As NOÇÕES DA CATEGORIA “SUJEITO” NA FILOSOFIA DA LINGUAGEM

UMA REFLEXÃO DOS SEUS DESLOCAMENTOS AO LONGO DA HISTÓRIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1984-3879.2023v23n2ID31947

Palavras-chave:

Sujeito, história, noção, linguagem, filosofia

Resumo

As ideias e estudos sobre o sujeito como categoria, não somente linguística, mas também filosófica, sofreram deslocamentos que se desdobraram ao longo do desenvolvimento epistemológico e social da visão do homem de si e do outro, numa relação de alteridade. Partindo desse olhar, este trabalho pretende discutir as noções da categoria sujeito ao longo da história, tomando por “linguístico” tudo que é referente à língua/linguagem. Dessa forma, é necessária uma abordagem para antes da consideração da Linguística como Ciência; ou seja, um olhar para a noção dessa categoria antes dos escritos do francês Ferdinand de Saussure. Para tanto, foram discutidos momentos da história e pensadores, considerando também o caráter descontínuo desses “marcos históricos” e não limitados a datas, iniciando pela noção de sujeito na Grécia antiga, avançando para o período conhecidos como Idade Média para, finalmente, chegar ao sujeito moderno, discutindo as visões de Bakhtin (1992), Benveniste (1991), Althusser (1992), Michel Pêcheux (1995), Lacan (2009) e Michel Foucault (2008) para que o leitor possa construir um panorama de como a noção sobre o sujeito vem mudando da era Clássica até a modernidade e como, de alguma maneira, essas ideias entrelaçam-se. Por fim, reflete-se aqui que as noções sobre a categoria sujeito desenvolveram-se num deslocamento de uma noção centrada na relação do indivíduo consigo mesmo e com o social para uma relação do social para o indivíduo, de modo que o indivíduo ganha um esvaziamento a ser ocupado por diferentes formações discursivo-ideológicas funcionantes; sendo, desta maneira, um lugar-reflexo do funcionamento discursivo, que pode ser ocupado por diferentes indivíduos, a mais coerente com os estudos desenvolvidos mais modernamente nos quais não há mais o interesse anterior de tomar o sujeito como originário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monica Fontenelle Carneiro, Universidade Federal do Maranhão

 Doutora em Linguística e Pós-Doutora em Linguística também pela UFC. Especialista em Língua Inglesa e em Linguística Aplicada ao Ensino da Língua Materna e Estrangeira também pela UFMA, Mestre em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Graduada em Letras (Português/Inglês) pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Professora do quadro permanente do Programa de Pós-Graduação em Letras - PPGLETRAS (Mestrado Acadêmico em Letras) - São Luís (também vice-coordenadora no biênio 2021-2023) e do Programa de Pós-Graduação em Letras - PPGLETRAS (Mestrado Acadêmico em Letras) - Bacabal, assim como professora colaboradora do PPGDIR - Programa de Pós-Graduação em Direito, todos da UFMA. Professora do Departamento de Letras da UFMA, com experiência nas áreas de Letras e Linguística, tendo especial interesse em Linguística Cognitiva,Linguística Aplicada, Psicolinguística, Lingua(gem), Metáfora, Discurso e Ensino/Aprendizagem de Línguas. É membro das seguintes associações: ABRALIN (Aaaociação Brasileiras de Linguistas), coordenando a Comissão de Linguística e Cognição, no biênio 2021 a 2023; ANPOLL (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Letras e Linguística), coordenando o Grupo de Trabalho Linguística e Cognição - LINGCOG, no biênio 2021-2023; e ALAB (Associação de Linguística Aplicada do Brasil). Participou do Grupo deTrabalho Estudos LInguísticos na Amazônia Brasileira - ELIAB , também da ANPOLL, no período de 2019-2021 Participa, como pesquisadora, dos Grupos de Pesquisa GELP-COLIN/UFC e GEPLA/UFC, liderando suas unidades em São Luís/ MA, bem como dos Grupos de Pesquisa Cultura, Direito e Sociedade - GPCDES/UFMA e Formação e Linguagem - GEFORLIN/IFMA. Participa, como membro titular da Comissão Institucional de Ciências Humanas do PIBIC/PIBITI. Participa ainda, como pesquisadora líder de equipe brasileira, do Projeto Internacional de Pesquisa Bibliography of Metaphor and Metonymy (METBIB), coordenado pelas Universidades de Córdoba e de La Rioja (Córdoba e La Rioja, Espanha), em parceria com a John Benjamins Publishing Company (Holanda), junto à qual atua como Editora Associada do projeto; e, também, como pesquisadora colaboradora, do Projeto Conceitualização da Metáfora Mãe-Terra por brasileiros e falantes de outras línguas: um estudo comparativo intercultural, coordenado pela Universidade Federal de Minas Gerais em parceria com a Universidade da California em Santa Cruz (EUA),Universidade de Umeå (Suécia), dentre outras, e pela Universidade Federal do Maranhão, assim como coordenadora dessa pesquisa no Maranhão. Realizou estágio no Programa de Educação Continuada do Rhode Island College (EUA), como Professora Visitante, e participou do Curso de Ensino a Distância em Países em Desenvolvimento do International Extension College no Instituto de Educação da Universidade de Londres como bolsista do governo britânico. Participa, como autora de capítulos, das obras: Linguagem, Cultura e Discurso, vol.1/vol.2 (Pedro e João Editores); Linguagem e cognição: desafios e perspectivas contemporâneas (Mercado de Letras); (Per)Cursos (Inter)Disciplinares em Letras vol.1 (Pontes); Linguagem e cognição (Insular); Gênero, ensino e formação de professores e Múltiplas facetas da língua(gem) (Ed. Mercado de Letras); Letras em foco: a linguagem sob diversos olhares, Estudos sobre linguagem: análises linguísticas, discursivas e literárias, Ensino de línguas: tecnologia, Interação e Interfaces, Ensino de Línguas:Interfaces e novas perspectivas, Identidade e discurso: uma perspectiva multidisciplinar, Discursos Linguísticos e Literários, Literatura e outros saberes, Ensino de línguas e discurso, Ensino de línguas e práticas discursivas, Agir de linguagem na escola e na universidade, Estudos da Lingugem: da descrição linguística a suas interpretações (EDUFMA) e, como organizadora, das quatro últimas. Coordenou quatro Cursos de Letras/ Inglês CAESP-PARFOR em municípios maranhenses.

Referências

ACKER, T. V. Renascimento e Humanismo. São Paulo: Atual,. p. 32-33, 1992.

ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos de Estado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1992. BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec, 1992.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski. 2. ed. rev. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

BENVENISTE, Émile. Da subjetividade na linguagem. In: BENVENISTE, Émile. Problemas de Lingüística Geral I. 3. ed. São Paulo: Pontes, 1991.

BENVENISTE, Émile. Problemas de Linguística Geral I. 3. ed. São Paulo: Pontes, 1991.

DE LIBERA, Alain. Archéologie du sujet. Paris: Vrin. v. 1: Naissance du sujet, 2008.

DELEUZE, Gilles. Em que se pode reconhecer o estruturalismo? In: DELEUZE, Gilles. A ilha deserta e outros textos. São Paulo: Iluminuras, 2006. p. 220-250.

DESCARTES, René. Meditações Metafísicas. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

FILHO, Juvenal Savian. Seria o sujeito uma criação medieval? Revista Scielo: Trans/ Form/ Ação, Marília, v. 38, n. 2, p. 175-204, maio/ago. 2015. Disponível em: http://dx.doi. org/10.1590/S0101-31732015000200009. Acesso em: 14 jun. 2021.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008. (Coleção Campo Teórico).

GADET, F.; LÉON, J.; MALDIDIER, D.; PLON, M. Apresentação da conjuntura em linguística, em psicanálise e em informática aplicada ao estudo dos textos na França em 1969. In: Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Ed. Unicamp, SP, p. 39-60, 1997.

HENRY, P. Os Fundamentos teóricos da Análise Automática do Discurso de Michel Pêcheux. In: Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Ed. Unicamp, SP, p. 13-38, 1997.

HOBUSS, João Francisco do Nascimento. Introdução à História da Filosofia Antiga [on- line]. Pelotas: NEPFIL on-line, 2014.

KANT, I. Crítica da razão pura. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

LACAN, J. O Seminário. Livro 18: de um discurso que não fosse semblante. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2009.

LACAN, J. O Seminário. Livro 17: o avesso da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2009.

MEDEIROS, Alexsandro Melo. A ética socrática. Sabedoria política. Disponível em: https:// www.sabedoriapolitica.com.br/products/a-etica-socratica/. Acesso em: 14 jun. 2021.

NEUSER, Wolfgang. A formação e o conceito de indivíduo na Renascença. Educação, Porto Alegre, v. 34, n. 1, p. 25-32, jan./abr. 2011.

PÊCHEUX, M. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução Eni Pulcinelli Orlandi et al. 2. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1995.

REALE, G.; ANTISERI, D. História da Filosofia: Filosofia Pagã Antiga. Tradução Ivo Storniolo. 3. ed. São Paulo: Paulus, 2007. vol. 1, cap. IV, p. 90-121.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. 2. ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

SANTOS, Trindade José. Princípios: Revista de Filosofia, v. 11, n. 15-16, 2004.

Downloads

Publicado

24-09-2023 — Atualizado em 25-09-2023

Versões

Como Citar

RIBEIRO, A. F.; CARNEIRO, M. F. As NOÇÕES DA CATEGORIA “SUJEITO” NA FILOSOFIA DA LINGUAGEM: UMA REFLEXÃO DOS SEUS DESLOCAMENTOS AO LONGO DA HISTÓRIA. Saberes: Revista interdisciplinar de Filosofia e Educação, [S. l.], v. 23, n. 2, p. 68–86, 2023. DOI: 10.21680/1984-3879.2023v23n2ID31947. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/saberes/article/view/31947. Acesso em: 23 jul. 2024.