O estatuto do trabalho do professor da escola:

desafio político para ser pensado nos cinquenta anos do estágio (1969 a 2019)

Palavras-chave: Estágio. Formação inicial de professores. Trabalho. Escola.

Resumo

De que modo o trabalho do professor da escola comparece no itinerário de institucionalização do estágio no âmbito de políticas e práticas de formação de professores, no intercurso que compreende a Resolução n.9 de 1969 até a política nacional recente de formação de professores no Brasil (PIBID, Residência Pedagógica)?  Esta questão é tratada a partir de documentos de natureza normativa, revisão de literatura e dados de pesquisa envolvendo professores da escola básica/supervisores de estágio, estudo documental de PPP de escolas (campo de estágio) das redes federal, municipal e estadual. A hipótese é a de que há uma naturalização do trabalho desempenhado pelo professor da escola. A falta de reconhecimento do estatuto deste trabalho colocaria o estágio numa zona de invisibilidade que o ameaça, ao mesmo tempo que dele se subtrai as principais características transplantadas para programas paralelos à formação inicial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Decreto-Lei Nº 9.053, de 12 de março de 1946. Cria um ginásio de aplicação nas Faculdades de Filosofia do país. Disponível em: . Acesso em: 14 de agosto de 2017.
BRASIL. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Congresso Nacional, 1996. Disponível em: . Acesso em: 14 ago. 2017.

BRASIL. Resolução Nº 9, de 6 de agosto de 1969. Disponível em:
. Acesso em: 14 ago. 2017.

BRASIL. CAPES. Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. Disponível em: https://capes.gov.br/educacao-basica/capespibid. Acesso em 20 de outubro de 2017.

BRZEZINSKI, Iria. Pedagogia, pedagogos e formação de professores: busca e movimento. Campinas, São Paulo: Papirus, 1996.

CEPAE (Centro de Educação e Pesquisa Aplicada ao Ensino) da UFG. Projeto Político Pedagógico. Disponível em: https://www.cepae.ufg.br/up/80/o/Caracterização_do_CEPAE_2017.pdf
Acesso em junho de 2018.

COLOMBO, Irineu Mario. BALLÃO, Carmen Mazepa. Histórico e aplicação da legislação de estágio no Brasil. Educar em Revista, v. 30, n. 5. Curitiba (PR), 2014.
FAZENDA, Ivani. O papel do estágio nos cursos de formação de professores. In: PICONEZ, Stela (Coord.). A prática de ensino e o estágio supervisionado. Campinas, SP: Papirus, 1991. p. 53-62.

FOLHA DE SÃO PAULO. Especialistas querem residência pedagógica. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2013/08/1321238-especialistas-querem-residencia-pedagogica-para-docente.shtml Acesso em abril de 2018.

FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS. Um estudo avaliativo do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid). / Bernardete A. Gatti; Marli E. D. A. André; Nelson A. S. Gimenes; Laurizete Ferragut, pesquisadores. São Paulo: FCC/SEP, 2014. Disponível em: http://capes.gov.br/images/stories/download/bolsas/24112014-pibid-arquivoAnexado.pdf. Acesso em 02 de setembro de 2017.

GATTI, Bernadette Angelina. A formação inicial de professores para a educação básica: as licenciaturas. Revista USP, São Paulo, n. 100, p. 33-46, dez./jan./fev.2013-2014. Disponível em: . Acesso em: 14 ago. 2017.

GATTI, Bernardette Angelina.; NUNES, Marina Muniz Rossa (Orgs.). Formação de professores para o ensino fundamental: um estudo dos currículos das licenciaturas em Pedagogia, Língua Portuguesa, Matemática e Ciências Biológicas. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2009.

GATTI, Bernardette Angelina; TARTUCE, Gisela Lobo.; UNBEHAUM, Sandra. Formação de professores para o Ensino Fundamental: instituições formadoras e seus currículos. Estudos e pesquisas educacionais, São Paulo, Fundação Victor Civita, p.96-138, 2010.

KENSKI, Vani Moreira. A vivência escolar dos estagiários e a prática de pesquisas em estágios supervisionados. In: PICONEZ, Stela (Coord.). A prática de ensino e o estágio supervisionado. Campinas, SP: Papirus, 1991. p. 39-52.

MELO, Maria Julia Carvalho de; ALMEIDA, Lucinalva Athaide Andrade de. Estágio supervisionado e prática docente: sentidos das produções discursivas da ANPEd, BDTD e EPENN. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2016.

OLIVEIRA, Raquel Gomes de. Estágio supervisionado: horas de parceria escola-comunidade. Jundiaí, SP: Paco Editorial, 2011.

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Socorro Lucena. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2010.

PICONEZ, Stela. A prática de ensino e o estágio supervisionado: a aproximação da realidade escolar e a prática da reflexão. In: PICONEZ, Stela (coord.). A prática de ensino e o estágio supervisionado. Campinas, SP: Papirus, 1991. p. 39-52.

RIVAS, Noelly Prestes Padilha; PEDROSO, Cristina Cinto Araújo, BEZERRA, Delma Rosa dos Santos. O estágio supervisionado no contexto da disciplina Didática: possibilidades de formação no curso de Pedagogia. In: PACÍFICO, Soraya Maria Romano; ARAÚJO, Elaine Sampaio (Orgs.). O estágio e a produção do conhecimento docente. São Carlos, SP: Pedro e João Editores, 2013.

VEIGA, Ilma Passos de Alencastro. Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. IN: Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico. Campinas, SP: Papirus, 1995.

PAIVA, Vanilda. O conceito de “Capital Humano”. Revista Cedes. 2001. Disponível em:
https://docs.wixstatic.com/ugd/5b6fd7_eed4028ba79c4c95b10146017aee4c69.pdf Acesso em: fevereiro de 2018.
Publicado
07-02-2020
Como Citar
Barra, V. M. L. da. (2020). O estatuto do trabalho do professor da escola: . Revista Educação Em Questão, 58(55). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2020v58n55ID18105
Seção
Artigos