No recreio

notas etnográficas sobre o adestramento do corpo e os construtos de gênero

Palavras-chave: Escola. Corpo. Gênero. Recreio.

Resumo

Este artigo propõe uma reflexão sobre um rito escolar no qual os corpos (in)dóceis de meninas e meninos podem, supostamente, se expressar com mais liberdade: o recreio. O que é o recreio, esse intervalo mágico, barulhento e alvoroçado que rompe momentaneamente um continuum feito de prescrições e proscrições? A partir de um olhar etnográfico, percebemos que o recreio também é feito de regras, nem sempre explícitas, que separam, classificam e hierarquizam, concorrendo para o trabalho incessante de adestramento dos corpos na escola. Os jogos e brincadeiras que nele ocorrem são generificados, assim como os espaços nos quais se desenrolam. Da quadra ao pátio, a sanção normalizadora recai de formas distintas sobre os corpos de meninas e meninos, segundo o gênero da transgressão e as transgressões de gênero. Entretanto, apesar da vigilância constante, meninas e meninos resistem, desviam, inventam: tensionam e deslocam as fronteiras de gênero em seus jogos e brincadeiras, testando, de forma lúdica, outras formas de ser e de estar no mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Debora Breder, Universidade Católica de Petrópolis

Doutora em Antropologia pela Universidade Federal Fluminense (2003/2008), com estágio doutoral na École des Hautes Études en Sciences Sociales (2006) e Professora Adjunta da Universidade Católica de Petrópolis, integrando o Programa de Pós Graduação em Educação. É pesquisadora do Grupo de Reconhecimento de Universos Audiovisuais (GRUA/UFRRJ); do Grupo de Análises de Políticas e Poéticas Audiovisuais (GRAPPA/UERJ); e líder do Grupo de Estudos em Educação, Cultura e Contemporaneidade (GRECCA/UCP).

Girlaine Vieira Weber, Universidade Católica de Petrópolis

Possui Graduação em Direito pela Universidade Católica de Petrópolis (1999), Graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2009 ) e Graduação em História pela Universidade Norte do Parana (2010). Mestre em Educação pela Universidade Católica de Petrópolis (2018). É membro do Grupo de Estudos em Educação, Cultura e Contemporaneidade ( GRECCA/UCP). Atualmente é diretora geral da Prefeitura Municipal de Petropolis. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Administração Educacional.

Referências

ALTMANN. Helena. Marias (e) homens nas quadras: sobre a ocupação do espaço físico escolar. Educação & Realidade, v. 24, n. 2, p. 157-173, jul/dez, 1999. Disponível em https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/55438/33701. Acesso em: 18 jul. 2020.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução Maria Helena Küner. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2003.

BOURDIEU, Pierre. Nouvelles réflexions sur la domination masculine. Cahiers du Genre, v. 2, n. 33, p. 225-233, 2002. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-cahiers-du-genre-2002-2-page-225.htm. Acesso em: 25 jan. 2020.

BOURDIEU, Pierre. O senso prático. Tradução Maria Ferreira. Petrópolis: Vozes, 2009

BOURDIEU, Pierre. A Casa Kabyle ou o Mundo às Avessas. Cadernos de Campo, v. 8, n. 8, p. 147-159, 1999. Disponível em http://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/52774/56619. Acesso em: 20 jan. 2020.

CARVALHO, Marília Pinto de. Quem são os meninos que fracassam na escola? Cadernos de Pesquisa. São Paulo, v. 34, n. 121, p. 11-40, jan/abr. 2004. Disponível em https://www.scielo.br/pdf/cp/v34n121/a02n121.pdf. Acesso em: 03 mai. 2020.

CARVALHO, Marília Pinto de. O conceito de gênero no dia a dia da sala de aula. Educação Pública. Cuiabá, v. 21, n. 46, p. 401-412, mai/ago, 2012. Disponível em https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/416/381. Acesso em: 20 jun. 2020.

CLARA. Entrevista. Petrópolis (Rio de Janeiro). 17 de maio. 2018.

CRUZ, Tânia Mara & CARVALHO, Marília. Jogos de gênero: o recreio numa escola de ensino fundamental. Cadernos Pagu, v. 26, p.113-143, jan/jun, 2006.

Disponível em https://www.scielo.br/pdf/cpa/n26/30388.pdf. Acesso em: 20 jun. 2020.

DAMATTA, Roberto. O ofício do etnólogo ou como ter anthropological blues. Boletim do Museu Nacional, v. 27, p. 01-12, 1978.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Tradução Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 2014.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade II. O uso dos prazeres. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Tradução Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Tradução Fanny Wrobel. Rio de Janeiro: LTC, 2015.

GERBER, Rose Mary. Mulheres e o mar: uma etnografia sobre pescadoras embarcadas na pesca artesanal no litoral de Santa Catarina, Brasil. 2013, 418f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de Santa Catarina, 2013.

HÉRITIER, Françoise. Masculin/Féminin. La pensée de la différence. Paris: Éditions Odile Jacob, 1996.

LAQUEUR, Thomas. Inventando o sexo. Corpo e gênero dos gregos a Freud. Tradução Vera Whately. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

LENA. Entrevista. Petrópolis (Rio de Janeiro). 18 de maio. 2018.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O trabalho do antropólogo. Rio de Janeiro: UNESP, 2000.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, jul/dez, 1995. Disponível em https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71721/40667. Acesso em: 26 jun. 2020.

WENETZ, Ileana, STIGGER, Marco Paulo. A construção do gênero no espaço escolar. Movimento, Porto Alegre, v. 12, n. 01, p. 59-80, jan/abr, 2016. Disponível em https://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/2891/1527. Acesso em: 10 jul. 2020.

WENETZ, Ileana, STIGGER, Marco Paulo & MEYER, Dagmar Estermann. As (des)construções de gênero e sexualidade no recreio escolar. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 27, n. 1, jan/mar, 2013. Disponível em https://www.scielo.br/pdf/rbefe/v27n1/v27n1a12.pdf. Acesso em: 18 jul. 2020.

WÜRDIG, Rogério Costa. Recreio: os sentidos do brincar do ponto de vista das crianças. InterMeio: revista do Programa de Pós-Graduação em Educação, Campo Grande, MS, v.16, n.32, p. 90-105, jul/dez, 2010. Disponível em https://periodicos.ufms.br/index.php/intm/article/view/2427. Acesso em: 20 jul. 2020.

Publicado
10-02-2021
Como Citar
Breder, D., & Weber, G. V. (2021). No recreio. Revista Educação Em Questão, 59(59). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2021v59n59ID23046
Seção
Artigos