Experiências juvenis de individuação:

Socialização familiar e escolar em narrativas biográficas

Palavras-chave: juventude; escola; socialização, individuação.

Resumo

O artigo analisa as experiências socializadoras escolares e familiares de dois jovens adultos que atualmente estão fora da escola. A produção é fruto de uma pesquisa etnográfica com a realização de entrevistas biográficas com jovens moradores/as de uma região periférica da cidade de Belo Horizonte. Através de uma postura metodológica da sociologia dos indivíduos são apresentadas as experiências familiares e escolares de dois sujeitos, um jovem branco e uma jovem negra. As histórias de vida são analisadas através de duas dimensões, necessariamente imbricadas: os processos socializadores e os modos de individuação. As narrativas sublinharam aspectos comuns e singulares das construções identitárias dos indivíduos, atravessadas pela interseccionalidade de gênero e raça, a partir de suas experiências familiares e escolares. O texto busca revelar a importância da compreensão da socialização escolar e familiar, do ponto de vista juvenil, através das singulares escritas da vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Batista dos Reis, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduada em Ciências Sociais (Bacharelado/Licenciatura) pela Universidade Federal de Minas Gerais (2005). Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Carlos (2009). Doutora em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais com estágio sanduíche na Universidade do Porto (2014). Atualmente é Professora Adjunta do Departamento de Ciências Aplicadas à Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais e compõe a coordenação do Programa de Pesquisa, Ensino e Extensão Observatório da Juventude da UFMG (http://observatoriodajuventude.ufmg.br). Atua nas áreas da Sociologia da Educação e Sociologia da Juventude, com ênfase nos temas: processos de socialização e individuação contemporâneos, relações juventude/escola, Ensino Médio, culturas juvenis, territórios urbanos, cibercultura. 

 

http://lattes.cnpq.br/4298711727488088

 

Referências

ABRANTES, Pedro. A escola da vida – socialização e biografia(s) da classe trabalhadora. Lisboa: Mundos Sociais, 2013.

ARAUJO, Kathya; MARTUCCELLI, Danilo. Desafíos comunes: Retrato de La sociedad chilena y sus individuos. Tomo 1. Santiago: LOM Ediciones, 2012.

ARROYO, Miguel. Políticas educacionais e desigualdades: à procura de novos significados. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, p. 1381-1416, out.-dez. 2010.

BOURDIEU, Pierre. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 1990.

CLAUDIA. Entrevista. Belo Horizonte (Minas Gerais), 5 dezembro. 2012.

DAYRELL, Juarez. A escola “faz” as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educ. Soc., Campinas, v. 28, n. 100 - Especial, p. 1105-1128, out. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v28n100/a2228100.pdf>. Acesso em 20 mar 2013.

______. O rap e o funk na socialização da juventude. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Abordagens metodológicas na pesquisa biográfica. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 17, n. 51, p. 523-535, dez. 2012.

DUBET, François. Sociologia da experiência. Lisboa: Instituto Piaget, 1994.

EDUARDO. Entrevista. Belo Horizonte (Minas Gerais), 10 de novembro. 2012.

GOLDMAN, Márcio. Os Tambores do Antropólogo: Antropologia Pós-Social e Etnografia. Pontourbe. Revista do Núcleo de Antropologia Urbana da USP, Ano 2, julho de 2008.

GOMES, Nilma Lino. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo: reprodução de estereótipos ou ressignificação cultural? Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro , n. 21, p. 40-51, Dez. 2002.

GONÇALVES, Luiz Alberto. O silêncio: um ritual pedagógico a favor da discriminação racial (um estudo acerca da discriminação racial como fator de seletividade na escola pública de primeiro grau – 1ª a 4ª série). 1985. Dissertação (Mestrado em Educação) Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, 1985.

hooks, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

LAHIRE, Bernard. Patrimónios individuais de disposições: Para uma sociologia à escala individual. Sociologia, Problemas e Práticas, Oeiras, n. 49, set. 2005. Disponível em: <http://www.scielo.gpeari.mctes.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-65292005 000300002&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 04 Ago. 2013.

______. Retratos sociológicos – disposições e variações individuais. Porto Alegre: Artmed, 2004.

LEÃO, Geraldo. DAYRELL, Juarez Tarcísio; REIS, Juliana Batista dos. Juventude, projetos de vida e ensino médio. Educ. Soc., Campinas, v. 32, n. 117, Dez. 2011. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302011000400010&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 20 Mai. 2013.

LECCARDI, Carmen. Para um novo significado do futuro: mudança social, jovens e tempo. Tempo soc., São Paulo, v. 17, n. 2, Nov. 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702005000200003 &lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 30 Out. 2013.

LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

MARTUCCELLI, Danilo. Cambio de rumbo: La sociedad a escala del individuo. Santiago: LOM Ediciones, 2007.

MARTUCCELLI, Danilo; SINGLY, François. Las sociologías del individuo. Santiago: LOM Ediciones, 2012.

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. v. 1. São Paulo: Edusp, 1974.

MUNANGA, Kabengele. O preconceito racial no sistema educativo brasileiro e seu impacto no processo de aprendizado do “alunado” negro. In: AZEVEDO, José Clóvis.; GENTILI, Pablo (org.). Utopia e democracia na educação cidadã. Porto Alegre: Ed. UFRGS / Secretaria Municipal de Educação, 2000.

PAIS, José Machado. Ganchos, tachos e biscates: jovens, trabalho e futuro. Porto: Ambar, 2001.

PAIS, José Machado. Buscas de si: expressividades e identidades juvenis. In: ALMEIDA, Maria Isabel; EUGENIO, Fernanda. (Org.). Culturas jovens: novos mapas do afeto. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

SARTI, Cynthia. A família como espelho: um estudo sobre a moral dos pobres. São Paulo: Cortez, 1996.

SARTI, Cynthia Andersen. A família como ordem simbólica. Psicol. USP, São Paulo, v. 15, n. 3, p. 11-28, 2004.

SARTI, Cynthia Andersen. Família e jovens no horizonte das ações. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, n. 11, ago. 1999.

SETTON, Graça. Marcel Mauss e Norbert Elias: notas para uma aproximação epistemológica. Educ. Soc., Campinas, v. 34, n. 122, mar. 2013. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302013000 100011&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 23 Nov.2013.

SETTON, Graça. Teorias da socialização: um estudo sobre as relações entre indivíduo e sociedade. Educ. Pesqui., São Paulo , v. 37, n. 4, dez. 2011 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022011000400 003&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 23 Nov.2013.

SETTON, Graça; SPOSITO, Marilia Pontes. Como os indivíduos se tornam indivíduos? Entrevista com Danilo Martuccelli. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 39, n. 1, mar. 2013. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S151797022013000100016&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 23 Nov.2013.

SINGLY, François. Sociologia da família contemporânea. Tradução Clarice Ehlers Peixoto. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

SPOSITO, Marília Pontes. Uma perspectiva não escolar no estudo sociológico da escola. Revista USP, São Paulo, n. 57, p. 210-226, março/maio 2003.

TEIXEIRA, Inês. Da condição docente: primeiras aproximações teóricas. Educ. Soc., Campinas, v. 28, n. 99, p. 426-443, maio/ago. 2007.

Publicado
06-08-2019
Como Citar
dos Reis, J. B. (2019). Experiências juvenis de individuação:. Revista Educação Em Questão, 57(53). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2019v57n53ID17428
Seção
Artigos