DETERMINANTES SOCIOECONÔMICOS DA SAÚDE DO IDOSO: UM ESTUDO ECOLÓGICO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

  • Tamires Carneiro de Oliveira Mendes Odontóloga. Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
  • Marla Raquel Leandro Silva Graduanda de Odontologia. Departamento de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Yan Nogueira Leite Freitas Odontólogo. Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • André Luiz Lima Médico veterinário da Prefeitura Municipal de Natal. Doutor em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Kenio Costa Lima Doutor em Ciências (Microbiologia), Professor adjunto do Departamento de Odontologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Palavras-chave: Idosos, Fatores Socioeconômicos, Análise Fatorial

Resumo


Objetivo: propor variáveis estatísticas que resumam os fatores socioeconômicos com potencial efeito sobre a saúde dos idosos nos municípios do Rio Grande do Norte e identificar os locais de maior vulnerabilidade. Métodos: as variáveis deste estudo ecológico foram oriundas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e Departamento de Informática do SUS (DATASUS), referentes ao ano 2000. Partiu-se de mais de 800 variáveis relacionadas à renda, educação, desenvolvimento humano, demografia e habitação, as quais foram submetidas a uma análise da plausibilidade teórica, da distribuição dos dados, da correlação, Análise Fatorial e à Análise Espacial exploratória. Resultados: a aplicabilidade da técnica foi comprovada pela matriz de correlações, determinante (0,001), matriz anti-imagem, teste de esfericidade de Bartlett (p<0,001) e Índice de Kaiser-Meyer-Olkin (KMO= 0,7). Formaram-se quatro componentes que explicaram 74,01% da variância do modelo, sendo eles: Melhores condições socioeconômicas, Maior dependência do Estado, Desigualdade e Menos emprego e saúde. A análise visual dos mapas demonstrou que tais componentes apresentam distintos padrões de distribuição espacial, no qual parte das microrregiões Borborema Potiguar, Angicos e Agreste Potiguar tiveram características mais desfavoráveis para todos os componentes. Conclusões: além facilitar a identificação dos pontos críticos, os componentes agregaram diversos dados em informações mais simples, facilitando o planejamento de políticas públicas e estudos relacionados aos determinantes da saúde dos idosos do Rio Grande do Norte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tamires Carneiro de Oliveira Mendes, Odontóloga. Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva da UFRN, tendo realizado Doutorado Sanduíche na Agència de Salut Pública de Barcelona/Espanha. Membro do Conselho Gestor da Instituição de Longa Permanência para Idosos Juvino Barreto, a qual representa como conselheira no Conselho Municipal do Idoso (CMI) de Natal/RN, Conselho Estadual da Pessoa Idosa (CEDEPI/RN) e Conselho Estadual de Assistência Social (CEAS). Possui mestrado em Saúde Coletiva pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e graduação em Odontologia pela mesma universidade. Foi pesquisadora bolsista CNPq/UFRN
Marla Raquel Leandro Silva, Graduanda de Odontologia. Departamento de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Curso Técnico em Higiene Dental, pela E.E.B Casimiro de Abreu (2010), Graduanda em Odontologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2014-2018)
Yan Nogueira Leite Freitas, Odontólogo. Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Graduado, em 2011, pelo curso de odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Em 2012 ingressou no mestrado do programa de pós-graduação em saúde coletiva da mesma instituição. Apresenta experiência em pesquisas quantitativas, com enfoque na Gerontologia, Bioestatística e Epidemiologia que vêm sendo realizadas desde a graduação, não deixando de pesquisar em todas as áreas da saúde. Foi professor substituto das disciplinas de Cariologia, Clínica Integrada Nível I, Odontologia Preventiva, Odontologia Cultura e Sociedade e Trabalho de Conclusão do Curso I, no departamento de odontologia da UFRN. Atualmente é aluno do Doutorado do programa de pós-graduação em Saúde Coletiva da UFRN.
André Luiz Lima, Médico veterinário da Prefeitura Municipal de Natal. Doutor em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido (2004), mestrado em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2012) e Doutorado em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2016), com doutorado-sanduíche na Agència de Salut Pública de Barcelona, Espanha. Atualmente é médico veterinário da Prefeitura Municipal de Natal, especialista em Análise de Situação de Saúde e Vigilância Sanitária e Controle de Qualidade dos Alimentos. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: Vigilância Sanitária, Vigilância Epidemiológica e Políticas Públicas de Saúde.
Kenio Costa Lima, Doutor em Ciências (Microbiologia), Professor adjunto do Departamento de Odontologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
professor possui graduação em Odontologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, mestrado em Odontologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, doutorado em Ciências (Microbiologia Médica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e pós-doutorado pela Agência de Saúde Pública de Barcelona. Atualmente, é professor associado IV da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, dos Programas de Pós-graduação em Saúde Coletiva e em Ciências da Saúde desta mesma universidade e bolsista de produtividade do CNPq . É o atual coordenador do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Tem experiência na área de Odontologia, Saúde Coletiva e das Ciências da Saúde de um modo geral, com ênfase em estudos experimentais e epidemiológicos. Trabalha, principalmente, os seguintes temas: Envelhecimento e Saúde, Doenças infecciosas, Microbiologia aplicada e Epidemiologia aplicada à pesquisa em Saúde.

Referências

  • Veras R. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Rev Saúde Pública. 2009;43(3): 548-554.

  • Santos AMA, Sousa EA. Uma análise comparativa entre os indicadores socioeconômicos da região Nordeste e do Brasil. Revista Economia política do desenvolvimento. Rev Econ Polit. 2010;3(8): 43-72.

  • Santos M, Silveira ML. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 12. ed. Rio de Janeiro, RJ: Record; 2008.

  • Borrell C, Artazcoz L. Las políticas para disminuirlas desigualdades en salud. Gac Sanit. 2008;22(5): 465-473.

  • Oliveira TC, Medeiros WR, Freitas YNL, Lima KC. Socioeconomic Factors and the Elderly Mortality Profile in a Poor Brazilian State: An Ecological Study Comparing Two Distinct Age Groups. OALib. 2015;2(1271): 1-8.

  • Fávero LPL, Belfiore, PP, Silva, FL, Chan, BL. Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro, Elsevier: 2009.

  • Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Estudos e Pesquisas. Informação demográfica e socioeconômica. 2012; 92.

  • Barros MBA, Francisco PMSB, Zanchetta LM, César, CLG. Tendências das desisgualdades sociais e demográficas na prevalência de doenças crônicas no Brasil, PNAD: 2003-2008. Ciênc saúde coletiva. 2011;16(9): 3755-3768.

  • Abreu MVS, Oliveira JC, Andrade VDA, Meira AD. Proposta metodológica para o cálculo e análise espacial do IDH intraurbano de Viçosa – MG. Rev bras estud popul. 2011;28(1): 169-186.

  • Givisiez GHN, Oliveira EL. Privacidade intradomiciliar: um estudo sobre as necessidades de ampliações em residências. Rev bras estud popul. 2013;30(1): 199-223.

  • Brito F. Transição demográfica e desigualdades sociais no Brasil. Rev bras estud popul. 2008;25(1): 5-26.

  • Geib LTC. Determinantes sociais da saúde do idoso. Ciênc saúde coletiva. 2012;17(1): 123-133.

  • Oliveira, EA. A política de emprego no Brasil: o caminho da flexinsegurança. Serv Soc Soc. 2012;111: 493-508.

  • Blanc PD, Katz P, Yelin, E.Mortality risk among elderly workers. American Journal of Industrial Medicine. 1994;26: 543-547.

  • Giatti L, Barreto SM.Saúde, trabalho e envelhecimento no Brasil. Cad Saúde Pública. 2003;19(3): 759-771.

  • Índice Firjan de desenvolvimento municipal – IFDM. Downloads. Rio de Janeiro: Firjan. [internet ] [capturado em 2015]. Disponível em: < http://www.firjan.org.br/ifdm/downloads/>. Acesso 21 out. 2015.

  • Musgrove P. The dethronement of income as a cause of health: an essay. Rev Bra. Saude Mater Infant. 2007;7(4): 461-466.

  • Cesar JA, Oliveira Filho JA, Bess G, Cegielka R, Machado J, Gonçalves TS, 2008. Perfil dos idosos residentes em dois municípios pobres das regiões Norte e Nordeste do Brasil: resultados de estudo transversal de base populacional. Cad SaúdePública. 24(8), 1835-1845.

  • Oliveira TC, Silva DA, Freitas YNL, Silva RL, Pegado CPC, Lima KC. Socio-demographic factors and oral health conditions in the elderly: A population-based study. Arch Gerontol Geriatr.2013;57(3): 389-97.

  • 20 - Ruíz AKLB, Godoi TC, Franco, LFR. Processo do envelhecimento e possíveis implicações das políticas públicas de saúde. Pensamento Plural: Revista Científica da UNIFAE. 2010;4(2): 43-48.

  • Closs VE, Schwanke CHA. A evolução do índice de envelhecimento no Brasil, nas suas regiões e unidades federativas no período de 1970 a 2010. Rev bras geriatr gerontol. 2012;15(3): 443-458.

  • Domínguez-Berjón FM, Borrell C, Cano-Serra G, et al. Construcción de un índice de privación a partir de datoscensalesen grandes ciudadesespañolas (Proyecto MEDEA). Gac Sanit. 2008;22(3):179-87.

  • Domínguez-Berjón MF, Rodríguez-Sanz M, Marí-Dell’Olmo M, et al. Uso de indicadores socioeconómicos del área de residencia en la investigación epidemiológica: experiencia en España y oportunidades de avance. Gac Sanit. 2014;28(5):418–425.

Publicado
10-07-2017
Como Citar
MENDES, T. C. DE O.; SILVA, M. R. L.; FREITAS, Y. N. L.; LIMA, A. L.; LIMA, K. C. DETERMINANTES SOCIOECONÔMICOS DA SAÚDE DO IDOSO: UM ESTUDO ECOLÓGICO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE. Revista Ciência Plural, v. 3, n. 1, p. 63-80, 10 jul. 2017.
Seção
Artigos