Perspectivas Pedagógicas em Nietzsche: diálogo, agonismo e o cultivo de si.

  • Lucia Schneider Hardt UFSC
Palavras-chave: Diálogo. Nietzsche. Acampora. Cultivo de si.

Resumo

Este estudo de caráter bibliográfico tem como propósito destacar o lugar e a importância do diálogo na obra de Nietzsche e conectá-la com a ideia de agonismo, também importante na obra do filósofo e desenvolvida por Acampora, para refletir sobre a importância dessa conexão para a educação. Tanto a disputa quanto o diálogo nas práticas educativas são procedimentos de enfrentamento da violência, produzindo valores, padrões de medida e sentidos para a convivência humana. A ideia do diálogo e de disputa solicitam uma ideia de cultivo de si desenvolvida por Nietzsche e que inaugura outra pedagogia, que nos coloca no lugar de quem é convidado a evitar a ossificação de uma perspectiva na forma de tirania e ativar em cada um seu processo de individualização, que em alguma medida é um antídoto à sedução ao rebanho para então inventar rotas de fuga criando performances para um pensar e agir mais livres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACAMPORA, Christa Davis. As disputas de Nietzsche. Tradução: Peterson Roberto da Silva; revisão técnica Jean Gabriel Castro da Costa. Florianópolis: Editora da UFSC, 2018.

MARTON, Scarlett. Claustros vão se fazer outra vez necessários. In: Nietzsche, seus leitores e suas leituras. São Paulo: Barcarolla, 2010.

NIETZSCHE, Friedrich. A gaia ciência. Tradução, notas e posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

NIETZSCHE, Friedrich. Além do bem e do mal. Prelúdio a uma filosofia do futuro. Tradução, notas e posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

NIETZSCHE, Friedrich .Assim falava Zaratustra. Um livro para todos e para ninguém. Tradução Mário Ferreira dos Santos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

NIETZSCHE, Friedrich . Aurora: reflexões sobre os preconceitos morais. Tradução, notas e posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

NIETZSCHE, Friedrich . Crepúsculo dos ídolos ou como se filosofa com o martelo. Tradução Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

NIETZSCHE, Friedrich . Ecce homo: como alguém se torna o que é. Tradução Paulo César de Souza São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

NIETZSCHE, Friedrich . Escritos sobre educação. Tradução Noéli Correia de Melo Sobrinho. Rio de Janeiro: PUC-RIO; São Paulo: Loyola, 2004.

NIETZSCHE, Friedrich . Genealogia da moral. Tradução Mário Ferreira dos Santos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

NIETZSCHE, Friedrich . Humano, demasiado humano. Tradução, notas e posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

NIETZSCHE, Friedrich. O caso Wagner: um problema para músicos/ Nietzsche contra Wagner: dossiê de um psicólogo; tradução e posfácio Paulo Cesar de Souza – São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

NIETZSCHE, Friedrich . Correspondência II – Abril 1869 a Diciembre de 1874. Tradução e notas de Andrés Rubio. Organização Luis Enrique de Santiago Guervós. Madrid: Editorial Trotta, 2012.

OLIVEIRA, Jelson. Nietzsche e o Heráclito que ri: solidão, alegria trágica e devir inocente. Veritas, v. 55, n. 3, p. 217-235, set./dez. 2010.

OLIVEIRA, Jelson . A profilaxia do silêncio. ethic@, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 133-155, jun. 2011.

OLIVEIRA, Jelson . Apontamentos sobre a influência de Montaigne sobre Nietzsche nos escritos do segundo período. Cadernos de Ética e Filosofia Política, v. 14, n. 1, p. 123-145, 2009.

ZITTEL, Claus. Der Dialog als philosophische Form bei Nietzsche, in: Nietzsche-Studien. Internationales Jahrbuch für die Nietzsche-Forschung, Bd. 45 (2016), S. 81-112 (Artigo apresentado em evento em Florianópolis-SC e traduzido por Jorge Luiz Viesenteiner).
Publicado
07-02-2020
Como Citar
Hardt, L. S. (2020). Perspectivas Pedagógicas em Nietzsche: diálogo, agonismo e o cultivo de si . Revista Educação Em Questão, 58(55). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2020v58n55ID19042
Seção
Artigos