A ressignificação de objetos realizada por crianças no contexto hospitalar

  • Alice Maria Corrêa Medina Universidade de Brasília- UnB
Palavras-chave: Crianças, Adolescentes, Teatro, Ambiente hospitalar

Resumo

A discussão sobre as relações humanas no contexto hospitalar deve ser abordada de forma mais efetiva pela educação, principalmente quando envolve crianças e adolescentes hospitalizados. O estudo apresenta como objetivo principal a utilização da atividade de produção de histórias, como um meio de ressignificação de objetos hospitalares. Trata-se de um estudo qualitativo e interpretativo com crianças e adolescentes entre sete a quatorze anos.  Para a aquisição dos dados, utilizou-se a produção de textos e, para a verificação das emoções, foi utilizada uma escala de faces. Os resultados demonstraram modificações entre as relações pessoais dos participantes e entre seus familiares, indicando que é possível transformar o isolamento em união e a tristeza em momentos de descontração na promoção de relações mais humanizadas no contexto hospitalar. Nesse espaço do imaginário, os objetos do ambiente hospitalar poderão se tornar o que a imaginação determinar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alice Maria Corrêa Medina, Universidade de Brasília- UnB

Professora Adjunta da Universidade de Brasília- UnB
Docente do Programa de Pós-graduação em Educação - UnB
Docente da Faculdade de Educação Física - UnB

Mestrado em Educação Física- UCB/RJ
Doutorado - Ciências da Saúde - UnB
Pós-doutorado - Ciências Sociais - PUC/SP
Pós -doutorado - Educação - UnB
Áreas:
- Estudos sobre o corpo/ produção de sentidos/corpo ambiental e cultural;
- Aprendizagens/Construção do Conhecimento/Educação Infantil.

Referências

ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus, 1995.

BAUMAN, Claudiana Donato; BAUMAN, José Mansano; TOLENTINO, Grassyara Pinho; OLIVEIRA, Juliana Fonseca. Bem-estar-subjetivo de crianças hospitalizadas e acompanhantes no hospital Universitário Clemente de Faria – HUCF/Unimontes de Montes Claros/MG. A experiência da recreação hospitalar. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE; 17, 2011; CONGRESSO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, 4, 2011. Anais... Colégio Brasileiro de Ciência do Esporte, Porte Alegre: 2011.

BAUER, Martin; GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002.

BARBOSA, Ingrid Almeida de; SILVA, Maria Júlia Paes. Cuidado humanizado de enfermagem: o agir com respeito em um hospital universitário. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 60, n. 5, p. 546- 551, set./out. 2007.

BERGER, Kathleen Stassen. O desenvolvimento da pessoa – do nascimento à terceira idade. 5. ed. Rio de Janeiro: LTC Editora, 2003.

BOWLBY, John. Cuidados maternos e saúde mental. Tradução Vera Lúcia de Souza e Irene Rizzini. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação? 6. ed. São Paulo: Brasiliense, 1981.

CALAIS, Sandra Leal; ANDRADE, Lívia Márcia Batista de; LIPP, Marilda Emmanuel Novaes. Diferenças de sexo e escolaridade na manifestação de stress em adultos jovens. Psicologia: Reflexão e Crítica, São Paulo, v. 6, n. 2, p. 257-263, 2003.

CEBULSKI, Márcia Cristina. Teatro de formas animadas. Guarapuava: Editora da Unicentro, 2013.

CARDOSO, Flávia Tanes. Câncer infantil: aspectos emocionais e atuação do psicólogo. Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, jun. 2007.

CARRIGNON, Christian e MATTÈOLI, Jean-Luc. Le théâtred ́objet: mode d ́emploi. Dijon: Ed.Scèrén, CRDP de Bour-gogne, Col. L`Édition Légêre, 2006 (n. 2).

DENZIN,Norman; LINCOLN, Yvonna. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Tradução Sandra Regina Netz. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DIAS, Jucielma Jesus; SILVA, Ana Paula Conceição; FREIRE, Roseane Lino Silva da; ANDRADE, Aglaé Silva Araújo de. A experiência de crianças com câncer no processo de hospitalização e no brincar. Revista Mineira de Enfermagem, Minas Gerais, v. 17, n. 3, p. 608-613, jul./set. 2013.

FERREIRA, Caroline Cristina Moreira; REMEDI, Patrícia Pereira; LIMA, Regina Aparecida Garcia de. A música como recurso no cuidado à criança hospitalizada: uma intervenção possível? Revista Brasileira de Enfermagem, v. 59, n. 5, p. 689-693, set./out. 2006. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S003471672006000500018&script=sci_arttext> Acesso em: 7 maio 2017.

FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. 2. ed. Tradução Sandra Regina Netz. Porto Alegre: Bookman, 2004.

FONSECA, Helena; TAVARES, Hugo Braga. Avaliação dos recursos de atendimento ao adolescente nas unidades hospitalares portuguesas. Acta Pediátrica Portuguesa, Lisboa, v. 40, n. 4, p. 154-159, 2009.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GOLDENBERG, Mirian. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 6. ed. Rio de Janeiro: Record, 2002.

LAKATOS, Eva Marina; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho científico. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1993.

LEÃO, Eliseth Ribeiro; BUSSOTTI, Edna Aparecida; AQUINO, Celice Romero de; CANESIN, Andréa de Campos; BRITO, Raphael Pereira de. Uma canção no cuidar: a experiência de intervir com música no hospital. Nursing, São Paulo, v. 82, n. 8, p. 129-134, mar. 2005.

MCDOWELL, Ian; NEWELL, Claire. Measuring health: a guide to rating scales and questionnaires. New York: Oxford University Press; 1996.

MINAYO, Maria Cecilia de Souza (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994.

MINAYO, Maria Cecilia de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9. ed. rev. ampl. São Paulo: Hucitec, 2006.

MÓIN−MÓIN: Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas, Jaraguá do Sul, v. 7, n. 6, 2010.

MORAES, Márcia Cristina Almendros Fernandes; BUFFA, Maria José Monteiro Benjamim; MOTTI, Telma Flores Genaro. As atividades expressivas e recreativas em crianças com fissuralabiopalatina hospitalizadas: visão dos familiares. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 15, n. 3, p. 453-470, set./dez, 2009.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 21. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

PARENTE, José Oliveira. Preparação corporal do ator para o teatro de animação: uma experiência. 2007. 113f. Dissertação do Curso de Mestrado em Artes Cênicas − Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

PINTO, Marcelo. Sorria, você está sendo curado. São Paulo, Editora Gente, 2008.

REY, Fernando González. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Thompson, 2005.

SIQUEIRA, Liamara Silva da; SIGAUD, Cecilia Helena Siqueira de; REZENDE, Magda Andrade. Fatores que apoiam e não apoiam permanência de mães acompanhantes em unidade de pediatria hospitalar. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 36, p. 27027-270275, 2002.

SANTA ROZA, Eliza. Um desafio às regras do jogo. In: SANTA ROZA, Eliza; REIS, Eliana Schueler. Da análise na infância ao infantil na análise. Contracapa: Rio de Janeiro, 1997.

SOUZA, Andressa Lopes de; RODRIGUES, Mayra Oliveira Camargo; CARNAÚBA, Flávia Pereira; BARBOSA, Luciene Rodrigues. A utilização da terapia do humor no ambiente hospitalar. Revisão Integrativa, Santa Maria, v. 39, n. 2, 2013, p.4956.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução a pesquisa em ciências sociais: pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2007.

Publicado
11-12-2018
Como Citar
Medina, A. M. C. (2018). A ressignificação de objetos realizada por crianças no contexto hospitalar. Revista Educação Em Questão, 56(50). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2018v56n50ID14812
Seção
Artigos