SEQUÊNCIAS DE ENSINO COM ENFOQUE SOCIOCIENTÍFICO NA INTERFACE COM AS CORRENTES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1984-3879.2024v24n1ID34426

Palavras-chave:

Interação social, Questões controversas;, Teoria Pedagógica

Resumo

Objetivou-se analisar sob a perspectiva vygotskyana as macrotendências político-pedagógicas-ideológicas da educação ambiental, identificadas em sequências de ensino constituídas em um curso de formação docente fundamentadas na abordagem de Questões Sociocientíficas (QSC). Ao final da formação solicitou-se a elaboração de sequências de ensino, obtendo-se 21 propostas didáticas que foram analisadas para enquadramento das correntes político-pedagógicas de Educação Ambiental. Verificou-se a predominância do viés pragmática (14 sequências), críticas (4 sequências), conservacionistas (2 sequências), uma não foi possível encontrar elementos suficientes para o enquadramento. Esse resultado decorre do processo de construção da identidade e desenvolvimento sócio-histórico, ao qual os professores foram submetidos ao longo do seu desenvolvimento cognitivo. Por isso recomenda-se, que as formações pedagógicas, que pretendem subsidiar a preparação para o trabalho docente com o uso de QSC, carecem de uma base teórica de vertente crítica, como possibilidade de enfrentamento das ideologias reducionistas, tecnicistas e positivistas desse universo educativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aleson da Silva Fonseca, Doutorando em Educação para a Ciência/Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Atualmente, estou fazendo doutorado em Educação para a Ciência, na Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", trabalhando com uma linha de pesquisa voltada para uma abordagem metodológica das Questões Sociocientíficas no campo de estudo do CTSA. É Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Atuou como professor efetivo de Ciências Biológicas da E.E. do Ensino Fundamental e Médio Professor Francisco Silva do Nascimento, em João Câmara/RN.

Ivaneide Alves Soares da Costa, Docente lotada no Departamento de Microbiologia e Parasitologia/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Possui graduação em Ciências Biológicas Licenciatura, Especialização em Aquicultura e mestrado em Bioecologia Aquática pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte-RN. Possui Doutorado em Ciências pela Universidade Federal de São Carlos-SP e Pós-doutorado pela UFRJ-RJ. Atua como Professora Associada da Universidade Federal do Rio Grande do Norte desde de 2008. Atuou como coordenadora do PIBID Subprojeto Biologia de 2009 a 2018, e atualmente está como coordenadora voluntária. Leciona disciplinas de Instrumentação para o ensino de Ciências e Biologia, Educação ambiental, Alterações ambientais, Microbiologia Geral e ambiental na modalidade presencial e a distância, para a graduação de Biologia e Temas atuais em Ciências da Vida, Conceitos biológicos: dificuldades e estratégias de aprendizagens e Docência no ensino superior no Programa de pós-graduação em Ensino de Ciências Naturais e Matemática-PPGECNM, do Centro de Ciências Exatas e da Terra/UFRN e no Programa de pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente-PRODEMA/RN, do Centro de Biociências/UFRN. Coordena e colabora em projetos de pesquisa em ensino e de extensão na área de Educação ambiental e em saúde, Divulgação científica e Formação de professores, atuando principalmente nos seguintes temas: a abordagem do Ensino por Investigação (Inquiry Based Science Education),estratégias de ensino e aprendizagem, elaboração e validação de unidades de ensino. Atuou como professora de Ciências e Biologia na rede pública e particular de ensino básico no Rio Grande do Norte no período de setembro 1987 a dezembro 2008.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70 LDA, 2010.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

BYBEE, R. et al. The BSCS 5E Instructional Model: Origins and Effectiveness. Colorado: Colorado Springs. 2006.

CAMPOS, M. C. C.; NIGRO, R. G. Didática de ciências: o ensino-aprendizagem como investigação. São Paulo: FTD, 1999.

CONRADO, D. M.; NUNES-NETO, N. Questões Sociocientíficas: fundamentos, proposta de ensino e perspectivas para ações sociopolíticas. Salvador: EDUFBA, 2018.

CUNHA, M. B. A percepção de ciência e tecnologia dos estudantes de ensino médio e a divulgação científica. 2009. 363 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

DELIZOICOV, D. ANGOTTI, J. A; PERNAMBUCO, M. M. C. A. Ensino de ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2002.

DIESEL, A.; BALDEZ, A. L. S.; MARTINS, S. N. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, v. 14, n, 1, p. 268-288, 2017.

FONSECA, A. S. Diversidade metagenômica do fitoplâncton e risco social de florações de cianobactérias em reservatórios do semiárido brasileiro: mediação da pesquisa e ensino para o letramento científico. 2021. 312 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2021.

FONSECA, A. S; COSTA, I. A. S. Instrumento de planificación y evaluación didáctica de cuestiones sociocientíficos (IPADQSC) como material didáctico de apoyo al profesor. Paradigma, v. 43, n. 2, p. 154-192, 2022.

GENOVESE, C. L. C. R.; GENOVESE, L. G. R.; CARVALHO, W. L. P. Questões sociocientíficas: origem, características, perspectivas e possibilidades de implementação no ensino de ciências a partir dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemática, v. 15, n. 34, p. 05-17, 2019.

JACOBI, P. R. Educar na sociedade de risco: o desafio de construir alternativas. Pesquisa em Educação Ambiental, v. 2, n. 2, 2007.

JACOBI, P. R.; TOLEDO, R. F.; GRANDISOLI, E. Education, sustainability and social learning. Brazilian Journal of Science and Technology, v. 3, n. 3, 2016.

LAYRARGUES, P. P. Para onde vai a Educação Ambiental? O cenário político-ideológico da educação ambiental brasileira e os desafios de uma agenda política crítica contra-hegemônica. Revista Contemporânea de Educação, v. 7, n. 14, 2012.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. C. As Macrotendências Político-Pedagógicas da Educação Ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade, v. 17, n. 1, 2014.

LIMA, G. F. C. Educação Ambiental Crítica: Do Socioambientalismo às Sociedades Sustentáveis. Revista Educação e Pesquisa, v. 35, n. 1, 2009.

MARTÍNEZ-PÉREZ, L. F. Questões sociocientíficas na prática docente: ideologia, autonomia e formação de professores. São Paulo: Editora Unesp, 2012.

MOREIRA, M. A. Potentially meaningful teaching units – PMTU. Porto Alegre: Instituto de Física da UFRGS, 2011.

NASCIMENTO, J. E. Percepções de educação ambiental e meio ambiente de estudantes do curso de formação docente em Nível Médio de Santa Helena/PR. 2018. 193 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2018.

OLIVEIRA, A. L.; OBARA, A. T.; RODRIGUES, M. A. Educação ambiental: concepções e práticas de professores de ciências do ensino fundamental. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 6, n. 3, p. 471-495, 2007.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Os (des)caminhos do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 2016.

PROJETO IRRESISTIBLE. Engaging the young with responsible research and innovation. 2014. Disponível em: http://www.irresistible-project.eu/index.php/en/. Acesso em: 20 nov. 2019.

RATCLIFFE, M.; GRACE, M. Science education for citizenship: teaching socio-scientific issues. Maidenhead: Open University Press, 2003.

SACHS, I. Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

SADLER, T. D. Informal reasoning regarding socioscientific issues: a critical review of research. Journal of Research in Science Teaching, Hoboken, v. 41, n. 5, 2004.

SANTOS, W. L. P. Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Revista Brasileira de Educação, v. 12, n. 36, 2007.

SAUVÉ, L. Uma cartografia das correntes em educação ambiental. In: SATO, M., CARVALHO, I. (Orgs.). Educação Ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005.

SOUZA JÚNIOR, J. J. S. Percepção e aprendizagem em exposições de ciências: um olhar para visitantes do ‘Programa Ciência Itinerante’. 2015. 148 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

VALENTIN, L.; SANTANA, L. C. Concepções e práticas de educação ambiental de professores de uma escola pública. Ciência & Educação, v. 16, n. 2, p. 387-399, 2010.

VILCHES, A.; GIL-PÉREZ, D.; PRAIA J. De CTS a CTSA: educação por um futuro sustntável. In: SANTOS, W. L. P.; D. AULER (Orgs.). CTS e educação científica: Desafios, tendências e resultados de pesquisa. Brasília: Editora Universidade de Brasília. 2011.

VYGOTSKI, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VYGOTSKY, L. S. Psicologia Pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2003.

WOLLMANN, E. M.; SOARES, F. A. L.; ILHA, P. V. As percepções de educação ambiental e meio ambiente de professoras das séries finais e a influência destas em suas práticas docentes. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 15, n. 2, p. 387-405, 2015.

Downloads

Publicado

16-02-2024

Como Citar

FONSECA, A. da S.; COSTA, I. A. S. da . SEQUÊNCIAS DE ENSINO COM ENFOQUE SOCIOCIENTÍFICO NA INTERFACE COM AS CORRENTES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL . Saberes: Revista interdisciplinar de Filosofia e Educação, [S. l.], v. 24, n. 1, p. RE01, 2024. DOI: 10.21680/1984-3879.2024v24n1ID34426. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/saberes/article/view/34426. Acesso em: 22 abr. 2024.