“Oi?” What?

  • Maria Cecilia Mollica
  • Rodrigo Alípio
  • Thaís Lofeudo
Palavras-chave: operador conversacional, quebra de face, sociolinguística interacional.

Resumo

Neste artigo, atestamos que a micro análise, voltada para a investigação dos enquadres conversacionais diferentes, sob uma perspectiva qualitativa, com base em postulados da  Sociolinguística Interacional, mostra-se suporte teórico metodológico adequado e instrumento poderoso para analisar os operadores discursivos e suas funções. Focalizamos o vocativo ´oi´ que, hodiernamente,
sofreu processo de gramaticalização e é usado discursivamente como estratégia de processamento e/ou de conotação negativa no jogo da coversa. Nós nos baseamos nos estudos de Brown e Levinson (1987), que retomam e ampliam a conceituação de face proposta por Goffman (1970), com o objetivo de
analisar o emprego da forma “Oi” como operador discursivo, recente e usual no Português do Brasil. Para tanto buscamos ocorrências desse operador nas mais diversas amostras de dados disponíveis virtualmente, como NURC-RJ,
Banco de Dados Interacionais do PEUL. Foi necessário ampliar nossa busca também a dados dispersos, encontrados na new media. Os dados revelam que a forma introduz quebra de face tão marcada, que já se pode até evidenciar o operador registrado em charges de jornal de grande circulação.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
15-03-2016
Como Citar
MOLLICA, M. C.; ALÍPIO, R.; LOFEUDO, T. “Oi?” What?. Revista do GELNE, v. 14, n. 1/2, p. 301-327, 15 mar. 2016.
Seção
Artigos