GALEN STRAWSON, ROBERT HANNA E A METAFÍSICA DA CONSCIÊNCIA

  • José Sérgio Duarte da Fonseca UFPI

Resumo

Foram submetidas ao exame duas metafísicas da consciência, com características bastante distintas: o realismo monista de Galen Strawson e o pós-fundamentalismo de Robert Hanna. Apesar de suas diferenças, ambas têm em comum duas premissas, primeiro, que as teorias tradicionais da emergência
como superveniência das propriedades experienciais a partir das propriedades físicas são falhas por terem como base a visão fisicalista do mundo; segundo, que o fisicalismo deve ser abandonado em favor de uma visão metafísica do mundo mais apropriada. O realismo monista proposto por G. Strawson sustenta que a emergência só pode ser metafisicamente inteligível a partir de uma visão, de todo modo, pampsiquista do mundo. Hanna, por sua vez, sustenta que, sob bases pós- fundamentalistas, e dispensando o pampsiquismo, é possível explicar a emergência não em termos de superveniência, e sim como emergência dinâmica, i.e, onde propriedades experienciais são fundidas com as propriedades físicas. Mostrei que a crítica de G. Strawson à emergência como superveniência pode ser estendida à emergência dinâmica, a despeito do fato de que a teoria da emergência proposta por Hanna assumir bases bem distintas das teorias tradicionais da superveniência. Como resultado, mostrei que o pós-fundamentalismo de Hanna não é capaz de produzir uma teoria da consciência que inclua a emergência sem que seja necessário incluir também o pampsiquismo para se tornar metafisicamente inteligível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Sérgio Duarte da Fonseca, UFPI
Professor de Filosofia da Universidade Federal do Piauí e Doutor(2003) em Filosofia pela PUCRio.
Publicado
30-06-2016
Como Citar
FONSECA, J. S. D. DA. GALEN STRAWSON, ROBERT HANNA E A METAFÍSICA DA CONSCIÊNCIA. Saberes: Revista interdisciplinar de Filosofia e Educação, n. Esp, 30 jun. 2016.