A educação de surdos no Brasil no século XIX e o legado de países europeus

Palavras-chave: Educação de surdos. Surdo. História da educação. Império no Brasil.

Resumo

A educação de surdos teve início em muitos países a partir do século XIX por meio da influência do Instituto Nacional de Surdos de Paris, fundado no século XVIII. Foi o caso do Brasil com a fundação do Imperial Instituto dos Surdos-Mudos, em 1857, no Rio de Janeiro. Outro país que inaugurou este tipo de educação no mesmo século foi Portugal, porém com outra linhagem, a sueca. Assim sendo, este estudo objetiva destacar as possíveis influências que o Imperial Instituto dos Surdos-Mudos do Brasil recebeu do Instituto Nacional de Surdos de Paris e do Real Instituto de Surdos-Mudos e Cegos de Lisboa, em relação à proposta pedagógica e trabalho de reabilitação. A pesquisa possui uma abordagem qualitativa e é do tipo documental e bibliográfica. O estudo possibilitou compreender que o Instituto brasileiro assimilou vários aspectos do legado europeu, entre eles elementos do currículo e formação profissional para os alunos surdos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Vaz de Carvalho, Universidade Católica Portuguesa

Paulo Vaz de Carvalho, Doutor em Ciências da Saúde- Linguística da Língua Gestual Portuguesa, Mestre em Ciências da Educação e Licenciado em História com especialização em Educação de Crianças e Jovens Surdos. Investigador integrado no Centro de Investigação Interdisciplinar em Saúde da Universidade Católica Portuguesa e Professor Adjunto Convidado da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal. Coordenador de diversos projetos de âmbito nacional e internacional. Autor de diversos livros e artigos.

Orquídea Coelho

Orquídea Coelho, Mestre e Doutora em Ciências da Educação, Professora Associada da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto (FPCEUP), Investigadora sénior/principal do Centro de Investigação e Intervenção Educativas (CIIE). Coordenadora da DeafCoPIn- Deaf Studies. Coordenadora de equipas portuguesas em diversos projetos Internacionais. Membro da Comissão de Ética da Universidade do Porto (CEUP). Desenvolve a sua actividade de investigação, docência e orientação de trabalhos académicos (Mestrados, Doutoramentos, Doutoramentos Sanduíche, e Pós-Doutoramentos), no âmbito dos Estudos Surdos e da Educação de Surdos, áreas nas quais conta com diversos trabalhos publicados e comunicações apresentadas, em Portugal e no estrangeiro.

Referências

ALMANAK Laemmert (1844-1889). In: Center for Research Libraries. Global Resources Network. Disponível em: <http://www-apps.crl.edu/brazil/almanak>. Acesso em: 17 jun. 2018.

ALMANAK DO AMIGO DOS SURDOS-MUDOS. Rio de Janeiro: Typographia de Pinheiro e & C., 1888.

ALVES, Maria do Céu Garcia dos Reis Loureiro. Educação Especial e modernização escolar: Estudo histórico-pedagógico da educação de surdos-mudos e de cegos. 2012, 491f. (Tese de Doutorado). Instituto de Educação, Universidade de Lisboa.

ARANHA, Maria Lucia de Arruda. História da educação. São Paulo: Editora Moderna, 1996.

BENVENUTO, Andrea; SÉGUILLON, Didier. Primeiros banquetes dos surdos-mudos no surgimento do esporte silencioso 1834-1924: por uma história política das mobilizações coletivas dos surdos. Revista Moara, n. 45; p. 60-78, jan/ jun 2016.

BERTHIER, Ferdinand. O Abade Sicard: Célebre professor de surdos mudos sucessor imediato do Abade de L’Épée. In: CARVALHO, Paulo Vaz de. A Herança do Abade de L’Épée na Viragem do século XVIII para o século XIX. Lisboa: The Factory, 2013, p. 29-102.

BRASIL. [Constituição (1824)]. Constituição Política do Império do Brasil: elaborada por um Conselho de Estado e outorgada pelo Imperador D. Pedro I, em 25.03.1824. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao24.htm Acesso em: 15 jun.2020.

BRASIL. Decreto nº 1.331-a, de 17 de fevereiro de 1854: Approva o Regulamento para a reforma do ensino primario e secundario do Municipio da Côrte. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-1331-a-17-fevereiro-1854-590146-publicacaooriginal-115292-pe.html Acesso em: 15 de jun.2020.

BORG. Per Aron. Projecto para o Regulamento do Real Instituto dos Surdos-Mudos e Cegos em Portugal. Lisboa, 1824.

CARVALHO, Paulo Vaz de. História dos Surdos I: No Mundo e em Portugal. Lisboa: Universidade Católica Editora, 2007.

CARVALHO, Paulo Vaz de. História da Educação dos Surdos II. Lisboa: Universidade Católica Editora, 2011.

CARVALHO, Paulo Vaz de. A Herança do Abade de L’Épée na Viragem do século XVIII para o século XIX. Lisboa: The Factory, 2013.

CARVALHO, Paulo Vaz de. História da Educação de Surdos: O que dizem as fontes documentais. Medi@ções. Revista Online da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal. v.07, n. 1, p. 101-110, 2019.

COELHO, Orquídea; CABRAL, Eduardo; GOMES, Maria do Céu. Formação de Surdos: Ao Encontro da Legitimidade Perdida. Educação, Sociedade & Culturas, v. 22, p. 153-181,2004.

CUNHA, José Crispim da. Historia do Instituto dos Surdos-Mudos e Cegos de Lisboa desde a sua fundação até a sua incorporação na Casa Pia. Lisboa: Typographia de Filippe Nery, 1835.

DETIENNE, Marcel. Comparar o incomparável. São Paulo: Ideias e Letras, 2004.

DEUTOUR, Félix. L'institution Nationale Des Sourds-Muets De Paris. Revue des Deux Mondes Paris. Tome 111, p. 174-207, mai/juin,1892.

DU CAMP, Maxime. L’Enseignement exceptionnel à Paris. Revue des Deux Mondes, Bureau de la Revue des Deux Mondes. Tome 104, p. 555-577, jan/fév, 1873.

FONSECA, Maria Rachel Fróes da. Dicionário Histórico-Biográfico das Ciências da Saúde no Brasil (1832-1930). Disponível em: http://www.dichistoriasaude.coc.fiocruz.br/iah/pt/verbetes/collnacsur#topo Acesso em: 01 jun. 2020.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

GONDRA, José. Artes de civilizar. Medicina, higiene e educação na corte imperial. Rio de Janeiro: EDuERJ, 2004.

IBGE, Recenseamento do Brazil em 1872, Rio de Janeiro: Typographia G. Leuzinger, s.d. [prov. 1875].

LEITE, Tobias Rabello. Instituto dos Surdos-Mudos: Relatório do Diretor. Apresentado em março de 1869. Rio de Janeiro: Typografia Nacional, 1868.

LEITE, Tobias Rabello. Instituto dos Surdos-Mudos: Relatório do Diretor. Apresentado em março de 1870. Rio de Janeiro: Typografia Nacional, 1870.

LEITE, Tobias Rabello. Instituto dos Surdos-Mudos: Relatório do Diretor. Apresentado em 26 de fevereiro de 1872. Rio de Janeiro: Typografia Nacional, 1872.

LEITE, Tobias Rabello. Instituto dos Surdos-Mudos: Relatório do Diretor. Apresentado em 31 de março de 1874. Rio de Janeiro: Typografia Nacional, 1874.

MARSON, Adalberto. Reflexões sobre o procedimento histórico. In: SILVA, Marco Antônio da (Org.). Repensando a história. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1984.

MARTINEZ, Alessandra Frota. EDUCAR E INSTRUIR: A INSTRUÇÃO POPULAR NA CORTE IMPERIAL –1870 a 1889. 1997. 300f. Dissertação (Mestrado em História) - Programa de Mestrado e Doutorado da Universidade Federal Fluminense, Niterói,1997.

MARTINS, Ernesto Candeias. Educação (especial), métodos de ensino e instituições destinadas à surdez em Portugal: visão sociohistórica no séc. XIX e inícios do XX. Revista Temas em Educação, v. 29, n. 2, p.96-118, mai/ago, 2020.

OLIVEIRA, João Alfredo Correa de. Relatorio Apresentado a Assembléa Geral. Rio de Janeiro: Typographia Universal, 1872.

RIBEIRO, Maximina Maria Girão da Cunha. Resgatados do Silêncio - Surdez e Pedagogia: o Instituto Araújo Porto (1893-1945). Lisboa: Almedina, 2018.

ROCHA, Solange. O INES e a educação de surdos no Brasil: aspectos da trajetória do Instituto Nacional de Educação de Surdos em seu percurso de 150 anos. Rio de Janeiro: INES, 2007.

SAVIANI, Dermeval. O legado educacional do “breve” século XIX brasileiro In: SAVIANI, Dermeval; ALMEIDA, Jane Soares de; SOUZA, Rosa Fátima de; VALDEMARIN, Vera Teresa. O legado educacional do século XIX. Campinas, SP: Autores Associados, 2014.

SÉGUILLON, Didier. A corps et à cri. Editions EPS, n. 252, p.32-34, mar/avr, 1995.

SCHUELER, Alessandra Frota Martinez de. Crianças e escolas na passagem do Império para a República. Revista Brasileira de História. São Paulo, vol.19, n.37, set.1999.

SILVA, Indiana Azeredo; CASTANHA, André Paulo. Educação dos surdos no Brasil entre 1856 e 1911. Revista Faz Ciência, Cascavel (PR), v. 17, n. 26, p.169-186, jul/dez, 2015.

SOFIATO Cássia Geciauskas. A educação de surdos no século XIX: currículo prescrito e modelo de educação. Cadernos de Pesquisa., São Luís, v. 25, n. 2, abr./jun. 2018.

SOUZA, Verônica dos Reis Mariano. A Educação dos Surdos no Século XIX. Revista Tempos e Espaços em Educação, Sergipe, v. 1, p. 49-56, jul/dez, 2008.

VIRENQUE, Hélène. La communauté sourde en France au XIXe siècle : entre langue des signes et oralisme. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/blog/23092017/la-communaute-sourde-en-france-au-xixe-siecle-entre-langue-des-signes-et-oralisme?mode=desktop Acesso em: 12 out.2020.

Publicado
09-02-2021
Como Citar
Geciauskas Sofiato, C., Vaz de Carvalho, P., & Coelho, O. (2021). A educação de surdos no Brasil no século XIX e o legado de países europeus. Revista Educação Em Questão, 59(59). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2021v59n59ID23212
Seção
Artigos