O movimento estudantil e as possibilidades de “subversão da práxis”

Palavras-chave: Movimento Estudantil, Subversão da Práxis, Participação Política, Luta de classes.

Resumo

Derivado de pesquisa mais ampla, o presente texto tem por objetivo apontar as contribuições do movimento estudantil para a “subversão da práxis”. As reflexões propostas são de cunho teórico, realizadas a partir de pesquisa bibliográfica e sob a luz do Materialismo Histórico e Dialético. Os escritos de Gramsci (2014), Lenin (2015) e Mandel (1979) dão luz ao debate proposto. Para tanto, o texto tece considerações teóricas sobre a “subversão da práxis” situando-a na luta de classes; abre um debate sobre o conjunto de elementos que auxiliam na definição de movimento estudantil e debate as suas contribuições para a “subversão da práxis”. Ao final é destacado que a participação de jovens no movimento estudantil colabora na formação de sujeitos políticos, pois propicia experiências junto à realidade social, política e econômica, essenciais para instauração de um modo de vida que supere a desigualdade e se assente na igualdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aldimara Catarina Brito Delabona Boutin, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Doutora egressa do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Ponta Grossa. É integrante do Grupo de Pesquisa Capital, Trabalho, Estado, Educação e Políticas Educacionais – GPCATE – UEPG.

Simone de Fátima Flach, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Profª Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Ponta Grossa. É Pesquisadora integrante do Grupo de Pesquisa Capital, Trabalho, Estado, Educação e Políticas Educacionais – GPCATE – UEPG.

Referências

ARAÚJO, Maria Paula. Memórias estudantis, 1937-2007: da fundação da UNE aos nossos dias. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2007.

ARROYO, Miguel González. Pedagogia em movimento: o que temos a aprender com os movimentos sociais? Currículo sem Fronteiras. v. 3, n.1, p. 28-49, jan./jun. 2003.

BITTAR, Marisa; BITTAR, Mariluce. Os movimentos estudantis na história da educação e a luta pela democratização da universidade brasileira. Eccos revista científica, São Paulo, n. 34, p. 143-159, mai./jul. 2014.

BRINGEL, Breno. Ciclo de protestos e lutas estudantis no Brasil. Perspectiva histórica, Salvador, n.02 p. 29-44, jan./jun. 2012.

BRINGEL, Breno. O futuro anterior: continuidades e rupturas do movimento estudantil no Brasil. Eccos Revista científica, São Paulo, v. 11, n. 01, p. 97-121, jan./jun. 2009.

CALDART, Roseli Salete. Pedagogia do movimento sem-terra: escola é mais escola. Petrópolis: Vozes, 2000.

FÁVERO, Maria de Lourdes. A UNE em tempos de autoritarismo. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1995.

FERRARO, Karina Perin. Movimento estudantil, gestão democrática e autonomia na universidade. 2011, 211 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista, Marília, 2011.

GOHN, Maria da Glória. Teorias dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. São Paulo: Edições Loyola, 2008.

GOHN, Maria da Glória. Educação não formal e cultura política: impactos sobre o associativismo do terceiro setor. São Paulo: Cortez, 2005.

GRAMSCI, Antonio. Concepção da dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

GRAMSCI, Antonio. Odeio os indiferentes: escritos de 1917. São Paulo: Boitempo, 2020.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere, vol. I: introdução ao estudo da filosofia, a filosofia de Benedetto Croce. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

GRAMSCI, Antonio. Escritos políticos, vol. I. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

LENIN, Vladimir Ilich. As tarefas revolucionárias da juventude. São Paulo: Expressão popular, 2015.

MANDEL, Ernest. Os estudantes, os intelectuais e a luta de classes. Lisboa: Antídoto, 1979.

MARX, Karl. O capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

MESQUITA, Marcos Ribeiro. Movimento estudantil brasileiro: práticas militantes na ótica dos novos movimentos sociais. Revista Crítica de Ciências Sociais. v.66, p. 117-149, out. 2003.

MOVIMENTO. Revista da União Nacional dos Estudantes. São Paulo, jun., 2001.

NOGUEIRA, Marco Aurélio. Um estado para a sociedade civil: temas éticos e políticos da gestão democrática. São Paulo: Cortez, 2011.

POCHMANN, Marcio. Juventude em busca de novos caminhos no Brasil. In: NOVAES, Regina; VANNUCHI, Paulo (orgs.). Juventude e sociedade: trabalho, educação, cultura e participação. São Paulo: Editora Perseu Abramo, 2004. p. 217-241.

POERNER, Arthur José. O poder jovem: história da participação política dos estudantes brasileiros. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

VÁZQUEZ. Adolfo Sánchez. Filosofia da práxis. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

SANFELICE, José Luiz. Breves reflexões sobre juventude, educação e globalização. In: MACHADO, Otávio Luiz (org.). Juventudes, democracia, direitos humanos e cidadania. Frutal: Prospectiva, 2013, p. 67-68.

SANFELICE, José Luiz. Movimento estudantil: a UNE na resistência ao golpe de 64. São Paulo: alínea, 2008.

SCHLESENER, Anita Helena. Grilhões invisíveis: as dimensões da ideologia, as condições de subalternidade e a educação em Gramsci. Ponta Grossa: UEPG.2016.

SIMÃO, Caio Ragazzi Pauli. O movimento estudantil na produção acadêmica no campo da educação: uma lacuna a ser preenchida?. 2015, 166f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

Publicado
09-11-2021
Como Citar
Brito Delabona Boutin, A. C., & Flach, S. de F. (2021). O movimento estudantil e as possibilidades de “subversão da práxis”. Revista Educação Em Questão, 59(61). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2021v59n61ID25172
Seção
Artigos