O Pandemônio de 1918

Testemunho de um médico para a posteridade

  • André Luiz Venâncio Junior Universidade do Estado do Rio de Janeiro/ Estudante de Doutorado
  • Ana Chrystina Venancio Mignot
Palavras-chave: Moncorvo Filho. Gripe espanhola. Pandemia. Testemunho.

Resumo

Problematizar como o médico Moncorvo Filho narra a pandemia da gripe espanhola, em O Pandemônio de 1918, além de interpretar como ele estava inserido num movimento comprometido em pensar o exercício da medicina articulado a preceitos pedagógicos de higiene, constituem o horizonte deste texto. Na interpretação da atuação do médico, nos orientamos pela perspectiva de intelectual de Sirinelli (2003). Nos detivemos na rede de sociabilidade de Moncorvo Fillho, no seu engajamento político na saúde e no modo como sua geração enfrentou aquela pandemia. Concluímos que Moncorvo Filho, com a publicação do livro, em 1924 – no qual denunciou os problemas sociais e a falta de condições sanitárias que dificultaram a ação naquele momento – pretendia deixar registrado o testemunho de um médico que viveu aquela que até então era a maior epidemia da história, a partir de uma concepção intervencionista que se traduzia em práticas voltadas para impedir a disseminação da doença.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BERTUCCI-MARTINS, Liane Maria.“Conselhos ao povo: educação contra a influenza de 1918”. Caderno CEDES, Campinas, v. 23, n. 59, p. 103-118,2003. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32622003000100008. Acesso em: 3 jun. 2020.

BONATO, Nailda Marinho da Costa. “Infância (des) protegida na voz de um higienista: o papel das visitadoras sociais (1922-1931)” In: CAMARA, Sonia (org.). Pesquisa(s) em história da educação e da infância. Rio de Janeiro: Quartet, 2014.

CAMARA, Sonia. “Por uma ação preventiva da infância: as Conferências de Higiene Infantil do Instituto de Proteção e Assistência à Infância do Rio de Janeiro (1901 a 1907)”. SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 27, 2013. Natal. Anais [...]. Natal: ANPUH/Universidade do Rio Grande do Norte, 2013. 1 CD-ROM.

CAMARA, Sonia. “A arte de educar e prevenir crianças: as Conferências de Higiene Infantil do Instituto de Proteção e Assistência à Infância do Rio de Janeiro (1901-1907)”. In: CAMARA, Sonia (org.). Pesquisa (s) em história da educação e da infância. Rio de Janeiro: Quartet, 2014.

FREIRE, Maria Martha de Luna; LEONY. Vinícius da Silva. “A caridade científica: Moncorvo Filho e o Instituto de Proteção e Assistência à Infância do Rio de Janeiro (1899-1930)”. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 18, p. 199-225, dez, 2011. (edição suplementar). Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010459702011000500011. Acesso em: 8 jun. 2020.

GOLINELLI, Juliane Rembis Costa. “A Cruzada pela infância” – O Instituto de Proteção e Assistência à infância do Rio de Janeiro. Educere-Formação de professores: contextos, sentidos e práticas. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE REPRESENTAÇÕES SOCIAIS, SUBJETIVIDADE E EDUCAÇÃO, 4, 2017. Curitiba, 2017.

GOULART, Adriana da Costa. Revisiting the Spanish flu: the 1918 influenza pandemic. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 1-41, jan./abr. 2005.

MONCORVO FILHO, Carlos Arthur. O Pandemônio de 1918. Subsídio ao histórico da epidemia de gripe que em 1918 assolou o território do Brasil. Rio de Janeiro: Departamento da Criança no Brasil, 1924.

SANGLARD, Gisele. GIL, Caroline Amorim. “Assistência à infância- filantropia e combate à mortalidade no Rio de Janeiro (1889-1929). Revista da ABPN, v. 6, n. 14, p. 63-90, jul./out. 2014.

SIRINELLI, Jean-François. "Os intelectuais" In REMOND, René. Por uma história política. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

OLIVEIRA, Lúcia Lippi. A questão nacional na Primeira República. São Paulo: Editora Brasiliense, 1990.

Publicado
16-10-2020
Como Citar
Venâncio Junior, A. L., & Venancio Mignot, A. C. (2020). O Pandemônio de 1918. Revista Educação Em Questão, 58(58). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2020v58n58ID21540
Seção
Artigos