Editais de concurso docente da Universidade Federal do Pampa

uma análise sobre a Lei de Cotas

Palavras-chave: Cotas raciais. Concurso Público. Universidade. Raça.

Resumo

O artigo investigou a aplicação da lei 12.990/2014 nos editais para docência na Unipampa, bem como a procura e o ingresso via cotas raciais. Para isto, a partir da etnografia de documentos, foram analisados 74 editais de ingresso para docência superior na instituição, do período de 2014 a 2018. O que confirmou que a instituição se adequa à lei. No entanto, revelou que as reservas de cotas raciais não estão sendo procuradas na proporção de sua oferta e que as(os) candidatas(os) não avançam nas etapas dos concursos. Assim, pode-se associar a baixa procura das vagas com o percentual de aprovação e inferir que estes podem ser fatores que contribuem para o número reduzido de professoras(es) negras(os) na instituição. Com isso, é necessário ampliarmos este debate para o campo universitário a fim de ressaltar a importância das cotas para o combate das desigualdades raciais em ambientes historicamente permeados pelo racismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Barbosa Soares, Universidade Federal do Pampa/ Unipampa

Mestra em Educação em Ciências pela Universidade Federal do Pampa, campus Uruguaiana- RS. Pequisadora do Grupo de Pesquisa Tuna – gênero, educação e diferença da Unipampa. Orcid iD: https://orcid.org/0000-0001-8008-5830

Fabiane Ferreira da Silva, Universidade Federal do Pampa

Doutora em Educação em Ciências. Professora da Universidade Federal do Pampa, campus Uruguaiana-RS. Vice-lider do Grupo de Pesquisa Tuna – gênero, educação e diferença da Unipampa. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Sexualidade e Escola da FURG. Orcid iD: https://orcid.org/0000-0002-0608-4490

Referências

ALMEIDA, Silvio Luiz de. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.
BRASIL. Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental n° 186 (Inteiro Teor do Acórdão). Tem como objeto os atos que instituíram sistema de reserva de vagas com base em critério étnico-racial (cotas) no processo de seleção para ingresso na Universidade de Brasília. Brasília: STF, 2012. Disponível em:
https://www.stf.jus.br/arquivo/cms/noticiaNoticiaStfArquivo/anexo/ADPF186.pdf. Acesso em: 15 ago. 2019.
BRASIL. Lei nº 12.288, de 20 de julho de 2010. “Institui o Estatuto da Igualdade Racial; altera as Leis n. 7.716, de 5 de janeiro de 1989, 9.029, de 13 de abril de 1995, 7.347, de 24 de julho de 1985, e 10.778, de 24 de novembro de 2003”. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12288.htm. Acesso em: 07 jul. 2019.
BRASIL. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. “Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências”. Brasília, 2012b. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Acesso em: 14 abr. 2019.
BRASIL. Lei nº 12.990, de 9 de junho de 2014. “Dispõe sobre a reserva aos negros 20% (vinte por cento) das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos no âmbito da administração pública federal, das autarquias, das fundações públicas, das empresas públicas e das sociedades de economia mista controladas pela União”. Brasília, 2014. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L12990.htm. Acesso em: 02 mai. 2019.
BRASIL. Portaria Normativa n.º 4, de 06 de abril de 2018. “Regulamenta o procedimento de heteroidentificação complementar à autodeclaração dos candidatos negros, para fins de preenchimento das vagas reservadas nos concursos públicos federais, nos termos da Lei n°12.990, de 9 de junho de 2014”. Brasília: Ministério do. Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG). Secretaria de Gestão de Pessoas, 2018. Disponível em: https://www.mdh.gov.br/biblioteca/igualdade-racial/portaria-normativa-no-4-2018-regulamenta-o-procedimento-de-heteroidentificacao-complementar-a-autodeclaracao-dos-candidatos-negros-em-concursos-publicos/view. Acesso em: 02 mai. 2019.
BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Censo da Educação Superior – Microdados do ano 2017: notas estatísticas. Brasília, 2018. Disponível em: http://inep.gov.br/microdados Acesso em: 13 nov. 2019.
DEMOCRATAS. “Petição inicial da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 186 (com pedido de suspensão liminar), visando à declaração de atos do Poder Público que resultaram na instituição de cotas raciais na Universidade de Brasília”, 2009. Disponível em:
http://www.stf.jus.br/portal/geral/verPdfPaginado.asp?id=400108&tipo=TP&descricao=ADPF%2F186 Acesso em: 10 ago. 2019.
GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. Pesquisa Nacional por Amostra de domicílios contínua trimestral. Tabela 6403 – população, por cor ou raça. Sistema IBGE de Recuperação Automática: SIDRA, 2019. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/tabela/6403#notas-tabela. Acesso em: 03 jan. 2020.
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil. Estudos e Pesquisas - Informação Demográfica e Socioeconômica, n. 41. Brasília, DF: IBGE, 2019a.
IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Políticas Sociais: acompanhamento e análise. Brasília, DF: Ipea, 2019. Disponível em: http://ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/politicas_sociais/190821_boletim_bps_26_igualdade_racial.pdf. Acesso em: 20 nov. 2019.
JACCOUD, Luciana. Racismo e república: o debate sobre o branqueamento e a discriminação no Brasil. In: THEODORO, Mário. (Org.). As políticas públicas e a desigualdade racial no Brasil: 120 anos após a abolição. Brasília - DF: Ipea, 2008.
MELLO, Luiz; RESENDE, Ubiratan Pereira de. Concursos públicos para docentes de universidades federais na perspectiva da Lei 12.990/2014: desafios à reserva de vagas para candidatas/os negras/os. Revista Sociedade e Estado, v. 34, n. 1, jan./abr. 2019. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/se/v34n1/0102-6992-se-34-01-161.pdf. Acesso em: 02 dez 2019.
MENEGHEL, Stela Nazareth; FARINA, Olga; RAMÃO Silvia Regina. Histórias de resistência de mulheres negras. Estudos Feministas, Florianópolis, v.13, n3, p. 567-583, set./dez. 2005.
NOGUEIRA, Azânia Mahin Romão. O lugar das professoras negras na Universidade Federal de Santa Catarina. Seminário Internacional Fazendo Gênero 11&13th Women’s Word Congress – Anais Eletrônicos, Florianópolis, 2017. Disponível em:
http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499469299_ARQUIVO_FazendoGenero2017.pdf. Acesso em: 01 dez, 2018.
NUNES, Georgina H. Lima. Politicas de ação afirmativa: o balanço da década. In. SILVERA, Marta Iris Camargo da; BIANCHI, Paula (Orgs.). Núcleo Interdisciplinar de Educação: articulação de contextos e saberes nos (per)cursos de Licenciatura da Unipampa. Florianópolis: Tribo da Ilha, 2013.
RIBEIRO, Djamila. Pequeno manual antirracista. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.
RIBEIRO, Maria Luisa Santos. História da educação brasileira: a organização escolar. 21. ed. Campinas, SP: Autores Associados: Histedb, 2010.
ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da Educação no Brasil: (1930/1973). 36.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.
ROSA, Waldemir. Politicas afro-reparatórias na educação brasileira: educação, identidades políticas e o debate sobre a diferença racial na atualidade. In. SILVA, Fabiane Ferreira da; BONETTI, Alinne de Lima (Org.). Gênero, interseccionalidade e feminismos: desafios contemporâneos para a Educação. São Leopoldo, RS: Oikos, 2016.
SILVA, Joselina da. Doutoras professoras negras: o que nos dizem os indicadores oficiais. Perspectiva, Florianópolis, v. 28, n. 1, p. 19-36, jan./ jun. 2010.
SOARES, Cristiane Barbosa; SILVA, Fabiane Ferreira da. Raça e Gênero no corpo docente da Universidade Federal do Pampa. Cadernos de Gênero e Diversidade, v. 5, n. 3, jul./set. 2019. Disponível em:
http://dx.doi.org/10.9771/cgd.v5i3.33787. Acesso em: 30 dez, 2019.
TODOS PELA EDUCAÇÃO. Anuário Brasileiro da Educação Básica 2019. São Paulo, SP: Editora Moderna, 2019.
UNIPAMPA, Universidade Federal do Pampa. Plano de Desenvolvimento Institucional 2019-2023. Bagé: UNIPAMPA, 2019. Disponível em: https://sites.unipampa.edu.br/proplan/files/2019/09/pdi-2019-2023-publicacao.pdf. Acesso em: 02 dez. 2019.
VIANNA, Adriana. Etnografando documentos: uma antropóloga em meio a processos judiciais. In. CASTILHO, Sergio Ricardo R.; LIMA, Antonio Carlos de S.; TEIXEIRA, Carla Costa. (Orgs.). Antropologia das práticas de poder: reflexões etnográficas entre burocratas, elites e corporações. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2014.
Publicado
16-10-2020
Como Citar
Barbosa Soares, C., & Ferreira da Silva, F. (2020). Editais de concurso docente da Universidade Federal do Pampa. Revista Educação Em Questão, 58(58). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2020v58n58ID22275
Seção
Artigos