Organização e realização do trabalho docente

prescrições e ações para o planejamento didático

Palavras-chave: Trabalho Docente. Ergonomia. Educação básica. Ensino Médio.

Resumo

Este artigo propõe compreender como professores organizam e desenvolvem seu trabalho, diante das condições encontradas nos contextos reais. Parte da concepção da ergonomia para analisar o trabalho desenvolvido por professoras do Ensino Médio no contexto de uma escola pública. Mediante utilização de entrevista semiestruturada e observação de aulas, são descritos e analisados o tempo e espaço destinados ao planejamento docente. Foi possível evidenciar que o tempo destinado para planejamento é insuficiente, se considerarmos a diversidade de situações, de alunos e de turmas que as professoras atendem, e que elas não contam, na escola, com um ambiente que ofereça recursos e espaços adequados para tanto. Assim, essa ação costuma ser realizada na residência das professoras, ocupando parte considerável de seu período de descanso. Isso não parece ser registrado, nem considerado, nem contabilizado formalmente como trabalho. Portanto, o rótulo “horas de planejamento” acaba ocultando a variedade e a complexidade de ações que compõem o planejamento docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Wanderson Ferreira. A invisibilidade do Trabalho Real: O Trabalho Docente e as contribuições da Ergonomia da Atividade. Florianópolis, UFSC: 37ª Reunião Nacional da ANPEd. 04 a 08 de outubro de 2015.

ALVES, Wanderson Ferreira; FUSARI, José Cerchi. A Formação Contínua e a Batalha do Trabalho Real: Um estudo a partir dos professores da Escola Pública de Ensino Médio. Trabalho & Educação – vol.18, nº 2 – mai./ago. de 2009.

AMIGUES, RENÉ. Trabalho do professor e trabalho de ensino. In: MACHADO, Anna Raquel (org). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel. Cap.2, p.35-53, 2004. ISBN 857216423-5.

CANÁRIO. Rui. A escola tem futuro? Das promessas às incertezas. Porto Alegre. Artmed Editora SA, 2006.

CHARMAZ, Kathy. A construção da teoria fundamentada: guia prático para análise qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

CEMED. Entrevista. Lajeado do Bugre (Rio Grande do Sul), 04 de fevereiro de 2019.

BRASIL. Estado do Rio Grande do Sul. Decreto n.º 49.448, de 8 de agosto de 2012. Regulamenta o regime de trabalho e as jornadas de trabalho dos profissionais do Magistério Público Estadual, conforme previsão dos arts. 116, 117, 118 e 119 da Lei nº 6.672, de 22 de abril de 1974, Estatuto e Plano de Carreira do Magistério Público do Rio Grande do Sul. disponível em: http://www.al.rs.gov.br/filerepository/repLegis/arquivos/DEC%2049.448.pdf. Acesso em: 24 de abril de 2019.

BRASIL. Estado do Rio Grande do Sul. Lei nº 6.672, de 22 de abril de 1974. Dispõe sobre o Estatuto e Plano de Carreira do Magistério Público do Rio Grande do Sul. Disponível em:
GEMED. Entrevista. Lajeado do Bugre (Rio Grande do Sul), 31 de Janeiro de 2019.

GUÉRIN, François. LAVILLE, A. DANIELLOU, F. DURAFFOURG, J. KERGUELEN, A. Compreender o trabalho para transformá-lo: a prática da ergonomia. São Paulo, Edgard Blucher, 2001.

LEPLAT, Jacques. Aspectos da complexidade em ergonomia. In Daniellou, F. A Ergonomia em busca de seus princípios. São Paulo: Edit Blucher, 2004. p. 57-78

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n o. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: . Acesso em: 06 de novembro 2018.

SEMED. Entrevista. Lajeado do Bugre (Rio Grande do Sul), 04 de fevereiro de 2019.

TEMED. Entrevista. Lajeado do Bugre (Rio Grande do Sul), 31 de Janeiro de 2019.

TARDIF, Maurice. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 9. Ed. Petrópolis, RJ: vozes, 2012.
Publicado
27-02-2020
Como Citar
De Castro Bueno, L., & Bagolin Zambom, L. (2020). Organização e realização do trabalho docente. Revista Educação Em Questão, 58(55). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2020v58n55ID18822
Seção
Artigos