de Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. Ciência Rural. 2010; 40(7): 1610-1615.

  • Prado PF, Rocha MF, Sousa JF, Caldeira DI, Paz GF, Dias ES. Epidemiological aspects of human and canine visceral leishmaniasis in Montes Claros, State of Minas Gerais, Brazil, between 2007 and 2009. Rev Soc Bras Med Trop. 2011; 44(5): 561-566.

  • Barbosa IR, Costa ICC. Aspectos clínicos e epidemiológicos da leishmaniose visceral em menores de 15 anos no estado do Rio Grande do Norte, Brasil. Sci. Med. 2013; 23(1).

  • Oliveira JM, Fernandes AC, Dorval MEC, Alves TP, Fernandes TD, Oshiro ET, Oliveira ALL. Mortalidade por leishmaniose visceral: aspectos clínicos e laboratoriais. Rev Soc Bras Med Trop. 2010; 43: 188-193.

  • Furlan MBG. Epidemia de leishmaniose visceral no Município de Campo Grande-MS, 2002 a 2006. Epidemiol. Serv. Saúde. 2010; 19(1): 16-25.

  • Missawa NA, Veloso MAE, Maciel GBML, Michalsky EM, Dias ES. Evidência de transmissão de leishmaniose visceral por Lutzomyia cruzi no município de Jaciara, Estado de Mato Grosso, Brasil. Rev Soc Bras Med Trop. 2011; 44(1): 76-78.

  • Werneck GL. Expansão geográfica da leishmaniose visceral no Brasil. Cad. Saúde Pública. 2010; 26(4): 644-645.

  • Lopes EGP, Magalhães DF, Silva JA, Haddad JPA, Moreira EC. Distribuição temporal e espacial da leishmaniose visceral em humanos e cães em Belo Horizonte-MG, 1993 a 2007. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia. 2010; 62(5): 1062-1071.

  • Sousa-Gomes ML, Maia-Elkhoury ANS, Pelissari DM, Lima Junior FEF, Sena JM, Cechinel MP. Coinfecção Leishmania-HIV no Brasil: aspectos epidemiológicos, clínicos e laboratoriais. Epidemiol. Serv. Saúde. 2011; 20(4): 519-526.

  • Barbosa IR. Epidemiologia da Leishmaniose Visceral no estado do Rio Grande do Norte, Brasil. Rev Epidemiol Control Infect. 2013;3(1):17-21.

  • Dantas-Torres F, Brandão-Filho SP. Expansão geográfica da leishmaniose visceral no Estado de Pernambuco. Rev Soc Bras Med Trop. 2006; 39(4): 352-356.

  • Camargo-Neves VLF, Katz G, Rodas LAC, Poletto DW, Lage LC, Spínola RMF et al. Utilização de ferramentas de análise espacial na vigilância epidemiológica de leishmaniose visceral americana - Araçatuba, São Paulo, Brasil, 1998-1999. Cad. Saúde Pública. 2001; 17(5): 1263-1267.

  • Maia CS, Pimentel, DS, Santana MA, de Oliveira GM, Pedrosa NA, do Nascimento LA, et al. Análise espacial da leishmaniose visceral americana no município de Petrolina, Pernambuco, Brasil. Hygeia, 2014; 10(18), 167-176.

  • da Silva AF. Migração e crescimento urbano. Uma reflexão sobre a cidade de Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. Scripta Nova: revista electrónica de geografía y ciencias sociales. 2001; (5): 74.

  • Pimentel DEM, da Silva LC, do Nascimento TCL, Ojima R. Urbanização dispersa e vulnerabilidade no contexto metropolitano de Natal: a dinâmica da população e a ampliação do espaço de vida. Anais: Encontros Nacionais da ANPUR, 15, 2013.

  • Gomes RDCDC, Araújo JCD. O Estado e sua intervenção no urbano no Rio Grande do Norte. Sociedade e Território. 2012; 24(1): 59-76.

  • da Silva AFC, Bastos NSM. Novas (e velhas) fronteiras: os espaços de pobreza e a expansão da cidade de Natal-RN. Anais: Encontros Nacionais da ANPUR, 2013, 10.

  • Araújo MCC, Cândido GA. Índices de qualidade de vida urbana de Natal-RN. Geoconexões. 2015; 1(1), 51-66.

  • Monteiro EM, Silva JCFD, Costa RTD, Costa DC, Barata RA, Paula EVD, Dias ES. Leishmaniose visceral: estudo de flebotomíneos e infecção canina em Montes Claros, Minas Gerais. Rev Soc Bras Med Trop. 2005; 38(2): 147-52.

  • de Oliveira Góes MA, de Melo CM, Jeraldo VDLS. Série temporal da leishmaniose visceral em Aracaju, estado de Sergipe, Brasil (1999 a 2008): aspectos humanos e caninos. Rev bras epidemiol. 2012; 15(2), 298-307.

  • Barbosa IR, Carlota FC, Andrade-Neto VF. Seroepidemiological Survey of Canine Leishmania Infections from Peripheral Areas in Natal, Northeast Brazil. The Open Microbiology Journal. 2015; 9: 43.

  • Ortiz RC, Anversa L. Epidemiologia da leishmaniose visceral em Bauru, São Paulo, no período de 2004 a 2012: um estudo descritivo. Epidemiol. Serv. Saúde. 2015; 24(1): 97-104.

  • Brasil. Ministério da Saúde. Leishmaniose visceral. Guia de Vigilância Epidemiológica. 7ª Ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2009. p. 31-64.

  • Cavalcante IJM, Vale MR. Aspectos epidemiológicos da leishmaniose visceral (calazar) no Ceará no período de 2007 a 2011. Rev Bras Epidemiol. 2014; 17(4): 911-924.

  • Barbosa IR, Silva Neto RD, Souza PP, Silva RA, Lima SR, Cruz IDS, Costa ICC. Aspectos da Coinfecção Leishmaniose visceral e HIV no Nordeste do Brasil. Revista Baiana de Saúde Pública, 2014; 37(3): 672-687.

  • Rey L. Bases da Parasitologia Médica. 2ª ed. Guanabara Koogan. Rio de Janeiro, 2003.

Publicado
30-08-2016
Como Citar
BARBOSA, I. R. LEISHMANIOSE VISCERAL HUMANA NO MUNICÍPIO DE NATAL-RN: ANÁLISE CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICA E ESPACIAL. Revista Ciência Plural, v. 2, n. 1, p. 89-101, 30 ago. 2016.
Seção
Artigos