A educação popular versus a escolarização

Autores

  • Dayane Lopes de Medeiros UFRN
  • Maria Aparecida Vieira de Melo Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.21680/1984-3879.2022v22n1ID30739

Palavras-chave:

Palavras-chave: Bases Fundamentadoras. Educação Popular. Escolarização. Felicidade dos alunos.

Resumo

Resumo:  Este trabalho visa investigar e refletir a educação escolar, quanto a suas bases fundamentadoras e como estas propõem a organização da escolarização para o desenvolvimento do ser humano enquanto dotado de direitos equitativos e construtores de uma cidadania que valoriza o sujeito e não a “coisificação” do indivíduo como moeda de mercado. Se propõe pontuar a educação escolar em suas bases populares, pois uma educação popular vem de encontro para quebra necessária do sistema escolar que perpetua até os dias atuais no Brasil, encarcerando a população em uma condição de subserviência. Então, surge um questionamento: Como organizar uma educação escolar que abranja a educação popular como prioritária em seu sistema? Para responder a essa pergunta formam-se três vertentes direcionadoras: Pensar a educação a se construir; a forma como esta será organizada e sua finalidade; e os sujeitos que serão desenvolvidos, sua história, sua cultura e sua participação autônoma na organização do saber. Sendo uma pesquisa exploratória bibliográfica pondera sobre a escolarização versus a educação popular, abarcando diálogos e leituras realizadas nos encontros universitários e estágios realizados. A pesquisa foi realizada por meio da leitura sistemática de textos e produção de fichamentos com base em FREIRE, 1983; FREIRE, 1998; FREIRE, 2019; QUIHANO, 2005; IKEDA, 2010; GONZALEZ, 2020. Na busca por uma educação popular no seio escolar brasileiro, a pesquisa procura argumentar contra as bases eurocêntricas de ensino e como estas precisam ser reformuladas, trazendo ideias de como se deve trabalhar um ensinar para a tranquilidade, leveza, liberdade e felicidade dos alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADICHIE, Chimamanda N. O perigo de uma história única. Companhia das Letras, 2009.

BELL, Hooks. Ensinando comunidade: uma pedagogia da esperança. São Paulo, Elefante Editora, 2021. [Ebook]

CANDAU, Vera Maria. Pedagogias decoloniais e interculturalidade: insurgências; Coordenação: KOFF, Adélia Maria Nehme Simão e; OLIVA, Rodolpho. 1. ed. Rio de Janeiro, APOENA, 2020.

CÁSSIO, Fernando. Educação contra a barbárie: por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar. 1 edição, São Paulo, Boitempo, 2019.

FREIRE, Paulo. Algumas notas sobre conscientização. In: Ação Cultural para a Liberdade: e outros escritos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003. Arquivo PDF.

FREIRE, Paulo (1967). Educação como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997. [PDF]

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? Tradução de Rosisca Darcy de Oliveira. 7ª ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1983.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 2019.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo- afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

IKEDA, Daisaku. Educação Soka: Uma perspectiva budista para professores, alunos e pais. São Paulo: Editora Brasil Seikyo, 2010.

MENINAS, as. Xi Bom Bombom. Composição: GASPAR, Rogério; RANGEL, Wesley. In: Ouro, CD 2. Salvador, Bahia, Universal Music, 1999.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In:_ A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (CLACSO), 2005.

Downloads

Publicado

06-02-2023

Como Citar

LOPES DE MEDEIROS, D.; VIEIRA DE MELO, M. A. A educação popular versus a escolarização. Saberes: Revista interdisciplinar de Filosofia e Educação, [S. l.], v. 22, n. 1, p. 94–115, 2023. DOI: 10.21680/1984-3879.2022v22n1ID30739. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/saberes/article/view/30739. Acesso em: 23 maio. 2024.

Edição

Seção

Educação e Ensino