Violino com "sprezzatura": considerações e evidências históricas sobre a arte de tocar o violino entre c. 1550 e c. 1750

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36025/arj.v10i1.31820

Palavras-chave:

Castiglione, sprezzatura, violino, violino no peito, século XVII

Resumo

Este artigo pode ser entendido como um ensaio sobre a arte de tocar o violino entre c. 1550 e c. 1750, relacionando-a à noção de sprezzatura de Baldassare Castiglione (1478-1529). A partir de fontes musicográficas e iconográficas europeias como tratados, manuais, relatos e pinturas, investigamos as maneiras de se tocar o violino com ênfase nas posturas adotadas pelos músicos do período. Após uma classificação destas maneiras e uma consequente definição da ideia de posturas subclaviculares ao violino, buscamos uma aproximação aos seus ideais, racionalidades e aspectos práticos. Conclui-se que há um processo histórico de elevação da postura do violino, começando no braço no século XVI, passando pelo peito no século XVII e terminando no pescoço no século XVIII. Entre essas maneiras, aquela eleita pelo meio musical à época como a mais elegante e com sprezzatura – portanto, mais elogiada e difundida – era a postura do violino no peito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Henrique Fiaminghi, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Luiz Henrique Fiammenghi, nome artístico Luiz Fiaminghi, é professor associado no Departamento de Música da Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC. Doutor em Música pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. Atua nas áreas de Percepção Musical, Musicologia/Etnomusicologia, Práticas Interpretativas e é credenciado no Programa de Pós-Graduação em Música desta universidade. É membro do grupo de pesquisa MUSICS e coordenador do grupo A Vez e a Voz da Rabeca. Como diretor musical do grupo Anima, recebeu os prêmios APCA (1998), Carlos Gomes (2000), gravou 8 CDs, 1 DVD, programas de rádio e televisão e apresentou concertos no Brasil e no exterior. Como bolsista do CNPq, especializou-se em violino barroco na Holanda, atuando em vários grupos musicais e orquestras barrocas.

Vinícius Chiaroni, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Vinícius Rosa dos Santos Chiaroni é natural de São Paulo, SP, é especialista em flauta doce e oboé barroco pela Escola de Música do Estado de São Paulo – EMESP, bacharel em Instrumento Antigo pela Universidade Estadual Paulista – UNESP, e mestre em Música pela Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC. Circulando entre a pesquisa e a interpretação da música histórica, é integrante de diversos conjuntos de Música Antiga do país, com destaque para a Orquestra Barroca da EMESP, a Sociedade Bach Brasil (RS) e o Capelle 1641 (SC). Ressaltam-se em sua trajetória participações em diversos encontros e festivais, como o Festival de Música de Juiz de Fora (MG), a Oficina de Música de Curitiba (PR), o Encontro Internacional de Música Antiga (SP), o Encontro de Música Antiga de Stuttgart (Alemanha), o Open Blokfluitdagen Amsterdam (Holanda), o Encontro de Música Antiga de Loulé (Portugal) e o Woodend Winter Arts Festival (Austrália). Atualmente, realiza doutorado em música pela UDESC, onde desenvolve pesquisa acerca da música instrumental no Sacro Império Romano-Germânico no século XVII.

Alexandre Nanni, Pesquisador independente

Alexandre Schmidt Nanni é natural de Porto Alegre (RS), é graduando em licenciatura musical, membro fundador do extinto Capella Strumentale (RS) e atual vice-presidente da Sociedade Bach Brasil (RS). Como fundador, curador musical e violinista, é desenvolvedor do projeto “Capelle 1641: Interpretação, Musicologia e Luteria” em São Pedro de Alcântara (SC), em parceria com a Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC, a Universidade de São Paulo – USP, a Escola de Música do Estado de São Paulo – EMESP, a Escola Municipal de Música de São Paulo – EMM/SP, o Conservatório Dramático e Musical de Tatuí (SP) e a Sociedade Bach Brasil (RS). Como pesquisador independente, vem atuando efetivamente no fomento à pesquisa sobre música e luteria no século XVII; e tem como principais temas de investigação a performance nos violinos seiscentistas e o papel do compositor-intérprete germânico daquela época.

Referências

ARBEAU, Thoinot. Orchésographie. 2. ed. Langres: Iehan des Preyz, 1596.

ABADIE, Lisandro; BRAITHWAITE, Tim; LOCATELLI, Andrés. Giulio Caccini’s Published Writings: Bilingual edition. Early Music Sources – PIE Series, Elam Rotem, Basileia, v. II, jul. 2021. ISBN: 978-2-8399-3334-6. Disponível em: https://www.earlymusicsources.com/pie. Acesso em: 9 nov. 2022.

BURKE, Peter. As Fortunas d’O Cortesão (1995). Tradução de Álvaro Hattner. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1997.

BURMEISTER, Joachim. Musica Poetica (1606). Tradução para o inglês de Benito V. Rivera. New Haven; Londres: Yale University Press, 1993.

CACCINI, Giulio. Le nuove musiche. Florença: Giorgio Marescotti, 1602.

CASTIGLIONE, Baldassare. O Livro do Cortesão (1528). Tradução de Carlos Aboim de Brito. Porto: Campo das Letras, 2008.

de FER, Philibert Jambe. Epitome musical. Lyon: Michel du Bois, 1556.

FALCK, Georg. Idea Boni Cantoris. Nuremberg: Wolfgang Moritz Endter, 1688.

GWILT, Richard; SCHALLER, Irmgard. Traditions of Baroque Violin Playing. 2020. Disponível em: http://www.baroque-violin.info/. Acesso em: 9 nov. 2022.

HELD, Marcus. Francesco Geminiani (1687-1762): Comentários e Tradução da Obra Teórica Completa. Dissertação (mestrado). São Paulo: USP, 2017. DOI: https://doi.org/10.11606/D.27.2017.tde-27092017-101128. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27157/tde-27092017-101128/publico/MarcusViniciusSantAnnaHeldNeves.pdf. Acesso em: 09/11/2022.

HELD, Marcus. O violino e seu contexto na Inglaterra seiscentista. In: BARROS; FIAMINGHI; LUCAS (org.). Teorias, poéticas e práticas da música antiga. Curitiba: CRV, 2021. p. 111-130. ISBN: 978-65-251-0059-3. DOI 10.24824/978652510059.3.

LEMOS, Maya Suemi. Da poética e dos contrários: releituras no Combatimento di Tancredi et Clorinda de Tasso/Monteverdi. Cadernos do Programa de Pós-Graduação em Música, UNIRIO, Rio de Janeiro, n. 11, p. 8-28, 2008. eISSN: 2359-1056. Disponível em: http://seer.unirio.br/index.php/revistadebates/article/view/3936. Acesso em: 9 nov. 2022.

LEMOS, Maya Suemi. Madrigali Guerrieri et Amorosi: o livro oxímoro de Claudio Monteverdi. Terceira Margem, UFRJ, Rio de Janeiro, n. 25, p. 149-170, 2011. eISSN: 2358-727x. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/tm/article/view/10800. Acesso em: 9 nov. 2022.

LOCATELLI, Pietro Antonio. L’Arte del violino, Op. 3. Amsterdam: Michel-Charles Le Cène, 1733.

LÓPEZ, Maria María José Pámpano. A técnica chin-off: técnicas interpretativas do violino nos séculos XVII e XVIII. Dissertação (mestrado). Porto: ESMAE, 2014. Disponível em: http://hdl.handle.net/10400.22/8846. Acesso em: 13 nov. 2022.

McVEIGH, Simon; HIRSHBERG, Jehoash. The Italian Solo Concerto, 1700-1760: Rhetorical Strategies and Style History. Woodbridge: The Boydell Press, 2004.

MERCK, Daniel. Compendium musicæ instrumentalis chelicæ. Augsburg: Johann Christoph Wagner, 1695.

MOZART, Leopold. Versuch einer gründlichen Violinschule. Augsburg: Johann Jacob Lotter, 1756.

PLAYFORD, John. A Brief Introduction to the Skill of Musick. 4. ed. Londres: John Playford, 1664.

PLAYFORD, John. The Dancing Master. Londres: Thomas Harper, 1651.

PRAETORIUS, Michael. Syntagma Musicum. v. 2. Wolfenbüttel: Michael Praetorius, 1619.

RICCI, Maria Teresa. Graça e Sprezzatura em Baldassar Castiglione (2003). Traduzido por: Cristiane Maria Rebello Nascimento. Limiar, UNIFESP, São Paulo, v. 2, n. 3, 2014. eISSN: 2318-423x. DOI: https://doi.org/10.34024/limiar.2014.v2.9266. Disponível em: https://periodicos.unifesp.br/index.php/limiar/article/view/9266. Acesso em: 9 nov. 2022.

RIEDO, Christoph. How Might Arcangelo Corelli Have Played the Violin? Music in Art, Nova York, v. 39, n. 1-2, primavera/outono, p. 103-118, 2004. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/90012951. Acesso em: 9 nov. 2022.

SPEER, Daniel. Grund-richtiger Unterricht der Musicalischen Kunst. Ulm: Christian Balthasar Kuehnen, 1697.

ZWILLING, Carin. O Livro do Cortesão de Baldassare Castiglione: tradução e comentários de passagens a respeito da música. [S.l.], 2016, 1-19. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/311065938_O_Livro_do_Cortesao_de_Baldassare_Castiglione_-_traducao_e_comentarios_de_passagens_a_respeito_da_musica_por_Carin_Zwilling. Acesso em: 9 nov. 2022.

Downloads

Publicado

17-05-2023

Como Citar

FIAMINGHI, L. H.; CHIARONI, V. R. dos S.; NANNI, A. S. Violino com "sprezzatura": considerações e evidências históricas sobre a arte de tocar o violino entre c. 1550 e c. 1750. ARJ – Art Research Journal: Revista de Pesquisa em Artes, [S. l.], v. 10, n. 1, 2023. DOI: 10.36025/arj.v10i1.31820. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/31820. Acesso em: 18 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Teorias, Poéticas e Práticas da Música Antiga