Recursos Públicos investidos na Educação Infantil: uma análise das consultorias internacionais

  • Dulce Mara Langhinotti Carpes Universidade Estadual de Ponta Grossa UEPG
  • Ângela Mara De Barros Lara
Palavras-chave: Recursos Públicos. Educação Infantil. Consultorias. Organismos Internacionais.

Resumo

O estudo promove uma reflexão analítica de como se viabilizaram os recursos públicos no contexto da política nacional para a educação infantil a partir dos convênios firmados entre o Brasil e a Organização dos Estados Ibero-americanos – OEI e Organização das Nações Unidas para Educação, a Ciência e a Cultura – UNESCO para contratação de consultorias internacionais. No intuito de subsidiar os argumentos foram consultadas as concepções dos referidos organismos. Analisaram-se os documentos do Ministério da Educação – Relatórios de Gestão do MEC/SEB/COEDI, dos anos de (2012-2013). A construção do referencial e as análises foram desenvolvidas à luz do materialismo histórico-dialético. A análise dos dados caracteriza-se como qualitativa e se deram por meio da pesquisa documental e da análise de conteúdo. Dentre os resultados, constatou-se que os recursos públicos foram viabilizados na perspectiva de uma política focalizada, na lógica da redução de gastos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BANCO MUNDIAL. Relatório sobre o desenvolvimento mundial 1990: à pobreza. Washington, DC: Oxford University Press, 1990.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70, 1977.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 1988.

BRASIL.Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e as Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: Publicada no Diário Oficial da União – DOU em 23 de dezembro de 1996.

BRASIL.Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Relatório de Gestão 2012. Brasília, DF: MEC/SEB, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Relatório de Gestão 2013. Brasília, DF: MEC/SEB, 2014.

CAMPOS, Rosânia. A Educação Infantil e os Organismos Internacionais: quando Focalizar não é Priorizar. Education Policy Analysis Archives, Arizona, EUA, v. 21, n. 18, p. 1-16, mar. 2013.
CAMPOS, Rosânia; CAMPOS, Roselane Fátima. A educação das crianças pequenas como estratégia para o alívioda pobreza. Revista Inter Ação, Goiania, v. 33, n. 2, p. 241-263, jul./dez. 2008.

CEPAL. Comisión Económica para América Latina y el Caribe. CEPAL y Organización de las Naciones Unidas para la Educación, la Ciencia y la Cultura (UNESCO). Santiago: Serie Seminarios y Conferencias, 2005.

EVANGELISTA, Olinda. Apontamentos para o trabalhocom documentos de política educacional. In: ARAÚJO, Ronaldo Marcos de Lima.; RODRIGUES, Doriedson S. (Org.). A pesquisa em trabalho, educação e políticas educacionais. Campinas: Alínea, 2012. p. 52-71.

EVANGELISTA, Olinda; SHIROMA, E. O. Educação para alívio da pobreza: novo tópico na agenda global. Revista de Educação PUC-Campinas, Campinas, v. 20, p. 43-54, jun. 2006.

FONTES, Virgínia. O Brasil e o capital-imperialismo: teoria e história. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2010.

FERNANDES, Silvia Reis. Concepções e práticas de avaliação vigentes em escolas públicas: a influência das políticas educacionais no trabalho dos professores. 2015. 129 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – PUC/Goiás, Goiânia, 2015.

FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria. Educação básica no Brasil na década de 1990: subordinação ativa e consentida à lógica de mercado. Educação e Sociedade, Campinas, v. 24, n. 82, p. 93-130, abr. 2003.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola Improdutiva 30 anos depois: Regressão Social e Hegemonia às Avessas.Trabalho Necessário, Rio de Janeiro, n. 20, ano 13, p. 206-233, 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2016.

GORENDER, Jacob. Globalização, tecnologia e relações de trabalho. Estudos Avançados, São Paulo, v. 11, n. 29, p. 311-361, jan./abr. 1997.

HÖFLING, Eloisa de Mattos. Estado e políticas (públicas) sociais. Caderno CEDES, Campinas, ano 21, n. 55, p. 30-41, nov. 2001.

INEP. Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Investimentos Públicos em Educação, 20 de outubro de 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2017.

LEHER, Roberto. Da ideologia do desenvolvimento à ideologia da globalização: a educação como estratégia do Banco Mundial para “alívio” da pobreza. 1998. 266 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

LIBÂNEO, José Carlos. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, mar. 2012.

LIBÂNEO, José Carlos. Políticas educacionais no Brasil: desfiguramento da escola e do conhecimento escolar.Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 46, n. 159, p. 38-62, jan./mar. 2016.

LINS, Nadja Vanessa Miranda. Consultoria: um novo enfoque em aplicação de jogos de empresas. 1999. 94 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 1999.

MIRANDA, Marília G. de; SANTOS, Soraya V. Propostas de tempo integral: a que se destina a ampliação do tempo escolar? Perspectiva, Florianópolis, v. 30, n. 3, p. 1073-1098, set./dez. 2012.

MOREIRA, Jani Alves da Silva. Políticas de financiamento e gestão da educação básica (1990-2010): os casos Brasil e Portugal. 2012. 357 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2012.

NETTO, José Paulo. As condições histórico-sociais da emergência do serviço social. In: ______ .Capitalismo monopolista e serviço social. São Paulo: Cortez, 2006. p. 15-51.

NEVES, Lúcia Maria Wanderley. A nova pedagogia da hegemomia: estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Editora, Xamã, 2005.

OEI. Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura. Declaración de Panamá: La Educación Inicial en el Siglo XXI. X Conferencia Iberoamericana de Educación. Ciudad de Panamá, Panamá, jul. 2000.

OEI. Declaración de Lima: “Agenda Iberoamerica para la niñez e la adolescência”. III Conferencia Ibero-americana de Ministras, Ministros y Altos Responsables de La Infancia y Adolescencia. Lima, Perú, Oct. 2001.

OEI. Fuentes de financiamiento adicionales para lograr el compromiso con las metas educativas 2021. In: ______. Metas 2021: La educación que queremos para la generación de los bicentenarios. Síntesisdel debate. Madri, Espanh: OIE, 2008. p. 79-88.

PEDREIRA, Roberto Sampaio. O relacionamento Brasil-Banco Mundial: uma análise da dimensão política e econômica (1985-2005). 2006. 189 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2006.

PERONI, Vera María Vidal. Redefinições das fronteiras entre o público e o privado: implicações para a democratização da educação. Brasília, DF: Liber Livro, 2013. 352 p.

RIBEIRO, Márcio Bruno. Desempenho e eficiência do gasto público: uma análise comparativa entre o Brasil e um conjunto de países da América Latina. Rio de Janeiro: IPEA, 2008.

SILVA, Maria Abádiada. Dimensões da política do Banco Mundial para a educação básica pública. In: SILVA, Maria Abádiada; CUNHA, Celso da (Org.). Educação básica: políticas, avanços e pendências. Campinas: Autores Associados, 2014. p. 61-66.

UNESCO. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: Plano de Ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem aprovada pela Conferência mundial sobre Educação para todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien, Tailândia, 5 a 9 de março de 1990. Brasília, DF: UNESCO, 1990.

ZANARDINI, Isaura Mônica Souza. A ideologia da pós-modernidade e a política de gestão educacional brasileira. 2006. 173 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

ZANARDINI, João. Políticas de avaliação da educação pública. In: SANTOS, Alex S. B. dos; EVANGELISTA, Olinda. Políticas para a educação básica no Brasil. Florianópolis: NUP/Sintrasen, 2014. p. 59-68.
Publicado
06-08-2019
Como Citar
Langhinotti Carpes, D. M., & Lara, Ângela M. D. B. (2019). Recursos Públicos investidos na Educação Infantil: uma análise das consultorias internacionais. Revista Educação Em Questão, 57(53). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2019v57n53ID17508
Seção
Artigos