Neoinstitucionalismo e políticas educativas:

arranjos institucionais na gestão escolar

Palavras-chave: Política educacional, Neoinstitucionalismo, Arranjos institucionais, Gestão escolar

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar o processo de implementação de políticas educacionais no Brasil, com especial atenção para o âmbito da gestão escolar. A partir da análise de políticas, particularmente do neoinstitucionalismo sociológico, observa-se como as instituições e seus sujeitos reapropriam e ressignificam as políticas educacionais, com relativos graus de autonomiasegundo Scott (2008) e Lima (2003). Como metodologia, utilizam-se a revisão bibliografia, análise documental e entrevistas semiestruturadas com gestores do município de Mesquita/Rio de Janeiro. Foram analisadas tanto as orientações para a ação (estruturas formais), quanto sua implementação efetiva nas escolas (estruturas informais) (LIMA, 2003). Como resultado, percebeu-se um ambiente institucional múltiplo e imerso em distintas estratégias de legitimidade da política, de acordo com Coburn, Choi e Mata (2013), seja ela moral, cognitiva ou pragmática, indicando a necessidade de se aprofundar o estudo da escola enquanto lócus de produção e não apenas de aplicação da política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRUCIO, Fernando; GAETANI, Francisco. Avanços e perspectivas da gestão pública nos estados. Brasília: Consad, 2006.

BIDWEL, Charles Edward. The School as a Formal Organization. In: MARCH, J.G. (Ed.)Handbook of organizations. Chicago: Randy McNally, 1965.

BIDWELL, Charles Edward. Varietis of institutional theory: traditions and prospects for educational research. In: MEYER, Heinz-Dieter; ROWAN, Brian. The new institutionalism in education. Nova York: New York State University, 2006.

BLANCO, Rosa. Eficácia escolar y factores associados: en America Latina y el Caribe.Santiago: LLECE/OREALC/UNESCO, 2008.

BONAMINO, Alícia; LIMA, Naíra da Costa. Aspectos da gestão escolar e seus efeitos no desempenho dos alunos nos anos iniciais do ensino fundamental. In: MARTINS, Angela Maria; CALDERÓN, Adolfo Ignacio; GANZELI, Pedro; GARCIA, Teise de Oliveira Guaranha (Org.) Políticas e gestão da educação: desafios em tempos de mudança. Campinas: Ed. Associados, 2013.

BROOKE, Nigel; SOARES, José Francisco. Pesquisa em eficácia escolar: origem e trajetórias.Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2008.

BURELL, Gibson; MORGAN, Gareth. Sociological paradigms and organizational analysis. Guilford: Gower, 1979.

COBURN, Cynthia. Shaping teacher sensemaking: School leaders and the enactment of reading policy. Educational Policy, Boston, v. 19, n. 3, p.476-509, 2002.

COBURN, Cynthia. Beyond decoupling: Rethinking the relationship between the institutional environment and the classroom. Sociology of Education, Georgia, n. 77, p.211-244, 2004.

COBURN, Cynthia; CHOI, Linda; MATA, Willow. The embeddedness of teachers' social networks: Evidence from mathematics reform. Sociology of Education, Georgia, v. 4, n. 86, p. 311- 342, 2013.

COHEN, Michael;MARCH, James;OLSEN, Johan. A garbage can model of organizational choice. Administrative Science Quarterly, New York, v. 17, n. 1, p. 1-25, 1972.

DOURADO, Luis. Políticas e gestão da educação básica no Brasil: novos marcos regulatórios? São Paulo: Xamã, 2008.

HALL, Peter Andrew; TAYLOR, Rosemary. As três versões do neoinstitucionalismo. Tradução Gabriel Cohn. Lua Nova,São Paulo, n. 58, p. 193-223, 2003.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010 - municípios. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

INEP/MEC. ICG − Índice de complexidade gestão. Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação, 2014.

INEP/MEC.Painel Educacional– 2015.Brasília: Ministério da Educação, 2015.

LESSARD, Claude; CARPENTIER, Anyléne. Políticas educativas: a aplicação na prática. Tradução Stephania Matousek. Petrópolis: Vozes, 2016.

LIMA, Licínio. A escola como organização educativa: uma abordagem sociológica. 2. ed., São Paulo: Cortez, 2003.

MELO, Marcos André. Estado, governo e políticas públicas. In: MICELI, Sérgio. (org.) O que ler na ciência social brasileira: ciência política. São Paulo: Editora Sumaré/ANPOCS: 1999.

MEYER, John; ROWAN, Brian. Institucionalized organizations: formal structure as myth and ceremony. American Journal of Sociology, Chicago, v. 83, n. 2, p.340-363. 1977.

MOEHLECKE, Sabrina. O coordenador pedagógico na gestão dos sistemas de ensino do Rio de Janeiro: uma nova aposta de gestão das escolas? Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Goiânia, v. 33, n. 1, p. 223-240, jan./abr. 2017.

OLIVEIRA, Dalila; DUARTE, Adriana (Org.) Políticas públicas e educação: regulação e conhecimento. Belo Horizonte: Fino Traço Editora, 2011.

OLIVER, Christine. Strategic responses to institutional pressures. Academy of Management Review, New York, v. 16, n. 1, p. 145-179, 1991.

ORTON, Douglas; WEICK, Karl. Loosely coupled systems: a reconceptualization. Academy of Management Review, New York,v. 15, n. 2, p. 203-223, 2001.

PIRES, Roberto; GOMIDE, Alexandre.Burocracia, democracia e políticas públicas: arranjos institucionais de políticas de desenvolvimento. Texto para discussão, no.1940. Brasília: IPEA, 2014.

ROSA, Issac Gabriel Fialho da. A gestão escolar democrática: o caso da rede municipal de Mesquisa/Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

SCOTT, William Richard. Reflections on a Half-Centrury of Organization Sociology. Annual Review of Sociology, Palo Alto, v. 30, n.1, p. 1-21, 2004.

SCOTT, William Richard. Institutions and organizations: ideas and interests. 3a. Ed., Thousand Oaks: Sage, 2008.

SOARES, José Francisco; ANDRADE, Renato Júdice de. Nível socioeconômico, qualidade e equidade das escolas de Belo Horizonte. Ensaio,Rio de Janeiro, v.14, n.50, p. 107-126, jan./mar, 2006.

SOUZA, Celina. “Estado de campo” da pesquisa em políticas públicas no Brasil. Revista Brasileira Ciências Sociais, São Paulo, v. 18, n. 15, p.15-20, 2003.

SUCHMAN, Mark. Managing legitimacy: strategic and institutional approaches. Academy of Management Review, New York, v. 20, p.571-610, 1995.

TYLER, William. Organización escolar: uma perspective sociológica. Madrid: Ed. Morata. 1991.

WEICK, Karl. Educational Organizations as Loosely Coupled Systems. Administrative Science Quarterly, New York, v. 21, n. 1, p. 1-19, 1976.

WEICK, Karl. Making sense of the organization. Malden: Blackwell, 2001.

Publicado
11-12-2018
Como Citar
Moehlecke, S. (2018). Neoinstitucionalismo e políticas educativas:. Revista Educação Em Questão, 56(50). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2018v56n50ID14722
Seção
Artigos