Tatear e desvendar jogos eletrônicos

dispositivos móveis e crianças pequenas

Palavras-chave: Crianças pequenas, Letramento digital, Ludicidade, Jogos eletrônicos

Resumo

O artigo intitulado “Tatear e desvendar jogos eletrônicos: dispositivos móveis e crianças pequenas” aborda a interação de crianças com jogos eletrônicos em dispositivos móveis, resultados da pesquisa realizada em uma instituição pública municipal de Educação Infantil da cidade de Maceió (Alagoas, Brasil). Teve como objetivo investigar os processos de letramento digital das crianças de 4 a 5 anos de idade, numa pesquisa-intervenção desenvolvida a partir das contribuições da Sociologia da Infância e dos estudos sobre Letramento Digital. O diário de campo e videogravação foram utilizados como instrumentos de coleta de dados, de modo a captar ações, expressões e interações das crianças com os tablets, com os adultos e entre si. As conclusões apontam para o fato de que as crianças pequenas constroem ricas e diversificadas experiências com o universo digital na medida em que lhes são oferecidas condições necessárias para que possam explorar os tablets com criatividade e autonomia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Lynn. Letramento e games: uma teia de possibilidades. Educação & Tecnologia, Belo Horizonte, vol. 15, n. 2, mai./ago, 2010.
ANJOS, Cleriston Izidro dos. Tatear e desvendar: um estudo com crianças pequenas e dispositivos móveis. 2015. 271f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2015.
BAUM, Carlos. Sobre o videogame e cognição inventiva. Dissertação de Mestrado em Psicologia Social. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.
BRANDÃO, Roberta Purper; BITTENCOURT, Maria Inês Garcia de Freitas; VILHENA, Junia de. A mágica do jogo e o potencial do brincar. In: SBGames, IX, 2010, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: UNIVALI, 2010. Online.
BRASIL. Parecer CNE/CEB nº .20/2009. Diretrizes Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, 2009.
BROUGÈRE, Gilles. Brinquedo e cultura. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
BROUGÈRE, Gilles. Jogo e educação. Porto Alegre: Editora Artes Médicas, 1998.
CORSARO, William Arnold. A. Sociologia da Infância. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.
COUTO, Edvaldo Souza. A infância e o brincar na cultura digital. Perspectiva, Florianópolis, v 31, n. 3, 897-916, set./dez. 2013.
DEDE, Chris. Planning for neomillennial lerning styles. Educause Quarterly, [S.l.], 1, 2005.
GAVILLON, Póti Quartiero. Videogames e políticas cognitivas. 2014. 104f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Programa de Pós-graduação em Psicologia Social e Institucional, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.
GEE, James Paul. Bons videogames e boa aprendizagem. Perspectiva, Florianópolis, v. 27, n. 1, p. 167-178, jan. 2009.
MARASCHIN, Cleci; BAUM, Carlos. Videogames como objetos interessantes ao estudo da cognição. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 21, n. 2, p. 254-273, jul./dez. 2013.
MONTE, Washington Sales do. Oficinando com jovens: análise de processos de atenção na experiência dom jogos digitais. 131f. Dissertação (Mestrado em Ambiente, Tecnologia e Sociedade) – Programa de Pós-graduação em Ambiente, Tecnologia e Sociedade, Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, 2014.
MONTEIRO, Ana Francisca. O papel da internet na vida das crianças. In: MARTINS, Moisés de Lemos; PINTO, Manuel. (Orgs.). Comunicação e Cidadania: Congresso da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação, 5. 2008, Braga. Actas [...]. Braga: Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade / Universidade do Minho, 2008. Online.
PAPERT, Seymour. A máquina das crianças: repensando a escola na era da informática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.
SACCOL, Amarolinda; SCHLEMMER, Eliane; BARBOSA, Jorge. M-learning e u-learning: novas perspectivas da aprendizagem móvel e ubíqua. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.
SARMENTO, Manuel Jacinto. A reinvenção do ofício de criança e de aluno. Atos de Pesquisa em Educação, Blumenau, v. 6, n. 3, p. 581-602, set./dez. 2011.
TAKAKI, Nara Hiroko. Letramentos na sociedade digital: navegar é e não é preciso. Jundiaí: Paco Editoral, 2012.
VEEN, Wim; VRAKKING, Ben. Homo zappiens: educando na era digital. Porto Alegre: Artmed, 2009.
ZAGAL, Jose. Ludoliteracy: defining, understanding and supporting Games Education. Pittsburgh: ETC Press, 2010.
Publicado
03-09-2020
Como Citar
Izidro dos Anjos, C., & Leopoldo Mercado, L. P. (2020). Tatear e desvendar jogos eletrônicos. Revista Educação Em Questão, 58(57). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2020v58n57ID19872
Seção
Artigos