A Teoria da Aprendizagem Significativa e o jogo

  • Felipe do Espirito Santo Silva-Pires Instituto Oswaldo Cruz/Fiocruz
  • Valéria da Silva Trajano Instituto Oswaldo Cruz/Fiocruz
  • Tania Cremonini de Araujo-Jorge Instituto Oswaldo Cruz/Fiocruz
Palavras-chave: Jogo, Aprendizagem Significativa, Lugares Comuns da Educação, Conceitos Estruturantes

Resumo

O jogo faz parte da história da humanidade e seu potencial como facilitador dos processos de ensino e de aprendizagem está associado ao uso de uma linguagem clara e objetiva. O jogo promove o compartilhamento e negociação de significados, de forma não-arbitrária e substantiva, possibilitando uma Aprendizagem Significativa, que ocorre quando há associação entre o conhecimento prévio do indivíduo com um material potencialmente significativo, como ideias ou conceitos. O propósito deste trabalho é apresentar os princípios da Teoria da Aprendizagem Significativa e o conceito e as propriedades do jogo, e discutir como ambos interagem. Acreditamos que a Teoria se configura como referencial teórico-metodológico para a construção de recursos didáticos capazes de facilitar os processos de ensino e de aprendizagem, e que o jogo se destaca como material educacional ao promover o desenvolvimento cognitivo, afetivo e motor por meio da integração entre professor-aluno-conteúdo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUSUBEL, David Paul. Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Editora Plátano, 2003.
AUSUBEL, David Paul; NOVAK, Joseph Donald; HANESIAN, Helen. Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.
AZEVEDO, Gilles Henrique Tavares de. Classificações de objetos lúdicos: sistema COL na brinquedoteca. In: KISHIMOTO, Tizuko Morchida; SANTOS, Maria Walburga dos (Org.). Jogos e brincadeiras: tempos, espaços e diversidade. São Paulo: Cortez, 2016.
BLACKMAN, Sue. Serious games... and less! Computer Graphics, New York, v. 39, n. 1, p. 12-16, 2005.
CAILLOIS, Roger. Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Petrópolis: Vozes, 2017.
CARVALHO, José Roberto Calçada. Competição e cooperação na educação física escolar. 2. ed. São Paulo: Perse, 2015.
COSTA, Leandro Demenciano. O que os jogos de entretenimento têm que os educativos não têm: 7 princípios para projetar jogos educativos eficientes. Teresópolis: Ed. Novas Ideias, 2010.
CUNHA, Marcia Borin da. Jogos no ensino de química: considerações teóricas para sua utilização em sala de aula. Química Nova na Escola, São Paulo, v. 34, n. 2, p. 92-98, 2012.
DIAS, Marina Célia Moraes. Metáfora e pensamento: considerações sobre a importância do jogo na aquisição do conhecimento e implicações para a educação pré-escolar. In: KISHIMOTO, Tizuko Morchida (Org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 14. ed. São Paulo: Cortez, 2011.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 58. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.
GAGLIARD, Raúl. Los conceptos estructurales en el aprendizaje por investigación. Revista Enseñanza de las ciencias, Barcelona, v. 4, n. 1, p. 30-35, 1986.
GARON, Denise. Classificação e análise de materiais lúdicos - O sistema ESAR. In: FRIEDMANN, Adriana (Org.). O direito de brincar: a brinquedoteca. 4. ed. São Paulo: Scritta, 1998.
GOWIN, Bob. Educating. New York: Cornell University Press, 1981.
HUIZINGA, Johan. Homo ludens. 8. ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.
KAPP, Karl. The gamification of learning and instruction: game-based methods and strategies for training and education. Nova Jersey: John Wiley & Sons, 2012.
KISHIMOTO, Tizuko Morchida. O jogo e a educação infantil. In: KISHIMOTO, Tizuko Morchida (Org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 14. ed. São Paulo: Cortez, 2011.
KISHIMOTO, Tizuko Morchida. O jogo e a educação infantil. São Paulo: Cengage Learning, 2016.
KOSTER, Raph. A theory of fun for game design. 2. ed. Sebastopol‎: O'Reilly Media, 2013.
LEMOS, Evelyse dos Santos. Enseñanza y el hacer docente: reflexiones a la luz de la teoría del aprendizaje significativo. Aprendizagem Significativa em Revista, Porto Alegre, v. 2, n. 2, p. 23-41, 2012.
MICHELET, André. Classificação de jogos e brinquedos – A Classificação I.C.C.P. In: FRIEDMANN, Adriana (Org.). O direito de brincar: a brinquedoteca. 4. ed. São Paulo: Scritta, 1998.
MOREIRA, Marco Antonio. Aprendizagem significativa subversiva. In: ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA, 3., 2000, Peniche. Atas [...]. Peniche, 2000.
MOREIRA, Marco Antonio. Aprendizagem significativa crítica. Porto Alegre: Instituto de Física da UFRGS, 2005.
MOREIRA, Marco Antonio. Teorias de aprendizagem. 2. ed. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária Ltda, 2011.
NOVAK, Joseph Donald. A Theory of Education. New York: Cornell University Press, 1977.
NOVAK, Joseph Donald. Aprender, criar e utilizar o conhecimento: mapas conceituais como ferramentas de facilitação nas escolas e empresas. Lisboa: Plátano, 2000.
NOVAK, Joseph Donald. A theory of education: meaningful learning underlies the constructive integration of thinking, feeling, and acting leading to empowerment for commitment and responsibility. Aprendizagem Significativa em Revista, Porto Alegre, v. 1, n. 2, p. 1-14, 2011.
PIAGET, Jean. A Formação do Símbolo na Criança. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2010.
ROGERS, Scott. Level up: um guia para o design de grandes jogos. São Paulo: Blucher, 2016.
ROMÃO, João Jair da Silva. Estudo sobre interfaces gráficas digitais para jogos e atividades lúdicas. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Design) – Curso de Design, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.
SCHWAB, Joseph. The practical 3: translation into curriculum. The School Review, Chicago, v. 81, n. 4, p. 501-522, 1973.
VANZELLA, Lila Cristina Guimarães. Jogos de tabuleiro: análise na perspectiva histórica. In: KISHIMOTO, Tizuko Morchida; SANTOS, Maria Walburga dos (Org.). Jogos e brincadeiras: tempos, espaços e diversidade. São Paulo: Cortez, 2016.
Publicado
03-09-2020
Como Citar
do Espirito Santo Silva-Pires, F., da Silva Trajano, V., & Cremonini de Araujo-Jorge, T. (2020). A Teoria da Aprendizagem Significativa e o jogo. Revista Educação Em Questão, 58(57). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2020v58n57ID21088
Seção
Artigos