O PEDAÇO DE CHÃO BEM-AVENTURADO, TERRA SEM MALES, TERRA PROMETIDA

O quilombo Custaneira na perspectiva da circularidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1984-3879.2024v24n1ID34888

Palavras-chave:

QuilombosPráticas Resistência

Resumo

Este trabalho propõe uma discussão que toma os quilombos e suas práticas, sobretudo religiosas e culturais, como estratégias de resistência aos ditames do colonialismo escravocrata e aos reflexos que ainda incidem mesmo após a abolição legal da escravidão no Brasil, formalizada pela Lei 3.353 de 1888, utilizando-se ao fim o exemplo das práticas religiosas da comunidade quilombola Custaneira/Tronco localizada no município de Paquetá do Piauí. Para a construção dos argumentos foram utilizadas fontes de natureza bibliográfica e documental e foi feita uma pesquisa de natureza descritiva. Através deste estudo constatou-se que a resistência aos ditames escravocratas e aos reflexos por eles deixados e perpetrados ao longo dos tempos continuam sendo as manifestações culturais e religiosas uma das mais fortes estratégias de subverter a lógica colonial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Izaias Geraldo de. ROGAIS POR NÓS AGORA E NA HORA DE NOSSA MORTE: o discurso religioso e as injustiças da sociedade nas prédicas “Dores de Maria”. 2008. 163 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Mestrado em Ciências da Religião-, Universidade Católica de Pernambuco, Recife, 2008. Disponível em: http://tede2.unicap.br:8080/bitstream/tede/290/1/dissertacao_izaias_andrade.pdf Acesso em: 24 set. 2023.

BRASIL. Lei n° 3.353, de 13 de maio de 1888. Declara extinta a escravidão no Brasil. DF: Presidência da República, [2023]. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/lim3353.htm Acesso em 15 set. 2023.

_____. [Constituição Federal (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2022]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 10 jun. 2023.

CARDOSO et. al, Eduardo Bruno. MOVIMENTOS CORPORAIS E COSTUMES EM COMUNIDADE QUILOMBOLA DO SEMIARIDO BRASILEIRO: elementos contribuintes

para educação física. Revista Interdiscilinar (Centro Universitário Uninovafapi), Teresina, v. 12, n. 4, p. 56-64, 2022. Semestral.

CARDOSO, Jaqueline da Silva Torres. “QUILOMBOLA É AQULA PESSOA QUE LUTA PRA SER GUERREIRO”: estudo etnográfico do processo de socialização das crianças quilombolas na comunidade Custaneira/Tronco na cidade de Paquetá do Piauí. 2022. 242 f. Tese (Doutorado) – Doutorado em Processos e Manifestações Culturais-, Universidade Feevale, Novo Hamburgo, 2022. Disponível em: https://biblioteca.feevale.br/Vinculo2/000036/0000360d.pdf Acesso em: 24 set. 2023.

CENSO 2022 População quilombola é de 1,3 milhão, indica recorte inédito do censo. Disponível em: https://www.gov.br/pt-br/noticias/assistencia-social/2023/07/populacao-quilombola-e-de-1-3-milhao-indica-recorte-inedito-do-censo Acesso em 25 set. 2023.

DAS NEVES, Ciani Sueli. NINGUÉM VAI TIRAR A COMIDA DA BOCA DE EXÚ. Revista Legislalux, Belém do São Francisco, v. 1, n. 1, p. 42-56, 2019. Semestral.

FARIA, Elisa Sampaio de. CONFLUÊNCIAS DE AXÉ NAS INSTITUIÇÕES CIENTÍFICAS: acontecimentos para pensar práticas de conhecimento. 2020. 166 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação: Conhecimento e Inclusão Social-, Universidade Federal de Minas Gerais, Velo Horizonte, 2020. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/35286/1/2020%20Elisa%20Sampaio%20de%20Faria%20Doutorado%20Tese.pdf Acesso em: 24 set. 2023.

FURTADO, Marcella Brasil; PEDROZA, Regina Lúcia Sucupira; ALVES, Cândida Beatriz. CULTURA, IDENTIDADE E SUBJETIVIDADE QUILOMBOLA: uma leitura a partir da psicologia cultural. Psicologia e Sociedade, São Paulo, v. 1, n. 26, p. 106-115, 2014. Fluxo Contínuo. Disponível em: https://www.scielo.br/j/psoc/a/7m7spDq5Xm6vNYFqmh89X7g/?format=pdf. Acesso em: 20 set. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-71822014000100012

GOMES, Flávio dos Santos. Mocambos e quilombos: uma história do campesinato negro no brasil. São Paulo: Claro Enigma, 2015. 240 p.

LEITE, Maria Jorge dos Santos. Tráfico Atlântico, escravidão e resistência no Brasil. Sankofa Revista de História da África e de Estudos da Diáspora Africana, São Paulo, v. 10, n. 19, p. 64-82, 2017. Semestral. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/sankofa/article/view/137196/132982. Acesso em: 12 out. 2023.

MACHADO, Joana Maria; DA ROSA, Wanderley Pereira. RELIGIÕES BRASILEIRAS DE MATRIZ AFRICANA: um estudo das representações sociais a partir da religiosidade da comunidade quilombola do Sítio dos Crioulos em Jerônimo Monteiro/ES. Caminhos, Goiânia, v. 20, n. 2, p. 234-256, 2022. Quadrimestral. Disponível em: https://seer.pucgoias.edu.br/index.php/caminhos/article/view/12382/5678 Acesso em: 20 set. 2023.

MAUSS, Marcel; LEVI-STRAUSS, Claude. Sociologia e antropologia. São Paulo: EPU Ed. da Universidade de São Paulo, 1974. 2v.

MOURA, Clóvis. Quilombos: resistência ao escravismo. Teresina: EdUESPI, 2021.

MOURA et al., Virna Rodrigues Leal.. Aspectos étnico-relacionais do “ser” quilombola nas brumas de Custaneira/Tronco. Peer Review, [S. l.], v. 5, n. 4, p. 232–248, 2023. DOI: 10.53660/277.prw511. Disponível em: https://peerw.org/index.php/journals/article/view/277. Acesso em: 9 set. 2023.

NACIONAL, Biblioteca. Para uma história do negro no Brasil. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 1988. 64 p. Disponível em: https://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_iconografia/icon1104317/icon1104317.pdf. Acesso em: 13 out. 2023.

NEGO BISPO COMEÇO MEIO E COMEÇO. Disponível em: https://revistarevestres.com.br/entrevista/comeco-meio-e-comeco/ Acesso em 20 set. 2023.

NOGUEIRA, José Carlos de Ataliba. Antônio Conselheiro, Canudos: revisão histórica. São Paulo: Ed. Nacional, 1978.

PEDROZA, Reigler Siqueira. Aspectos simbólicos da cultura corporal em rituais populares: performances corporais na comunidade quilombola Magalhães. In: II SEMINÁRIO DE PESQUISA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, 2011, Goiânia, GO. Anais [Diálogos Entre Graduação e Pós-Graduação]. Goiânia, GO: Universidade Federal de Goiás. Disponível em: https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/253/o/Reigler_Siqueira_Pedroza.pdf Acesso em 13 out. 2023.

_____. Os rituais/festejos da comunidade quilombola Magalhães: em cena a performance da folia de São Sebastião. 2022. 173 f. Tese (Doutorado) - Curso de Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Faculdade de Educação Física, Universidade de Brasília, Brasília, 2022. Disponível em: http://www.realp.unb.br/jspui/bitstream/10482/46351/1/2022_ReiglerSiqueiraPedroza.pdf. Acesso em: 16 out. 2023.

SANTOS, Antônio Bispo dos. Colonização, quilombos: modos e significações. Brasília: Inct, 2015.

SILVA, Mônica Cristina Adams de Matos da; ÁVILA, Vicente Fideles de. MACIEL, Josemar de Campos. RELIGIOSIDADE E SENTIMENTO DE PERTENÇA: CONSIDERAÇÕES ACERCA DA FESTA EM HOMENAGEM A SÃO JOÃO BATISTA E DA MISSA AFRO NA COMUNIDADE REMANESCENTE DE QUILOMBO “SÃO JOÃO BATISTA” –CAMPO GRANDE/MS. Revista Brasileira de História das Religiões, Maringá, n. 8, p. 45-64, 2010. Quadrimestral. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RbhrAnpuh/article/view/30347/15931 Acesso em: 24 set. 2023.

SILVA et al., Rita de Kássia Leal e. Organização financeira familiar em comunidades tradicionais. Revista Arquivos Científicos (IMMES), v. 5, n. 2, p. 1 - 6, 6 mar. 2023.

VERSIANI, Flávio R. Entendendo a escravidão: trabalho escravo na grande lavoura e em pequenas posses. In: VERSIANI, Flávio Rabelo; NOGUERÓL, Luiz Paulo Ferreira (org.). Muitos escravos, muitos senhores: escravidão nordestina e gaúcha no século xix. São Cristóvao: Editora Ufs, 2016. Cap. 1. p. 13-53. Disponível em: https://www.editora.unb.br/downloads/24H/muitos-escravos-muitos-senhores_WEB24H.pdf. Acesso em: 13 out. 2023.

VIEIRA, Mauro Primo. INFLUÊNCIA DA MATRIZ AFRICANA NA RELIGIOSIDADE DA COMUNIDADE QUILOMBOLA DO CEDRO DE MINEIROS-GO. 2019. 113 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião, Escola de Formação de Professores e Humanidades, Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2020. Disponível em: https://tede2.pucgoias.edu.br/bitstream/tede/4548/2/Mauro%20Primo%20Vieira.pdf. Acesso em: 24 set. 2023.

Downloads

Publicado

16-02-2024

Como Citar

DE OLIVEIRA SOUSA, J. V.; ARAÚJO, N. de A. .; GUIMARÃES, H. B. .; MOURA, V. R. L. .; GONÇALVES, Y. de M. .; PEREIRA, T. da P. F. . O PEDAÇO DE CHÃO BEM-AVENTURADO, TERRA SEM MALES, TERRA PROMETIDA: O quilombo Custaneira na perspectiva da circularidade. Saberes: Revista interdisciplinar de Filosofia e Educação, [S. l.], v. 24, n. 1, p. AR03, 2024. DOI: 10.21680/1984-3879.2024v24n1ID34888. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/saberes/article/view/34888. Acesso em: 22 abr. 2024.