A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO CONTEXTO DE UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

PERCEPÇÕES DOCENTES A PARTIR DE UM CURSO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1984-3879.2024v24n1ID32173

Palavras-chave:

educação inclusiva, inclusão escolar, educação especial, formação de professores, extensão universitária

Resumo

Este trabalho verificou a percepção de docentes atuantes em escolas públicas municipais de um município do interior do Estado de São Paulo/Brasil, em relação à temática da Educação Especial e da educação inclusiva. Mediante a análise do corpus foi possível compreender as potencialidades e possíveis reflexos decorrentes da formação contínua e continuada, consolidadas por meio de um curso de extensão ofertado por uma universidade federal. A investigação adotou pressupostos de metodologia mista, desenvolvida de forma exploratória, descritiva e analítica.  A constituição do corpus inicial de análise se deu por meio do delineamento das respostas de um questionário aberto, ora direcionado aos alunos do curso de formação mencionado na introdução deste trabalho. Após a constituição dos dados do corpus, tais elementos foram analisados mediante critérios qualitativos da Análise Textual Discursiva e métodos e técnicas de Análise Estatística Textual, por meio da Classificação Hierárquica Descendente e de elementos estatísticos. Os resultados apontam que o curso mencionado promoveu, majoritariamente, uma boa compreensão/percepção cursistas, em relação a temas relacionados à educação inclusiva, evidenciando contribuições relevantes para a inclusão escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Decreto Nº 10.502, de 30 de setembro de 2020. Institui a Política Nacional de Educação Especial: Equitativa, Inclusiva e com Aprendizado ao Longo da Vida. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, 2020. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2020/decreto/D10502.htm. Acesso em: 10 mai. 2022.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 24 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 20 abr. 2022.

BRASIL. Lei Nº. 13.146/2015. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em 03 jun. 2022.

BUENO, José Geraldo Silveira. Educação especial brasileira: questões conceituais e de atualidade. EDUC-Editora da PUC-SP, 2014.

CAMARGO, Eder Pires de. Inclusão social, educação inclusiva e educação especial: enlaces e desenlaces. Ciência & Educação (Bauru), v. 23, p. 1-6, 2017.

CARVALHO, Rosita Edler. Educação inclusiva com os pingos nos “is”. 2004.

CRESWELL, John W.; CLARK, Vicki L. Plano. Pesquisa de Métodos Mistos-: Série Métodos de Pesquisa. Penso Editora, 2013.

DANCEY, Christine; REIDY, John. Estatística Sem Matemática para Psicologia-7. Penso Editora, 2019.

FIELD, Andy. Descobrindo a estatística usando o SPSS-5. Penso Editora, 2009.

GARCIA, Rosalba Maria Cardoso. Políticas para a educação especial e as formas organizativas do trabalho pedagógico. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 12, p. 299-316, 2006.

GARCIA, Rosalba Maria Cardoso; MICHELS, Maria Helena. A política de educação especial no Brasil (1991-2011): uma análise da produção do GT15-educação especial da ANPED. Revista brasileira de educação especial, v. 17, p. 105-124, 2011.

GREGUOL, Márcia; GOBBI, Erica; CARRARO, Attilio. Formação de professores para a educação especial: uma discussão sobre os modelos brasileiro e italiano. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 19, p. 307-324, 2013.

IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança ea incerteza. Cortez, 2011.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Inclusão escolar: o que é? por quê? como fazer? Editora Moderna, 2003.

MITTLER, Penny; MITTLER, Peter. Rumo à inclusão. Pro-posições, v. 12, n. 2-3, p. 60-74, 2001.

MITTLER, Peter. Educação inclusiva: contextos sociais. Artmed, 2003.

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise Textual Discursiva. Editora Unijuí, 2016.

MORAES, Roque. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação (Bauru), v. 9, p. 191-211, 2003.

MORETTIN, Pedro Alberto; BUSSAB, Wilton Oliveira. Estatística básica. Saraiva Educação SA, 2010.

NÓVOA, António. Formação de professores e profissão docente. Editora Dom Quixote,1991.

RAMOS, Maurivan Güntzel; LIMA, Valderez Marina Rosário; ROSA, Marcelo Prado Amaral. Contribuições do software IRAMUTEQ para a Análise Textual Discursiva. CIAIQ2018, v. 1, 2018.

SARTI, Flávia Medeiros; BUENO, Belmira Oliveira. Ensaio sobre a dimensão ética do ofício de formar novos professores. Intelectuais, conhecimento e espaço público: anais, 2001.

SAVIANI, Dermeval. Formação de professores no Brasil: dilemas e perspectivas. Poíesis Pedagógica, v. 9, n. 1, p. 07-19, 2011.

SEPTIMIO, Carolline; DA CONCEIÇÃO, Leticia Carneiro; DENARDI, Vanessa Goes. Poderes e perigos da Política Nacional de Educação Especial: Equitativa, Inclusiva e com Aprendizado ao longo da vida. Revista de Estudos em Educação e Diversidade-REED, v. 2, n. 3, p. 249-262, 2021.

SILVA, Dirceu da; LOPES, Evandro Luiz; JUNIOR, Sérgio Silva Braga. Pesquisa quantitativa: elementos, paradigmas e definições. Revista de Gestão e Secretariado, v. 5, n. 1, p. 01-18, 2014.

SILVA, Larissa Vendramini Da; BEGO, Amadeu Moura. Levantamento bibliográfico sobre educação especial e ensino de ciências no Brasil. Revista brasileira de educação especial, v. 24, p. 343-358, 2018.

POLVERINI, Maxiwilian Sant'Ana et al. Ensino de Física para pessoas com deficiência visual : análise de trabalhos apresentados em eventos científicos brasileiros entre 2013 e 2017. Revista Iberoamericana de Educación, v. 85, n. 2, p. 998-118, 15 03 2021. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=7895221. Acesso em: 28 ago. 2022.

SOUZA NETO, Osório Augusto de; VERASZTO, Estéfano Vizconde. A atuação do supervisor de ensino da Rede Estadual de Ensino de São Paulo: uma investigação sobre suas limitações para a inclusão de alunos com TEA. Estudos Aplicados em Educação, São Caetano do Sul, v. 4, n. 7, p. 104-115, 06/ 08/ 2019. Disponível em: https://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_estudos_aplicados/article/view/5839/2777. Acesso em: 28 ago. 2022.

SOUZA NETO, Osório Augusto de. Ensino de Ciências da Natureza e Matemática: Perspectivas de inclusão escolar em uma escola do interior paulista. Araras, v. 1, f. 193, 2019 Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências da Natureza e Matemática) - Universidade Federal de São Carlos, Ufscar campus Araras, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/12143/SOUZA_NETO_Os%c3%b3rio_2019.pdf?sequence=4&isAllowed=y. Acesso em: 28 ago. 2022.

SOUZA NETO, Osório Augusto de; VERASZTO, Estéfano Vizconde. PERSPECTIVAS DE INCLUSÃO ESCOLAR EM AULAS DE CIÊNCIAS DA NATUREZA E DA MATEMÁTICA: ESTUDO DE CASO EM ESCOLA DO INTERIOR PAULISTA. 1 ed. Belém-PA: RFB Editora, v. 1, f. 160, 2020. Disponível em https://www.academia.edu/44554815/PERSPECTIVAS_DE_INCLUS%C3%83O_ESCOLAR_EM_AULAS_DE_CI%C3%8ANCIAS_DA_NATUREZA_E_DA_MATEM%C3%81TICA_ESTUDO_DE_CASO_EM_ESCOLA_DO_INTERIOR_PAULISTA?from_sitemaps=true&version=2. Acesso em: 28 ago. 2022.

SPSS, IBM. IBM SPSS statistics for windows. Armonk, New York, USA: IBM SPSS, v. 2, 2013.

STAINBACK, Susan; WILLIAM, Stainback. Inclusão: um guia para educadores. In: Inclusão: um guia para educadores. 1999. p. 451-451.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Editora Vozes Limitada, 2014.

VERASZTO, Estéfano Vizconde et al. Professores em formação em ciências da natureza: um estudo acerca da atuação de cegos congênitos em atividades científicas. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, v. 6, n. 10, p. 69-86, 30 06 2014. Disponível em: https://www.revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/87. Acesso em: 28 ago. 2022.

VERASZTO, Estéfano Vizconde et al. Conceitualização em ciências por cegos congênitos: um estudo com professores e alunos do ensino médio regular. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 17, n. 3, p. 540-563. Disponível em: http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen17/REEC_17_3_2_ex1294.pdf. Acesso em: 28 ago. 2022.

VERASZTO, Estéfano Vizconde et al. Evaluation of concepts regarding the construction of scientific knowledge by the congenitally blind: an approach using the Correspondence Analysis method. Ciênc. educ., Bauru-SP, v. 24, n. 4, p. 837-858, out./dez 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ciedu/a/5zkYtnzSyL7SXxRpdQCVWWB/abstract/?lang=en. Acesso em: 28 ago. 2022.

VERASZTO, Estéfano Vizconde et al. Tecnologia: Buscando uma definição para o conceito. Prisma.com, v. 8, p. 19-46, 05 04 2009. Disponível em: https://ojs.letras.up.pt/index.php/prismacom/article/view/2065/1901. Acesso em: 28 ago. 2022.

WACQUANT, Loïc. Que é gueto? Construindo um conceito sociológico. Revista de Sociologia e Política, p. 155-164, 2004.

Downloads

Publicado

16-02-2024

Como Citar

AUGUSTO DE SOUZA NETO, O.; VERASZTO, E. V.; MARIA ESTEVAM MARQUES, L. A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO CONTEXTO DE UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA : PERCEPÇÕES DOCENTES A PARTIR DE UM CURSO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Saberes: Revista interdisciplinar de Filosofia e Educação, [S. l.], v. 24, n. 1, p. EE04, 2024. DOI: 10.21680/1984-3879.2024v24n1ID32173. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/saberes/article/view/32173. Acesso em: 22 abr. 2024.