Anúncios

Informamos à comunidade acadêmica o período de recebimento de textos para o próximo número da Revista do GELNE:

  1. i) Submissões de artigos para o n. 1, v. 25, jan-jun/2023: 03/10/2022 a 15/01/2023
  2. ii) Submissões de artigos para o dossiê “Linguagens do cômico e práticas discursivas do humor”: 16/01 a 31/03/2023.

 

Dossiê: Linguagens do cômico e práticas discursivas do humor

 

Organizadores

Cellina Rodrigues Muniz (UFRN)

Maria da Penha Casado Alves (UFRN)

Sírio Possenti (UNICAMP)

Christian Palacios (Universidad de Buenos Aires)

 

Ementa: O humor não é só uma condição que atravessa todas as culturas e épocas, é também objeto de reflexão e análise em diferentes áreas do saber (história, psicanálise, antropologia, filosofia etc.). Inúmeros estudiosos e obras já mostraram a importância do humor, da comicidade e do riso não só para entretenimento e deleite pessoal, mas também para o conhecimento humano, de Platão a Propp, de Bakhtin a Bergson, de Hobbes a Freud, de Skinner a Raskin. Não seria de se estranhar, então, que as ciências da linguagem (linguística teórica e aplicada, filosofia da linguagem, crítica literária etc.) também se dedicassem ao humor e ao amplo espectro implicado nas práticas discursivas que ele suscita: manifestações midiáticas, gêneros textuais, recursos verbovocovisuais e procedimentos linguageiros em geral. As muitas publicações na área e a realização de diversos eventos acadêmicos comprovam como o humor já se consagrou como tema de pesquisa.

 

A proposta deste dossiê temático, portanto, visa reunir artigos que, preferencialmente no bojo das teorias do discurso, deem conta de um panorama dos estudos direcionados para diferentes aspectos atrelados às práticas ligadas ao cômico e ao humor em suas condições enunciativas, como especificidades do campo social, relações de poder e embates entre posicionamentos ideológicos, subjetividades e autorias, gêneros textuais e estratégias discursivas, dentre outros.

 

Assim, o objetivo final do Dossiê é demonstrar que, dos clássicos Aristófanes ou Rabelais aos stand-ups e memes da contemporaneidade digital, os efeitos que visam ao riso passam, necessariamente, pela linguagem.