QUANDO NIETZSCHE SORRIU: O LUGAR DO RISO NA FILOSOFIA NIETZSCHIANA

Autores

  • Cremilda Rodrigues Oliveira
  • Adelson Matias Souza

Resumo

É comum ouvirmos daqueles que descobriram a filosofia de Nietzsche, reconhecer no Filósofo do Martelo e seus escritos densos e pouco ortodoxos, a figura de um pensador carrancudo, colérico, ensimesmado, solitário, deprimido e cronicamente infeliz. Obstante; este artigo almeja sob forma metodológica, que não procura manter-se fiel à cronologia dos escritos nietzschianos; pelo contrário, como um mosaico extemporâneo e anacrônico; (contudo lúdico), quer mostrar a importância inquestionável atribuída ao riso; (e, consequentemente ao humor e à alegria) na filosofia nietzschiana. Ele mesmo, nada misogelasto; inversamente, um homem bem humorado e de fino trato, faz recorrência do riso em seus escritos como a Gaia Ciência; Ecce Homo; Genealogia da moral; Assim Falou Zaratustra e Para Além Do Bem e Do Mal;- obras que referenciarão este estudo. Existe bom humor em Nietzsche? Qual o papel do riso na sua filosofia? Há no risível seriedade filosófica? São essas as dúvidas que se pretende discutir ao longo do texto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cremilda Rodrigues Oliveira

Licenciada em Pedagogia – ULBRA, acadêmica do curso de Educação Física – UNIR, pós graduada em Gestão Escolar- UNIR e pós graduado em Filosofia – UCAM

Adelson Matias Souza

 Licenciado em Pedagogia –ULBRA e Arte Visuais-UNB, pós graduado em Gestão Escolar-UNIR e pós graduado em Filosofia- UCAM.

Downloads

Publicado

09-02-2018

Como Citar

OLIVEIRA, C. R.; SOUZA, A. M. QUANDO NIETZSCHE SORRIU: O LUGAR DO RISO NA FILOSOFIA NIETZSCHIANA. Saberes: Revista interdisciplinar de Filosofia e Educação, [S. l.], n. 17, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/saberes/article/view/12228. Acesso em: 25 jul. 2024.