A EMANCIPAÇÃO DA SENSIBILIDADE: CONSIDERAÇÕES SOBRE UM PERCURSO FILOSÓFICO DE FEUERBACH AO JOVEM MARX

Autores

  • Ricardo Rojas Fabres

Resumo

O trabalho pretende explorar o percurso da ideia de sensibilidade desde Feuerbach até Marx, compreendendo a sensibilidade no sentido amplo como capacidade de percepção. Para isso, primeiramente será apresentada a postura antropológica e anti-especulativa de Feuerbach, a partir de suas considerações sobre uma ontologia da natureza que o coloca o ser sensível no centro de sua reflexão. Em seguida, serão confrontados em termos epistemológicos o concreto sensível feuerbachiano e o concreto dialético marxiano, isto é, a concepção dos autores em relação ao modo como o sensível deve ser concebido a partir da realidade empírica. Por fim, após apresentar a constituição histórico-social da sensibilidade, segundo a tradição marxista, pretende-se demonstrar que a ideia de emancipação humana, no jovem Marx, se manifesta como uma reivindicação normativa em torno da emancipação dos sentidos humanos.

88

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Rojas Fabres

Mestre em Filosofia (UFPel). Doutorando em Filosofia (UFRGS) e Educação (UFPel)87

Downloads

Publicado

14-09-2015

Como Citar

FABRES, R. R. A EMANCIPAÇÃO DA SENSIBILIDADE: CONSIDERAÇÕES SOBRE UM PERCURSO FILOSÓFICO DE FEUERBACH AO JOVEM MARX. Saberes: Revista interdisciplinar de Filosofia e Educação, [S. l.], n. 12, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/saberes/article/view/7453. Acesso em: 1 dez. 2022.