O tempo da escola:

organização, ampliação e qualificação do tempo do ensino escolar

  • Antonio Chizzotti Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Roberta Maria Bueno Bocchi Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Palavras-chave: Tempo escolar, Calendário escolar, Escola pública, Ensino médio

Resumo

Este artigo analisa a organização administrativa e pedagógica do tempo escolar e avalia as discussões sobre a ampliação da jornada escolar e a qualificação desse tempo dispendido no ensino com a finalidade de criar melhores condições de aprendizagem e de bem-estar para todos os que estão comprometidos com a vida da escola. O texto levanta algumas controvérsias e iniciativas internacionais, que buscam encontrar alternativas para promover uma disposição mais adequada desse ritmo do tempo a fim de propiciar melhores condições do sucesso no ensino e de qualidade na duração da jornada escolar.  O entendimento metodológico deste trabalho de conformidade com Gaussel (2013) pressupõe o reconhecimento de uma pluralidade de tempos educativos e múltiplos modos legítimos de aprendizagem e ensino. Toma-se o calendário como modelo de organização e gerenciamento das atividades escolares, e de observações e contatos pessoais com os atores educacionais em uma escola, para levantar algumas considerações críticas sobre a disposição do ritmo do tempo escolar a partir da análise do calendário de uma escola pública do Ensino Médio do sistema de ensino do Estado de São Paulo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 31. dez. 1940, p. 2391.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 16 jul. 1990. Seção 1, p. 13563.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional (LDB). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Seção 1, p. 27833-27841.

CAVET, Agnès. Rytmes scolaries: pour une dynamique nouvelle des temps éducatifs. Dossier d’actualité de la VST, n. 60, fev. 2011. Disponível em: http://www.inrp.fr/vst/LettreVST/60-fev-2011.php. Acesso em: 2 maio 2015.

CHOPIN, Marie-Pierre. Le temps de l’enseignement: l’avancée du savoir et la gestion des héterogénités dans la classe. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2011.

COMPÈRE, Marie-Madeleine. Du collège au lycée (1500-1850). Généalogie de l’enseignement secondaire français. Paris: Gallimard; Julliard, 1997.

EUROPEAN COMISSION. Eurydice. Recommended annual taught time in full-time compulsory education in Europe 2012-2013. 2013. Disponível em: http://eacea.ec.europa.eu/educataon/eurydice/documents/facts_and_figures/taught_time_EN.pdf. Acesso em: 25 mar. 2015.

EUROPEAN COMISSION. Eurydice. Organisation of school time in Europe. Primary and Secondary Education, 2015/2016. 2015. Disponível em: http://eacea.ec.europa.eu/education/eurydice/documents/facts_and_figures/186EN.pdf. Acesso em: 20 abr. 2015.

FRANCE. Conférence National sur les Rytmmes Scolaries. Rapport de synthèse des auditions, des débats en académie et des échanges sur internet. jan. 2011. France: Ministères de l’Éducation, Jeunesse et Vie Associative, 2011.

GAUSSEL, Marie. Aux frontières de l’école ou pluralité des temps éducatifs. Dossier d’actualité de la VST, n. 81, jan. 2013. Disponível em: http://ife.ens-lyon.fr/vst/DA-Veille/81-janvier-2013.pdf. Acesso em: 18 abr. 2015.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Tradução de Márcia Sá Cavalcante Schubach.15. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

LECONTE-LAMBERT, Claire. Des rytmes de vie aux rytmes scolaires. Quelle histoire! Villeneuve d'Ascq, France: Presses Universitaires du Septentrion, 2011.

MAULINI, Olivier; PERRENOUD, Philippe. La forme scolaire de l’éducation de base: tensions internes et évolutions. In: MAULINI, Olivier; MONTANDON, Cleopâtre (Dir.). Les formes de l’éducation: varieté et variations. Bruxeles: De Boeck Supérieur, 2005.

NECTA. National Education Commision on Time and Learning. Prisioners of time. Washington: NECTA, 2005.

OCDE. Regard sur l’éducation 2010: les indicateurs del’OCDE. Indicateurs D1 et D4. Paris: OCDE, 2011.

SALDAÑA, Paulo. Escolas de tempo integral do Estado não garantem melhor aprendizado. O Estado de São Paulo, São Paulo, 5 jan. 2013. Disponível em: http://www.estadao.com.br/noticias/geral,escolas-de-tempo-integral-do-estado-nao-garantem-melhor-aprendizado-imp-,980380. Acesso em: 12 set. 2015.

SÃO PAULO. Secretaria Estadual de Educação de São Paulo. Resolução SE nº 81, de 16 de dezembro de 2011. Estabelece diretrizes para a organização curricular do ensino fundamental e do ensino médio nas escolas estaduais. Disponível em: http://siau.edunet.sp.gov.br/ItemLise/arquivos/81_11.HTM.

TOUITOU, Yvan; BEGUE, Pierre. Aménagement du temps scolaire et santé de l’enfant: vers nouvel horaire scolaire. Académie National de Médicine, Paris, v. 194, n.1, p. 107-122, 2010.

WAAUB, Pierre. Le temps d’ensigner. Loverval: Éditons Labor, 2006.

WEBER, Max. Ética protestante e o ‘espírito” do capitalismo. Tradução de José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

Publicado
15-12-2016
Como Citar
Chizzotti, A., & Bocchi, R. M. B. (2016). O tempo da escola:. Revista Educação Em Questão, 54(42), 65-89. https://doi.org/10.21680/1981-1802.2016v54n42ID10953
Seção
Artigos