CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE INSEGURANÇA ALIMENTAR EM IDOSOS USUÁRIOS DO RESTAURANTE POPULAR DE UM MUNICÍPIO DO NORDESTE BRASILEIRO

  • Amoysa Araújo Ribeiro Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Maria Tereza Gouveia Pessoa Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Samara Maria Urbano Azevedo Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Vanessa Teixeira Lima Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Adriana Lúcia Meireles Universidade Federal de Ouro Preto
Palavras-chave: Idosos, Doenças crônicas, Antropometria, Segurança alimentar, Políticas públicas,

Resumo


Introdução: O próprio processo de envelhecimento pode afetar a sua saúde dos idosos, e ainda aumentar a os casos de distúrbios nutricionais. Sendo a condição de Insegurança Alimentar (IA) instalada, é um possível desencadeador destes distúrbios. Objetivo: O estudo objetivou caracterizar o perfil socioeconômico, estado nutricional e a prevalência de insegurança alimentar em idosos (n=62) usuários do Restaurante Popular do Município de Santa Cruz-RN. Métodos: Os entrevistados responderam um questionário estruturado abordando características socioeconômicas, perfil clínico, e Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (EBIA), ainda realizou-se a antropometria (peso, altura, IMC e CA) com o grupo. Resultados: Obeservou-se uma prevalência, do sexo masculino, com faixa etária entre 65 a 75 anos, casados, com renda mensal maior que um salário mínimo. Foi visto que a maioria dos idosos apresentou hipertensão arterial, sendo observada a predominância de excesso de peso e risco muito elevado para doenças crônicas, em ambos os sexos. Houve uma incidência da condição de IA em 42,0% da amostra, variando nos níveis de leve, moderado e grave (27%, 13% e 2% respectivamente). Conclusão: Verificou-se que aproximadamente metade dos idosos possuía a situação de IA instalada, e incidência de doenças crônicas não transmissíveis, o que pode comprometer a saúde e qualidade de vida dos mesmos.  Por isso é válido reforçar importância de intervenções nutricionais como uma forma de melhorar a qualidade de vida da população idosa.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

  • Bueno JM, Martino HSD, Fernandes MFS, Costa LS, Silva, RR . Avaliação nutricional e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos pertencentes a um programa assistencial. Ciên Saúde Col. 2008; 13(4): 1237-46. Disponível em: < http://www.redalyc.org/pdf/630/63013420.pdf>.

  • Malta DC, Cezário AC, Moura L, Morais Neto OLM, Silva Júnior JB. A construção da vigilância e prevenção das doenças crônicas não transmissíveis no contexto do Sistema Único de Saúde. Epidemiol. Serv. Saúde, 2006; 2(3): 47-65. Disponível em: < http://scielo.iec.pa.gov.br/pdf/ess/v15n3/v15n3a06.pdf>.

  • Carvalho FET, Papaléo NM. Geriatria: fundamentos, clínica e terapêutica. 2ª.ed. São Paulo: Atheneu; 2006.

  • Miller CL, Bangsberg DR, Tuller DM.; Senkungu J, Kawuma A, Frongillo EA, Weiser SD. Food Insecurity and Sexual Risk in an HIV Endemic Community in Uganda. Aids and Behavior. 2011; 15(7):1512 19. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3110536/>.


  • Lipschitz DA. Screening for nutritional status in the elderly. Primary Care. 1994; 21(1):55-67.

  • Martins IFB. A qualidade da alimentação do idosos: uma analise da ingestão

  • alimentar dos frequentadores do restaurante popular de Londrina. . 2014. 48p.

  • Monografia (Graduação em tecnologia dos Alimentos) – Universidade Tecnológica

  • Panigassi G, Segall-Corrêa AM, Marin-León L, Pérez-Escamilla R, Sampaio MFA, Maranha LK. Insegurança alimentar como indicador de iniquidade: análise de inquérito populacional. Cad Saúde Públ. 2008; 24:2376-84. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/csp/v24n10/18.pdf>.

  • Vianna RPT, Segall-Correa AM. Insegurança alimentar das famílias residentes em municípios do interior do estado da Paraíba, Brasil. Rev Nutr Camp. 2008; 21: 111-22. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rn/v21s0/10.pdf>.

  • Vilarta R. Alimentação Saudável, Atividade Física e Qualidade de Vida. Campinas: IPES Editorial. 2007; 1-229.

  • Sartorelli DS, Franco LJ, Cardoso MA. Intervenção nutricional e prevenção primária do diabetes mellitus tipo 2: uma revisão sistemática. Cad Saúde Públ. 2006; 22(1): 7-18. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/csp/v22n1/02.pdf>.

  • Francisco PMSB, Belon AP, Barros MBA, Carandina L, Alves MCGP, Goldbaum M, et al. Diabetes auto-referido em idosos: prevalência, fatores associados e práticas de controle. Cad Saúde Públ. 2010; 26(1): 175-84. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csp/v26n1/18.pdf>.

  • Rezende FAC, Rosado LEFPL, Ribeiro RCL, Vidigal FC, Vasques ACJ, Bonard IS, et al. Índice de Massa Corporal e Circunferência Abdominal: Associação com Fatores de Risco Cardiovascular. Arq Bras Card. 2006; 87(6): 728-34. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/abc/v87n6/08.pdf>.

  • Souza BFNJ, Marín-León L. Food insecurity among the elderly: Cross-sectional study with soup kitchen users. Rev Nutr Camp. 2013; 26(6): 679-91. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rn/v26n6/07.pdf>.

  • Marín-Léon L, Segal-Corrêa AM, Panigassi G, Maranha LK, Sampaio MFA, Pérez-Escamilla R. A percepção de insegurança alimentar em famílias com idosos em Campinas. Cad Saúde Públ. 2005; 21(5):1433-40. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/csp/v21n5/16.pdf>.

Publicado
14-04-2017
Como Citar
RIBEIRO, A. A.; PESSOA, M. T. G.; AZEVEDO, S. M. U.; OLIVEIRA, V. T. L.; MEIRELES, A. L. CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE INSEGURANÇA ALIMENTAR EM IDOSOS USUÁRIOS DO RESTAURANTE POPULAR DE UM MUNICÍPIO DO NORDESTE BRASILEIRO. Revista Ciência Plural, v. 2, n. 3, p. 59-71, 14 abr. 2017.
Seção
Artigos