Permanecer na docência

o que revelam professores iniciantes egressos do Pibid?

Palavras-chave: Docência. Permanência. Professor Iniciante. Pibid.

Resumo

Este artigo discute a permanência no magistério entre professores iniciantes, egressos do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid) do curso de Pedagogia de uma universidade nordestina brasileira. O referencial teórico apoiou-se em Garcia (2010), André (2015), Nóvoa (2009), dentre outros. O estudo caracteriza-se como qualitativo e empírico, com uso de entrevista como procedimento de coleta de dados. As análises revelaram que os professores iniciantes desse estudo têm expectativas positivas quanto à permanência na carreira docente, apesar das dúvidas e solidão presentes no início da carreira. As constatações da pesquisa reforçam a ideia de que os primeiros anos de iniciação profissional são decisivos na história profissional do professor, inclusive com repercussões determinantes no seu futuro e na sua relação com o trabalho, o que indica a importância do apoio aos docentes iniciantes na carreira, uma demanda urgente e necessária no âmbito das políticas públicas de formação de professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Mikaele da Silva Cavalcante, UECE

Doutoranda e Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Ceará (PPGE-UECE). Graduada em Pedagogia pela mesma instituição. Professora do Centro de Educação da UECE, campus CECITEC. Pesquisadora colaboradora no Grupo de Pesquisa Educação, Cultura Escolar e Sociedade (EDUCAS). Desenvolve pesquisas na área de Educação, precisamente sobre formação de professores, permanência e evasão no magistério e desenvolvimento profissional docente.

Isabel Maria Sabino de Farias, UECE

Professora Associada do Centro de Educação da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da UECE (supervisora de pós-doutorado e orientadora de doutorado, mestrado, especialização, graduação e iniciação científica). Possui Estágio Pós-Doutoral em Educação pela Universidade de Brasília (UNB); Doutorado e mestrado em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará (UFC); Especialista em Metodologia do Ensino Superior pela PUC/MG; Licenciada em Pedagogia pela UECE. Editora da Revista Educação & Formação do PPGE/UECE. Membro do conselho editorial da Revista Educação em Questão (UFRN) e da Formação Docente - Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores (ANPEd GT8/Editora Autêntica), além de outros periódicos qualificados. Vice-coordenadora (2011-2012) e Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UECE (2012-2017), contemplada com os financiamentos: FUNCAP/CAPES Edital 02/2013 - Estímulo à Cooperação Científica e Desenvolvimento da Pós-Graduação; FUNCAP/CAPES Edital 04/2015 - Programa de Pós-Doutorado para Jovens Doutores, que investiu na atuação de jovens doutores no desenvolvimento do Ceará. Coordenadora da Coordenadoria do Ensino lato sensu do Centro de Educação da UECE (10/2004 a 03/2010). Vice-diretora da Faculdade de Educação de Crateús ? FAEC/UECE (12/1992 a 10/1996). Líder do grupo de pesquisa Educação, Cultura Escolar e Sociedade (EDUCAS) e membro do grupo de estudo e pesquisa Formação de Professores e Práticas de Ensino (FOPPE/UFSC). Coordenadora do Observatório Desenvolvimento Profissional Docente e Inovação, que tem contado com financiamentos diversos (CAPES/OBEDUC, CNPq e FUNCAP). Pesquisadora de projetos financiados pelo CNPq (Universal 2018): Pesquisa com Professores Iniciantes: Um estudo sobre indução profissional, iniciativa interinstitucional entre UFRJ, UFSC e UECE; e, Processos de indução de professores iniciantes na escola básica, investigação em rede envolvendo 14 IES e vinculada à PUC/SP. Conselheira do Conselho Estadual de Educação do Ceará (2013-2014). Tutora de projetos de pesquisa apoiados pelo Programa Jovens Pesquisadores (FUNCAP Edital 07/2012). Vice-presidente Nordeste da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd) (12/2015 a 12/2019). Vice-coordenadora (2012-2013) e Coordenadora do FORPRED Nordeste/ANPEd (2013-2015). Representante da ANPEd no Fórum Estadual de Educação do Ceará (FEE-CE). Avaliadora externa do PIBIC/UNILAB e interna da UECE. Coordenadora do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID, 11/2009 a 07/2014) e do Programa de Consolidação das Licenciaturas (PRODOCÊNCIA, 11/2010 a 02/2015) na UECE. Organizadora de eventos científicos (ANPEd, EPEN, ENDIPE, ENALIC etc.). Membro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd), da Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação (ANFOPE) e da Associação Nacional de Didática e Prática de Ensino (ANDIPE). Integra a Red de inducción a la docencia (RID), a Red Iberoamericana de Liderazgo y Prácticas Educativas (RILPE) e a Rede Inter-regional Norte, Nordeste e Centro-Oeste sobre Docência na Educação Básica e Superior (RIDES). Tem se dedicado a estudos e pesquisas sobre desenvolvimento profissional de professores, inovação e docência na Educação Básica e Educação Superior.

Referências

ÁGATA. Entrevista. Fortaleza (Ceará), 17 outubro. 2018.
ALMEIDA, Patrícia Albieri; NORONHA, Shirlayne Santos. Professores iniciantes da Educação Infantil e dos anos iniciais: desafios e práticas que favorecem a inserção profissional. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 12., 2015, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2015.
ANDRE, Marli Eliza Dalmazo Afonso. O Pibid deveria ser transformado em política de formação de professores. Revista Veras, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 67-77, jul./dez. 2015.
ANDRE, Marli Eliza Dalmazo Afonso. Políticas e programas de professores iniciantes no Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 145, p. 112-129, jan./abr. 2012.
BARBOSA, Andreza. Implicações dos baixos salários para o trabalho dos professores brasileiros. Revista Educação e Políticas em Debate, Uberlândia, v. 2, n. 2, p. 384-408, jul./dez. 2012.
BAUER, Adriana; CASSETTARI, Nathalia; OLIVEIRA, Romualdo Portela. Políticas docentes e qualidade da educação: uma revisão da literatura e indicações de política. Ensaio: avaliação políticas públicas em Educação, São Paulo, v. 25, n. 97, p. 943-970, out./dez. 2017.
BRANDÃO, Denise Freitas; PARDO, Maria Benedita Lima Pardo. O interesse de estudantes de Pedagogia pela docência. Educação e pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 2, p. 313-329, abr./jun. 2016.
BRASIL. PALÁCIO DO PLANALTO. Lei nº 11.738, de 16 de julho de 2008. Regulamenta a alínea “e” do inciso III do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 jul. 2008.
CEARÁ. Lei nº 2.567, de 29 de dezembro de 2016. Estabelece o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR) do Grupo Ocupacional dos Profissionais do Magistério da Prefeitura de Maracanaú e dá outras providências. Maracanaú: câmara municipal, 2016.
CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber às práticas educativas. São Paulo: Cortez, 2011.
CODO, Wanderley (Org.). Educação, carinho e trabalho: Burnout, a síndrome da desistência do educador, que pode levar à falência da educação. Petrópolis: Vozes, 1999.
DARLING-HAMMOND, Linda. A importância da formação docente. Cadernos Cenpec, São Paulo, v.4, n.2, p. 230-247, dez. 2014.
ENS, Romilda Teodora; EYNG, Ana Maria; GISI, Maria Lourdes; RIBAS, Marciele Stiegler. Evasão ou permanência na profissão: políticas educacionais e representações sociais de professores. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 14, n. 42, p. 501-523, maio/ago. 2014.
ESTEBAN, Maria Paz Sandín. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Porto Alegre: AMGH, 2010.
ESTEVE, José Manoel. O mal-estar docente: a sala de aula e a saúde dos professores. Bauru: EDUSC, 1999.
FARIAS, Isabel Maria Sabino de. Inovação, mudança e cultura docente. Brasília: Liber Livro, 2006.
FARIAS, Isabel Maria Sabino de. O discurso curricular da proposta para a BNC da formação de professores da Educação Básica. Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 155-168, jan./mai. 2019.
FARIAS, Isabel Maria Sabino de; JARDILINO, José Rubens Lima; SILVESTRE, Magali Aparecida; ARAÚJO, Regina Magno Bonifácio de. Pesquisa em Rede: Diálogos de formação em contextos coletivos de conhecimento. Fortaleza: EdUECE, 2018.
FORMOSINHO, João (Org.). Formação de professores: aprendizagem profissional e ação docente. Porto: Porto Editora, 2009.
FREIRE, Paulo. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: olha D‘água, 1997.
GARCIA, Carlos Marcelo. O professor iniciante, a prática pedagógica e o sentido da experiência. Formação Docente, Belo Horizonte, v. 2, n. 3, p. 11-49, ago./dez. 2010.
GATTI, Bernadete Angeline; TARTURCE, Gisela Lobo Baptista Pereira; NUNES, Marina Muniz Rossa; ALMEIDA, Patrícia Cristina Albieri de. Atratividade da carreira docente no Brasil: relatório final de pesquisa. São Paulo, Fundação Carlos Chagas; Fundação Vitor Civita, 2009.
GIOVANNI, Luciana Maria; GUARNIERI, Maria Regina. Pesquisas sobre professores iniciantes e as tendências atuais de reforma da formação de professores: Distância, ambiguidades e tensões. In: GIOVANNI, Luciana Maria; MARIN, Alda Junqueira (Orgs.). Professores iniciantes: Diferentes necessidades em diferentes contextos. São Paulo: Junqueira & Marin, 2014.
HYPOLITO, Álvaro Moreira. BNCC, Agenda Global e Formação Docente. Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 187-201, jan./mai. 2019.
HUBERMAN, Michel. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, Antônio. (Org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 2007.
IMBERNÓN, Francisco. Formação permanente do professorado: novas tendências. São Paulo: Cortez, 2009.
JACINTO. Entrevista. Fortaleza (Ceará), 31 outubro. 2018.
JADE. Entrevista. Fortaleza (Ceará), 24 outubro. 2018.
JESUS, Saul Neves de. Bem-estar dos professores: estratégias para realização e desenvolvimento profissional. 2. ed. Porto: Porto, 1998.
JESUS, Saul Neves de. Desmotivação e crise de identidade na profissão docente. KATÁLY515, Florianópolis, v. 7, n. 2, p. 192-202, jul./dez. 2004.
LAPO, Flavinês Rebolo; BUENO, Belmira Oliveira. Professores retirantes: um estudo sobre a evasão docente no magistério público do Estado de São Paulo (1990-1995). Reunião Anual da Anped, v. 23, p. 34-49, 2000.
LAPO, Flavinês Rebolo; BUENO, Belmira Oliveira. Evasão Docente e Abandono da Profissão: Um Estudo com professores do magistério público do Estado de São Paulo. Educação em Debate, Fortaleza, v. 2, p. 30-42, 2001.
LAPO, Flavinês Rebolo; BUENO, Belmira Oliveira. Professores, desencanto com a Profissão e abandono do magistério. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v.1, n. 118, p. 65-88, 2003.
LEMOS, José Carlos Galvão. Do encanto ao desencanto, da permanência ao abandono - o trabalho docente e a construção da identidade profissional. 2009. 315f. (Tese de Doutorado) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação, Universidade Católica de São Paulo, 2009.
LOUZANO, Paula; ROCHA Valéria; MORICONI, Gabriela Miranda; OLIVEIRA, Romualdo Portela de. Quem quer ser professor? Atratividade, seleção e formação docente no Brasil. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 21, n. 47, p. 543-568, set./dez. 2010.
NÓVOA, Antônio. Professores: imagens do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009.
OCDE. Relatórios Econômicos OCDE: Brasil 2018. Paris: Éditions OCDE, 2018.
PEREIRA, Greyce Lara Pereira; ALVES, Thiago. Contribuições da produção acadêmica recente sobre remuneração docente para discussão da Meta 17 do PNE. Fineduca – Revista de Financiamento da Educação, Porto Alegre, v. 5, n. 1, p. 1-21, 2015.
PEREIRA JUNIOR, Edmilson Antônio; OLIVEIRA, Dalila Andrade. Indicadores de retenção e rotatividade dos docentes da Educação Básica. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 46, n.160, p.312-332, abr. /jun. 2016.
PÉROLA. Entrevista. Fortaleza (Ceará), 10 outubro. 2018.
PIMENTA, Selma Garrido; ANASTASIOU, Léa Camargos. Docência no Ensino Superior. São Paulo: Cortez, 2014.
RAUSCH, Rita Buzzi; DUBIELLA, Eliani. Fatores que promoveram mal ou bem-estar ao longo da profissão docente na opinião de professores em fase final de carreira. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 13, n. 40, p. 1041-1061, set./dez. 2013.
SILVA, Roniel Sampaio. Quando a docência abandona os professores: a evasão docente na rede pública estadual de Rondônia. 2015. 140f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Rondônia, Rondônia, 2015.
SOUZA, Luiz Aparecido Alves de. Desvalorização social da profissão docente no cotidiano da escola pública no discurso do professor. In: X EDUCERE – CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO E I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE REPRESENTAÇÕES SOCIAIS, SUBJETIVIDADES E EDUCAÇÃO. 14., 2011, Londrina. Anais [...]. Santa Catarina: Universidade Estadual de Londrina, 2011.
TARTUCE, Gisela Lobo Baptista Pereira; NUNES, Marina Muniz Rossa; ALMEIDA, Patrícia Cristina Albieri. Alunos do ensino médio e atratividade da carreira docente no Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 40, n. 140, p.445-477, maio/ago., 2010.
VAILLANT, Denise. Políticas de inserción a la docencia en America Latina: la deudapendiente. Profesorado. Revista de Curriculum y Formación del Profesorado, Sevilha/ES, v. 13, n. 1, p. 27-41, 2009.
Publicado
23-10-2020
Como Citar
Cavalcante, M. M. da S., & Sabino de Farias, I. M. (2020). Permanecer na docência. Revista Educação Em Questão, 58(58). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2020v58n58ID22474
Seção
Artigos