O (não) lugar do aposentado na instituição:

memórias de docentes

Palavras-chave: Aposentadoria. Professor universitário. Carreira. Educação.

Resumo

Esse texto apresenta uma análise sobre o processo de preparação, aposentadoria e pós-aposentadoria de docentes universitários do Departamento de Educação da Universidade Federal de Sergipe. O professor universitário vive sua carreira profissional aprisionado em um tempo. Ao final dessa trajetória, esse tempo dedicado ao trabalho precisa ser redimensionado, ressignificado e revisto em outra perspectiva, bem diferente das exigências da vida acadêmica. Um tempo que era da instituição, ocupando muitas horas de seu dia, passa a ser agora só seu, voltando-se para a saúde e o envelhecimento. Trata-se de uma investigação de natureza exploratória, pautada em suporte teórico-metodológico da história oral temática, memórias com levantamento de dados autobiográficos sobre o final de carreira dos docentes Evidencia-se que o “lugar vazio” deixado pelo docente universitário na instituição onde passou boa parte de sua vida é ocupado, quando ele passa a ser inativo, pelo novo lugar na instituição que é o de “arquivo”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deise Juliana Francisco, UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS

Deise Juliana Francisco é Doutora em Informática na Educação, pela Universidade Federal de Alagoas. Professora do Centro de Educação,  do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/UFAL) e do Programa de Pós-Graduação em Cognição, Tecnologias e Instituições (PPGCTI/UFERSA) e é membro do Grupo de Pesquisa: Saúde Mental, Ética e Educação.

Referências

BATISTA, Jaqueline Brito Vidal; CARLOTTO, Mary Sandra; COUTINHO, Antônio Souto ; AUGUSTO, Lia Giraldo da Silva. Prevalência da Síndrome de Burnout e fatores sociodemográficos e laborais em professores de escolas Municipais da cidade de João Pessoa, PB. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 13, n. 3, p. 502-512, set. 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2010000300013>. Acesso em: 12 jun. 2018.

BATISTA, Jaqueline Brito Vidal; CARLOTTO, Mary Sandra; COUTINHO, Antônio Souto ; AUGUSTO, Lia Giraldo da Silva. Síndrome de Burnout: confronto entre conhecimento médico e a realidade das fichas médicas. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 16, n. 3, p. 429-435, jul./set. 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

BEM-PERTZ, Mirian. Episódios do passado evocados por professores aposentados. In: NÓVOA, António (Org.). Vidas de professores. 2. ed. Porto: Editora Porto, 2007.

BORGES, Vavy Pacheco. Grandezas e misérias da biografia. In: PINSKY, Carla Bassanezi. (Org.). Fontes históricas. São Paulo: Contexto, 2005.

BEVOUIR, Simone de. A mulher desiludida. Tradução: Helena Silveira, Maryan A. Bom Barbosa. São Paulo: Saraiva, 2004.

BOURDIEU, Pierre. Razones prácticas sobre la teoría de la acción. Barcelona: Anagrama, 1997.

BOSI, Ecléia. Memória e sociedade: lembranças de velhos. 4. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

CALÇADO, Tiago. O sofrimento como redenção de si: doença e vida nas filosofias de Nietzsche e Pascal. São Paulo: Paulus, 2012.

CARVALHO, Saulo Rodrigues de; MARTINS, Lígia Márcia. Idade adulta, trabalho e desenvolvimento psíquico. In: MARTINS, Lígia Márcia; ABRANTES, Angelo Antonio; FACCI, Marilda Gonçalves Dias. Periodização Histórico-cultural do desenvolvimento psíquico: do nascimento a velhice (Org.) Campinas, SP: Autores Associados, 2016.

COLUSSI, Eliane Luria; ILHA, Vanessa Domingues; COGO, Tadia Carolina; PORTELLA, Marilene Rodrigues; SCORTEGAGNA, Helenice de Moura. Docentes universitários e aposentadoria: uma experiência de velhice bem-sucedida? Pajar, Rio Grande do Sul, v. 2, p. 67-74, 2014. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2018.

COSTA, Icléa Thiesen Magalhães. Memória institucional: a construção conceitual numa abordagem teórico-metodológico. 1997. Tese (Doutorado em Ciência da Comunicação) – Programa de Pós-Graduação em Ciências da Computação, Rio de Janeiro, 1997. Disponível em: <http://ridi.ibict.br/handle/123456789/686>. Acesso em: 20 jul. 2016.

CRUZ, Maria Helena Santana. Mapeando diferenças de gênero no ensino superior da Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão: EDUFS, 2012.

DAO. Entrevista. Aracaju, 7 jun. 2018.

ELIAS, Nobert. A solidão dos moribundos seguido de “envelhecer e morrer”. Tradução Plinio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

ESTEVE, José Manuel. Mudanças sociais e função docente. In: NÓVOA, Antónia (Org.). Profissão professor. Porto: Porto Editora, 1999.

JOA. Entrevista. Aracaju, 27 maio. 2018.

FONTOURA, Maria Madalena. Fico ou vou-me embora? In: NÓVOA, António. Vidas de professores. 2. ed. Porto, Portugal: Porto Editora, 2006.

FOUCAULT, Michel. O que é o autor? Tradução José A. B. de Miranda e António F. Cascais. 9. ed. Lisboa: Passagens, 2015.

GASPARINI, Sandra Maria; BARRETO, Sandhi Maria; ASSUNÇÃO, Ada Ávila. O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 189-199, maio/ago. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-97022005000200003&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 9 jun. 2018.

GUEREIRO, Natalia Paludeto; NUNES, Elisabete de Fátima Polo de; GONÁLEZ, Alberto Durán; MESAS, Arthur Eumann. Perfil sociodemográfico, condições e cargas de trabalho de professores da Rede Estadual de Ensino de um município da Região Sul do Brasil. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 14, p. 197-217, 2016. suppl.1. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/tes/v14s1/1678-1007-tes-14-s1-0197.pdf>. Acesso em: 13 jul. 2018.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 1999.

HUBERMAN, Michael. O ciclo de vida profissional de professores. In: NÓVOA, António. Vidas de professores. 2. ed. Porto: Porto Editora, 2006.

LE GOFF, Jacques. Memória e história. Tradução Bernardo Leitão, Irene Pereira e Suzana Ferreira Borges. São Paulo: Editora da Unicamp, 2003.

LEVI, Giovanni. Sobre a micro-história. In: BURKE, Peter. (Org.). A escrita da história: novas perspectivas. Tradução: Magda Lopes. São Paulo: Editora da UNESP, 1992.

LMT. Entrevista. Aracaju, 2 jun. 2018.

MAB. Entrevista. Aracaju, 10 jun. 2018.

MARTINS, Lígia. Márcia; ABRANTES, Ângelo Abranges. FACCI, Marilda Gonçalves Dias (Org.). Periodização histórico-cultural do desenvolvimento psíquico: do nascimento à velhice. São Paulo: Autores Associados, 2016.

MEIRA, Vanessa Ribeiro Andreto. Professores aposentados: quais os motivos para o seu retorno à docência? 2012. 127f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, São Paulo, 2012. Disponível em: <https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/92292/meira_vra_me_prud.pdf?sequence=1&isAllowed=y.> Acesso em: 10 jun. 2018.

MEIRA, Vanessa Ribeiro Andreto; LEITE, Yoshie Ussami Ferrari. O que leva professores aposentados a retornarem a docência? Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente-São Paulo, v. 26, n. especial1, p. 219-233, já. 2015. Disponível em: file:///C:/Users/Neide/Desktop/PARECER,%202018/2821-11273-2-PB.pdf. Acesso em: 2 out. 2019.

MIOA. Entrevista. Aracaju, 16 jul. 2018.

NORA, Pierre: Entre memória e história: a problemática dos lugares. Tradução Yara Aun Khoury. Projeto História, São Paulo, n. 10, p. 7-28, dez. 1993. Disponível em: < https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/12101/8763>. Acesso em: 20 jun. 2018.

NÓVOA, António. O passado e o presente dos professores. In: NÓVOA, António. (Org.). Profissão professor. Porto: Porto Editora, 1999.

NÓVOA, António. Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 2007.

NÓVOA, António. A formação tem que passar por aqui: as histórias de vida no Projeto Prosalus. In: NÓVOA, António; FINGER, Mathias (Org.). O método (auto) biográfico e a formação. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

REIS, José Carlos. O conceito de tempo histórico em Ricouer, Kolleck e “Annales”: uma articulação possível. Síntese Nova Fase, Belo Horizonte, v. 23, n. 73, p. 229-252, 1996. Disponível: Acesso em: 22 ago. 2018.

SANTOS, Vera Maria. As memórias de um grupo de professores aposentados sobre suas formações e práticas pedagógicas em Rondonópolis-MT. Interfaces científicas – Educação, Aracaju, v. 4, n. 3, p. 9-18, jun. 2016. Disponível em: <https://periodicos.set.edu.br/index.php/educacao/article/viewFile/1313/181>.Acesso em: 20 fev. 2018.

SAVIANI, Dermeval. A pedagogia no Brasil: história e teoria. 2. ed. São Paulo: Autores Associados, 2012.

SILVA, Walburga Arns da. Educação Infantil em busca de alternativas: influência da pré-escola no processo de alfabetização. São Cristóvão: EDUFS, 2017.

SILVA, Walburga Arns da. Organização do trabalho e ação pedagógica: influência na pré-escola no processo de alfabetização. São Cristóvão: EDUFS, 2004.

SOBRAL, Maria Neide; FREITAS, Anamaria Gonçalves Bueno. História e memória: curso de pedagogia da UFS. São Cristóvão: EDUFS, 2009.

SOUZA, Josefa Eliana. História e memória da Universidade Federal de Sergipe (1968-2012). São Cristóvão: EDUFS, 2015.

URT, Sônia da Cunha. Narrativas de professores aposentados: memória e o processo de envelhecimento. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE PESQUISA (AUTO)BIOGRÁFICO, 7; 2016, Cuiabá. Anais[...] Cuiabá: Universidade Federal do Mato Grosso, 2016. Disponível em: <http://viicipa.com.br/wordpress/wp-content/uploads/2016/08/C2T_NARRATIVAS-DE-PROFESSORES-APOSENTADOS-MEMO%CC%81RIA-E-O.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2018.

YDO. Entrevista. Aracaju, 15 jul. 2018.

Publicado
28-02-2019
Como Citar
Sobral, M. N., & Francisco, D. J. (2019). O (não) lugar do aposentado na instituição:. Revista Educação Em Questão, 57(52). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2019v57n52ID15941
Seção
Artigos