Pesquisa e formação docente

possibilidades da autoconfrontação

Palavras-chave: Pesquisa e Formação Docente; Autoconfrontação; Prática Docente. Vida Cotidiana.

Resumo

O objetivo deste artigo é a exposição da defesa de que a autoconfrontação, sob a mediação da crítica e da autocrítica, pode promover pesquisa e formação docente, favorecendo movimentos de transformação da prática docente e, talvez, por consequência, da realidade escolar. O eixo teórico-metodológico é fundamentado no materialismo histórico dialético, com destaque às categorias singularidade, particularidade e universalidade; ao conceito de vida cotidiana e à autoconfrontação, como procedimento metodológico não restrito à produção descritiva da prática docente. Conclui-se que, promovendo o encontro do docente com sua própria prática, sob a finalidade de se constituir novo contexto, se pode realizar tanto o processo de produção da pesquisa, quanto o de formação e de transformação da prática docente.

Palavras-Chave: Pesquisa e Formação Docente; Autoconfrontação; Prática Docente. Vida Cotidiana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Vilani Cosme de Carvalho, Universidade Federal do Piaui

Tem pós-doutorado (2011), doutorado (2004) e mestrado (1997) em Educação, com área de concentração em Psicologia da Educação, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. É professora-pesquisadora da Universidade Federal do Piauí, na categoria associado, lotada no Departamento de Fundamentos da Educação e no Programa de Pós-Graduação em Educação no Centro de Ciências da Educação, atuando na área e campo da Educação, em especial com a Psicologia da Educação, ministrando disciplinas e orientando Trabalhos de Conclusão de Curso, Iniciação Científica, Dissertações e Teses.Tem estudado e publicado sobre temáticas relativas à linha de pesquisa Formação Humana e Processos Educativos, como: os processos constitutivos da (trans)formação humana, os processos de constituição da identidade do educador, os processos de produção de significados e sentidos da profissão docente, notadamente da formação e atividade docente, tendo como fundamentação teórico-metodológica o Materialismo Histórico Dialético e a Psicologia Sócio-Histórica. Líder do grupo de pesquisa "Núcleo de Estudos e Pesquisas Histórico-Críticas em Educação e Formação Humana" (NEPSH).

Wanda Maria Junqueira de Aguiar, Ponti´fícia Universidade Católica de São Paulo

Professora Titular da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Psicóloga, graduada pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1975). Mestrado (1988) e Doutorado (1996) em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Docente e pesquisadora do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: Psicologia da Educação, do Programa de Mestrado Profissional em Educação: Formação de Professores e do curso de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Recebeu Bolsa Produtividade PQ 2 em 2018. Publicou 20 artigos em periódicos especializados e 72 trabalhos em anais de eventos. Possui 41 capítulos de livros publicados e participou da organização de 5 livros nos últimos dez anos. Participou de 12 eventos no exterior e 34 no Brasil. Orientou 43 dissertações de mestrado, e 23 de doutorado, sendo que no momento orienta 3 alunos de doutorado, 8 de mestrado e 1 de Pós-Doc. Atua na área de Psicologia da Educação, com ênfase em Psicologia Sócio-Histórica. Coordenou o Projeto de Cooperação Acadêmica - PROCAD (2008-2012), realizado em parceria entre as instituições PUCSP, UFAL, UNISA RJ, com apoio da Capes. Atualmente coordena outro PROCAD (2015-2020), que está sendo realizado entre as instituições PUCSP, UFAL, UFPI, UERN, com apoio CNPq/Capes. Desde 2018 possui Bolsa Produtividade CNPQ. É líder do Grupo de Pesquisa cadastrado no CNPQ- Atividade Docente e Subjetividade (GADS). Em seu currículo lattes os termos mais frequentes na contextualização da produção cientifica, são: educação, psicologia da educação, formação de professor, sentidos e significados,dimensão subjetiva e emancipação/ transformação.

Raquel Antonio Alfredo, Sem filiação institucional no momento

Doutora em Educação: Psicologia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP (2013), mesma universidade pela qual graduou-se em Pedagogia (2002). Especializou-se em Educação: Fundamentos de uma Educação para o Pensar (2004) e em Psicopedagogia (2005) pela Coordenadoria Geral de Especialização, Aperfeiçoamento e Extensão - COGEAE/PUC-SP. Em 2006, também pela PUC-SP, obteve grau de mestre em Educação: Psicologia da Educação. Atua no campo da pesquisa em Psicologia da Educação, da Supervisão e Orientação Educacional Institucional, da Supervisão e Orientação Individual em Estudos Acadêmicos e da Orientação Profissional de Jovens e Adultos. É credenciada como professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED) da Universidade Federal do Piauí - UFPI e bolsista do Programa Nacional de Pós-Doutorado/CAPES, membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas Histórico-Críticas em Educação e Formação Humana (NEPSH) da UFPI e pesquisadora no grupo de pesquisa do Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia da Educação (PUC-SP), cadastrado no CNPQ sob a denominação Atividade Docente e Subjetividade, participando, desde 2014, no desenvolvimento do projeto PROCAD aprovado sob o título: TECENDO REDES DE COLABORAÇÃO NO ENSINO E NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE A DIMENSÃO SUBJETIVA DA REALIDADE ESCOLAR e, desenvolvido em parceria estabelecida entre a Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP (Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia da Educação), a Universidade Federal do Piauí (PPGEd: Programa de Pós-Graduação em Educação), a Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (PPG: Programa de Pós-Graduação em Educação) e a Universidade Federal de Alagoas (PPG: Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira).

Referências

Referências

AGUIAR, Wanda Maria Junqueira de; DAVIS, Claudia Lemes Ferreira. Significados e sentidos no contexto escolar. Linguagens, Educação e Sociedade, Teresina, n. 25, p. 183-196, jul./dez. 2011. Disponível em http://ufpi.br/arquivos_download/arquivos/ppged/arquivos/files/les25.pdf. Acesso em: 17 nov. 2019.
ALFREDO, Raquel Antonio. Análise da Pedagogia de Makarenko por Lukács e a Relação entre o Processo Educativo e o Desenvolvimento Histórico-Social do Ser Humano: Contribuições à Psicologia Sócio-Histórica. 2013. 340f. (Tese de Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação: Psicologia da Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2013. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/16109. Acesso em: 22 nov. 2019.
BRANDO, Maria Fourpome. Análise da atividade docente: em busca dos sentidos e significados constituídos pelo professor acerca das “dificuldades de aprendizagem”. 2012. 259 f. (Tese de Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação: Psicologia da Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/16044. Acesso em: 18 nov. 2019.
CARVALHO, Maria Vilani Cosme de; AGUIAR, Wanda Maria Junqueira de. Autoconfrontação: narrativa videogravada, reflexividade e formação do professor como ser para si. In. MAIA, Helenice; FUMES, Neiza de Lourdes Frederico; AGUIAR, Wanda Maria Junqueira de (Org.). Formação, atividade e subjetividade: aspectos indissociáveis da docência. São Paulo: Marsupial Editora, 2013, p. 193-237. E-book. Disponível em: http://marsupialeditora.com.br/download/formacaoatividadeesubjetividade.pdf. Acesso em: 29 out. 2019.
CLOT, Yves. A Função Psicológica do Trabalho. Tradução Adail Sobral. 2. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2006.
Clot, Yves; Leplat, Jacques. La méthode clinique en ergonomie et en psychologie du travail. In: Le Travail Humain, v. 68, n. 4, p. 289-316, 2005. Disponível em: https://doi.org/10.3917/th.684.0289 . Acesso em: 02 fev. 2020.
DUARTE, Newton. A Individualidade para-si: Contribuições a uma teoria histórico social da formação do indivíduo. Campinas, SP: Autores Associados, 1993.
DUARTE, Newton. Educação escolar, teoria do cotidiano e a escola de Vigotski. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 1999.
DUARTE, Newton. Educação escolar, teoria do cotidiano e a escola de Vigotski. 3. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2001.
FAÏTA, Daniel; MAGGI, Bruno (Org.). Un débat en analyse du travail: deux méthodes em synergie dans l’étude d’une situation d’enseignement. Toulouse: Octarès, 2007.
HELLER, Agnes. Sociologia de la vida cotidiana. 4. ed. Barcelona: Península, 1977.
HELLER, Agnes. Cotidiano e história. Tradução Carlos Nelson Coutinho e Leandro Konder. 6. ed. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 2000.
KOPNIN, Pável Vasílievich. A Dialética como lógica e teoría do conhecimento. Tradução Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.
LEONTIEV, Alexis Nikolaevich. O Desenvolvimento do Psiquismo. Tradução Manuel Dias Duarte. Lisboa: Livros Horizonte, 1978.
LEFEBVRE, Henri. Lógica formal / lógica dialética. 5. ed. Tradução Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.
LUKÁCS, György. Ontologia do Ser Social. Tradução Carlos Nelson Coutinho. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas, 1979.
LUKÁCS, György. Prolegômenos para uma ontologia do ser social: questões de princípios para uma ontologia hoje tornada possível. tradução Lya Luft e Rodnei Nascimento. São Paulo: Boitempo, 2010.
LUKÁCS, György. História e consciência de classe: estudo sobre a dialética marxista. Tradução Rodnei Nascimento. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2018.
MARX, Karl Heinrich. O Capital: crítica da economia política. tradução Reginaldo Sant’Anna. 7. ed. São Paulo: Difel, 1982.
MARX, Karl Heinrich. Manuscritos econômico-filosóficos. Tradução Jesus Ranieri. São Paulo: Boitempo, 2004.
MARX, Karl Heinrich. Teses sobre Feuerbach. Edição Ridendo Castigat Mores. E-book. Disponível em: . Acesso em: 04 nov. 2018.
MÉSZÁROS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. Tradução Paulo Cezar Castanheira, Sérgio Lessa. São Paulo: Boitempo, 2011.
OLIVEIRA, Betty Antunes. A dialética do singular-particular-universal. In: ABRANTES , Angelo Antonio; SILVA, Nilma Renildes da; MARTINS, Sueli Terezinha Ferreira. (Org.) Método histórico-social na psicologia. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005, p. 25-51.
SOARES, Júlio Ribeiro. Atividade docente e subjetividade: sentidos e significados constituídos pelo professor acerca da participação dos alunos em atividades de sala de aula. 2011. 328 f. (Tese de Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação: Psicologia da Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/15990. Acesso em: 23 nov. 2019.
RETZ, Raquel de Godoy. A “autoconfrontação” como possibilidade de reflexão e movimento nas atividades de docência: um estudo sobre os estágios. 2012. 199f. (Tese de Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação: Psicologia da Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/16028. Acesso em: 09 nov. 2019.
VIGOTSKI, Lev Semiónovitch. Concrete Human Psychology. Trad. Enid Abreu Dobránszky. Apresentação de A. A. Puzyrei. Soviet Psychology, v. 17, n. 2, 1989. Disponível em: https://doi.org/10.2753/RPO1061-0405270253. Acesso em: 22 jan. 2020.
VIGOTSKI, Lev Semiónovitch. Psicologia da Arte. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
VIGOTSKI, Lev Semiónovitch. A Construção do pensamento e da linguagem. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
Publicado
16-10-2020
Como Citar
Cosme de Carvalho, M. V., Junqueira de Aguiar, W. M., & Antonio Alfredo, R. (2020). Pesquisa e formação docente. Revista Educação Em Questão, 58(58). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2020v58n58ID21428
Seção
Artigos